A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

05/08/2015 09:12

Para assumir aquilo que se busca é preciso muita coragem e determinação

Mariana Monge
Para assumir aquilo que se busca é preciso muita coragem e determinação

Um questionamento bem comum, mas que poucos se dão conta de sua importância: O que buscamos na vida? Afinal, o que nos move? Para que vivemos? A maioria das pessoas não gosta de perguntas, principalmente, as que provocam desinstalações. Quase nunca temos a coragem de nos questionar. Porém, mais difícil do que levantar indagações é respondê-las com sinceridade, até para nós mesmos.

Veja Mais
Uber multado, reajuste de ônibus e cidade sob chuva bateram recordes nas redes
Do Corinthians ao canteiro de obra, zagueiro que virou servente tem nova chance

Será que temos peito para responder o que de fato buscamos, sem nos preocupar em satisfazer expectativas alheias? Ou, então, assumir que simplesmente não sabemos o que buscamos, mas que também não estamos preocupados com isso...

Nos perdemos em meio ao que somos, ao que gostaríamos de ser e ao que os outros esperam que sejamos. Por isso que gosto de gente com coragem de ser aquilo que simplesmente é, sem máscaras, sem pressão, sem muita fantasia, sem precisar convencer para ser.

Às vezes, passamos boa parte da vida tentando controlar tudo à nossa volta, mesmo sabendo que, no fundo, controlamos nada... Tentamos grandes feitos para impressionar, mas, na verdade, são os pequenos detalhes que agregam valor aos relacionamentos... Arranjamos brigas por nossas diferenças, quando são elas que tornam a vida mais interessante... E, no fim, olha só a confusão que arrumamos com tudo isso.

Tudo porque, muitas vezes, não sabemos lidar com o nosso próprio projeto de vida (quando conseguimos criar um). E este campo pode ser muito mais amplo do que imaginamos, não está restrito apenas ao lado profissional.

Eu busco escrever a vida, do jeitinho que ela é, cheia de imperfeições perfeitas. Porém, mais do que isso, eu busco sabedoria para escrever sem perder a sensibilidade de contá-la em versos que se rezam em orações, e na certeza de que não estou só.

*Mariana Monge é jornalista e colaboradora do Lado B. Mais textos na página Mariana Monge.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.