A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 20 de Janeiro de 2017

24/06/2014 18:28

No Dia de São João, xará do santo comemora recorde de vida: 115 anos

Elverson Cardozo
Nos panos, Dominguinhos se mostrou alegre com o aniversário. (Foto: Cleber Gellio)"Nos panos", Dominguinhos se mostrou alegre com o aniversário. (Foto: Cleber Gellio)

Não é todo mundo que chega aos 115 anos, mas João da Rosa alcançou a marca nesta terça-feira (24) e comemorou a data rodeado de desconhecidos, voluntários, jornalistas, amigos, também idosos, e funcionários que fez dentro do Asilo São Bosco, no bairro Tiradentes, em Campo Grande, onde mora há mais de duas décadas.

Veja Mais
Guardiã de João, por uma semana repórter cuidou do Fusca sem freios de Júlia
Na novena que atrai milhares, até padre vai em busca de graça

A idade, que o coloca como um dos homens mais velhos do mundo, é controversa, porque o registro de nascimento é mais um daqueles feitos tardiamente. Mesmo assim, independente disso, há motivos de sobra para comemorar.

A festa do vôzinho caiu bem no Dia de São João. Foi em ritmo junino, com direito a bandeirolas coloridas decorando o salão e algumas, poucas, comidas típicas, como arroz doce e curau.

Senhor chegou ao asilo sem documentos. (Foto: Cleber Gellio)Senhor chegou ao asilo sem documentos. (Foto: Cleber Gellio)

Não teve quadrilha, mas a banda de música mirim da PM (Polícia Militar) fez o som. O repertório incluiu dobrados militares, como "Semper Fidelis", "Marcha de Guerra do Brasil" e, entre outras canções, até “Rolling In The Deep" (instrumental), da cantora Adele. A "playlist" é usada na maioria das apresentações do grupo.

Teve o “Parabéns” tradicional, claro, mas João, Dominguinhos, como é carinhosamente chamado, não pôde ouvir e nem agradecer os cumprimentos. Há 3 ou 4 anos, não fala e nem escuta mais.

Sentado na cadeira de rodas, perto do bolo, da identidade e da Certidão de Nascimento, que estavam à disposição dos curiosos, ele se mostrou alegre. Permaneceu a maior parte do tempo com a cabeça baixa, mas sorriu. As fotografias não negam.

Vestia um terno cinza com risca de giz, uma camisa rosa e, nos pés, sapatos marrom com meias brancas à mostra. O look, de um loja popular, custou R$ 170,00. “Foi presente. Eu que comprei. Ele gosta”, disse a coordenadora administrativa Josinete de Oliveira Pereira, de 35 anos.

“Mas uma grife da cidade podia vestir ele, né? Não merece?”, questionou a supervisora de cuidadores, Djanira Aparecida, que pouco sabe sobre a história do senhor.

De onde veio ? - Irmã Fausta Costa Passionista, 86, tem mais detalhes. “Ele chegou por determinação de um juiz e depois de uma denúncia. Estava jogado na rua. Os parentes nunca vieram visitá-lo”, contou, ao dizer que, na época, era diretora da entidade.

Irmã Fausta foi quem correu atrás da documentação de João da Rosa. (Foto: Cleber Gellio)Irmã Fausta foi quem correu atrás da documentação de João da Rosa. (Foto: Cleber Gellio)

Dominguinhos não tinha nem documentos. Só foi fazer o RG em maio de 1998, depois dos 90 anos. A data de nascimento que aparece no registro - 24 de junho de 1899 - foi informada por uma mulher que o conhecia e que o reconheceu durante uma visita. “Ela disse que ele trabalhou na fazenda do pai dela, em Maracaju”, relembrou.

Cecília Cristina da Rosa, que seria a mãe, aparece na filiação, mas irmã Fausta não soube informar como chegaram a esse nome.

Psicóloga do asilo, Selma Negreiros, de 61 anos, tem informações complementares e divergentes. Pelos relatos dela, o senhor nasceu em Maracaju, na Fazenda Santo Antônio, onde passou boa parte da vida trabalhando e ajudando a criar os filhos dos patrões.

Teria sido, segundo ela, “funcionário de grande confiança e anjo da guarda da família”, mas não construiu a própria história. Não casou e não teve filhos. Foi acolhido no asilo porque seu patrão, já com certa idade e doente, não conseguiu cuidar dele.

No asilo, poucos sabem da vida dele, mas a maioria tem a imagem de um senhor tranquilo que, quando gozava de boa saúde, não gostava de ficar parado. “Ele ajudava bastante a gente, lavando louça, varrendo fora, carregando baldes. Nunca falou da família”, relatou a cuidadora de alimentação especial Maria da Gloria, de 57 anos.

Hoje, ela também participou da festa. “É uma felicidade. Tem que agradecer a Deus por tantos anos de vida”, afirmou.

Festa reuniu desconhecidos, voluntários, jornalistas, idosos que moram no local e funcionários. (Foto: Cleber Gellio)Festa reuniu desconhecidos, voluntários, jornalistas, idosos que moram no local e funcionários. (Foto: Cleber Gellio)

Lino Lima, de 65 anos, outro idoso que mora no local, comentou a mesma coisa. “Eu podia alcançar os 400”, brincou. Do lado das mulheres, Rosa Ferreira Gonçalves, 77, a Rosinha, que também vive no asilo, ficou impressionada com os 115 anos de Dominguinhos, mas ela mesma não tem planos para o futuro.

“Às vezes acho que já vivi muito tempo. Tenho muito desgosto por ter perdido minha vista, mas seja feita a vontade de Deus. A gente vive até quando ele marcou”.




imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.