A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

03/09/2013 06:25

Noivas da "era tablet" viram um terror na hora de sonhar com cerimônia

Paula Maciulevicius
A decoradora faz uma média de dois casamentos por semana (Foto: Marcos Ermínio)A decoradora faz uma média de dois casamentos por semana (Foto: Marcos Ermínio)

Nos últimos três anos, o trabalho de quem está no mercado dos casamentos se complicou. As noivas chegam munidas de tablets e querem a festa dos sonhos reproduzida exatamente como as imagens que selecionou. As decorações nem sempre são viáveis e muitas das vezes a inspiração que elas tiram das páginas da internet são do país a fora. Realidade bem diferente de Campo Grande.

Veja Mais
Casal queria poetizar início, mas soube rimar como ninguém o "fim" do amor
Monogâmico ou não, gays e lésbicas querem o direito de viver a afetividade

Quem trabalha para tornar os sonhos realidade passou a ver nas noivas um pesadelo. Às vésperas da cerimônia, na era da tecnologia a palma da mão, o excesso de informação e sinônimo de terror para quem está do outro lado. A rapidez com que elas acham as tendências em casamentos até do outro lado do mundo está longe de ser a mesma com que as coisas chegam por aqui. A diferença entre o virtual e o real, é neste caso, gritante.

Decoradora há 25 anos, Maria Inês Martinusso tem uma média de dois casamentos por semana. É terminar um e já por em prática o outro. Como geralmente se tratam de cerimônias mais luxuosas, o preparo para o grande dia exige um ano de antecedência.

Ela quem repara que há dois anos ou três anos, os desejos se tornaram bem menos palpáveis. “Primeiro era o computador, a noiva já chegava com várias imagens, eu vi isso, eu gostei disso, eu quero isso. Mas elas não têm noção de quanto custa”, comenta.

As decorações carregadas em flores hoje estão em preços impraticáveis. A beleza natural de arranjos encareceu a ponto de, numa comparação rápida, Maria Inês contabilizar que o gasto de R$ 10 mil, antes considerado o valor de uma decoração estrondosa, hoje se limita a poucas coisas no salão.

A saída é tentar explicar que muitos dos sonhos estão bem longe da realidade do mercado em Campo Grande. “Ela olha uma revista e fala eu quero essa jabuticabeira, mas o pé era plantado dentro do salão. Uma decoração dessa vai, no mínimo, R$ 500 mil. E elas querem aqui fazer a mesma coisa com R$ 5 mil”, exemplifica.

A decoradora mostra que a imagem retirada de uma decoração de São Paulo, tem nos créditos, além da assinatura de produção, quem fez os móveis, os puffs, as flores, iluminação. “O mercado onde ela vê oferece tudo isso e muito mais para escolher, mas aqui isso não existe. Ninguém consegue fazer tudo”, comenta.

Vendo a ditadura das noivas no mercado das cerimônias, ela agora montou uma loja de artigos para a festa. Desde guardanapos, pratos e suplás, até os móveis. Investimento alto, mas que ainda assim reduz o custo de quem teima em querer um casamento de revista.

“Quem dirige tudo isso são as noivas e os tablets. Ninguém consegue barrar, faz parte do crescimento. Hoje elas já vem com muita informação e às vezes não sabe nem o que fazer com isso”.

Quando a troca de alianças passa a ser um show, se o mínimo dos detalhes não sai como planejado, é certo que a culpa está na decoração. “Elas vem sonhando que vão ter a florzinha igual da revista importada, chega no dia e não está, já fecham a cara. Depois chora, esperneia e põem a culpa na gente. A noiva tem que procurar fazer o que lhe agrade não é porque você não pode ter um forminha de R$ 2 cada que você vai ser infeliz. Não é isso que vai deixar seu casamento pobre”, tenta a decoradora, muitas vezes em vão, convencer as clientes.

No fim das contas, se a noiva insiste muito, a decoradora com toda classe, deixa que ela fique à vontade para procurar outro profissional. “É uma troca. Você precisa confiar muito no profissional para que ele consiga encaixar, dentro do seu orçamento, aquela decoração e fazer com que a noiva fique feliz. E não é fácil”, já adianta.




Nossa eu e meu marido ficamos emocionados ao sermos citados por Luciano Correa como exemplo de um casamento simples, realmente fiz tudo como eu imaginava, e fiz tudo com um valor que valia a pena, as pessoas no caso as noivas se esquecem que um casamento com festas luxuosas e só para ostentar para os outros o que realmente importa e se o casal vai ser feliz, quem esteve presente no nosso casamento sentia o romantismo no ar, tanto que resolvemos trocar votos e mesmo sem vermos um do outro citamos algumas coisas em comum, eu e meu marido trabalhamos muito para o casamento, eu sai as 11:20 do local da festa no dia sendo que o casamento era as 4 e meu marido saio 1da tarde, mas valeu muitoooo a pena, e até o luxo de entrar de fusca consegui.
 
Cristiane Laura em 03/09/2013 21:43:47
Pensando em casamento inevitavelmente vem aquela imagem tão sonhada de um momento sublime e fantástico. Tudo é muito importante no que trata a questão, os primeiros momentos que desfrutam da paquera, do namoro e a escolha do parceiro enfim. Importante seria, além dos seus preparativos, é tudo que antecede o fato em si. As relações construídas a dois, relações entre os familiares, os amigos... enfim tudo o que cerca a vida do casal. Assim deveria ser a história do casamento. Uma história elaborada e construída ao longo do tempo. E a festa? A festa seria a consequência de um momento encantador, compartilhando a alegria e o prazer de poder socializar com os seus, o grande sonho, conforme suas possibilidades reais sem exageros, podendo levar os noivos a desgastes intensos e desnecessários.
 
rosana queiroz da silva rodrigues em 03/09/2013 15:29:16
Eu, entrei nesse mercado de decoração de casamentos e aniversários, concordo com a Inês, tem noivas sem noção, eu estou entre a classe C e D, elas querem coisas que é simplesmente pavorosa, outras querem gastar 1.000 Reais, mas querem flores naturais, iluminação de primeiro mundo, com jeitinho mostramos os valores do seu sonho, umas quase enfartam outras mudam de ideia, é um mundo mágico.Eu estou adorando essa minha nova investida, seria bom se vcs fizessem uma reportagem com as noivas mais simples e dessem idéias para elas que o barato nem sempre é de mal gosto. Bjus.
 
TAHIS COUTO em 03/09/2013 07:24:00
Cada vez mais a simplicidade com bom gosto é dificil de encontrar. Acompanho este jornal e lí um reportagem da jovem que fez tudo para o seu casamento. Cara, aquilo foi dez. Acho que mantém um casamento são as dificuldades que passam o casal, juntos, e não festas de arrombas, que, no final termina em casamentos desfeitos. Certamente que decoradores profissionais valem a pena, e muito, mas o que vale mesmo é o casamento em sí e não festas de 'outro mundo'. As matérias da noiva que fez tudo sozinha esta em:
http://www.campograndenews.com.br/lado-b/comportamento-23-08-2011-08/noiva-economiza-fazendo-tudo-sozinha-e-agora-procura-fusca-azul-para-casar
http://www.campograndenews.com.br/lado-b/comportamento-23-08-2011-08/com-fusca-azul-atlantico-de-estofado-branco-noiva-se-casa-como-sempre-sonhou
 
Luciano Correia em 03/09/2013 07:19:53
Interessante como o que menos importa , em um casamento, é o que mais dão valor !!!!
Casamentos pomposos, verdadeiros shows e daqui um mês ( estou sendo bom ) o casamento acaba !!!!
Eu já vi situações assim, a cerimônia de casamento caríssima e infelizmente o casal se separou em menos de 1 ano !!!!
Ser humano movido pela emoção é como folha seca que o vento empurra pra qualquer lugar !!!
 
carlos a a de campos em 03/09/2013 06:41:49
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.