A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

04/03/2014 07:49

Para não brigar durante o Carnaval, casais driblam o ciúmes com técnicas

Anny Malagolini
Dia de namoro no Cordão Valu. (Foto: Marcos Ermínio)Dia de namoro no Cordão Valu. (Foto: Marcos Ermínio)

Em festa de Carnaval, a ideia de que “ninguém é de ninguém” não empolga os comprometidos e quem tem alguém cria “estratégias” e cuidados para evitar a briga durante essa festa de pouca roupa e muita bebedeira.

Veja Mais
Caligrafia da escola rendeu à Marystella a profissão de designer de lousas a giz
Luis ganhou o título de presidente e hoje é dono da própria cadeira no bar

Vestidos de “Chapolin Colorado”, o soldador Edson Pompeu e a esposa, a veterinária Ana Paula Amorim vão passar o primeiro Carnaval juntos este ano. Para não criarconfusão, Ana conta que uma das estratégias usadas é não usar roupa provocante. Segundo ela, o essencial é ficarem sempre juntos. Mas se algum ou alguma abusada aparecer, ela afirma estar preparada. “Levo na boa, é Carnaval”.

Miriam Severo e o namorado, André Amaral, passaram por um estresse no ano passado, em uma festa no interior do Estado. Ele conta que achou algumas brincadeiras exageradas, mesmo usando aliança e ao lado da namorada, teve de lidar com engraçadinhos. “Tem homem que não respeita, passa a mão na bunda. E para não brigar, fomos embora”, reclama.

Mas nada foi tão sério que fizesse os dois desistir de aproveitar o Carnaval novamente em 2014. Dessa vez, porém, o casal escolheu um lugar que consideram bem "mais “calmo”, o Cordão Valu. Para festa gerar menos ciúmes e mais diversão, Miriam aconselha: “Quem namora tem que ir com turma, assim ninguém mexe. Da para aproveitar, mas não acho que é possível ir no Carnaval da Bahia, por exemplo”.

Há dois carnavais juntos, os namorados Dimitriu Cavalcante e Zilema Lopes não criaram nenhuma estratégia, mas acreditam que a melhor forma de não criar atrito é se divertir juntos, no espírito de Carnaval. “A gente vai rir”, afirma Zilma.

Apesar da fama da festa, para os namorados Guilherme Feldens e Beatriz Cruz o Carnaval não assusta e os cuidados são os mesmos de qualquer ambiente. Eles namoram há quase três anos e Beatriz afirma:“Nunca rolou estresse, um confia no outro”.

Com mais de 1,80 de altura, Guilherme brinca: “O meu tamanho assusta”. Ele acredita que independente do lugar, quem namora sabe que deve haver uma postura para que o outro não sinta ciúmes, e segundo ele, caso ocorra, o melhor jeito é evitar o confronto “Se algo do tipo acontecer, vamos nos afastar”.

Solteiros - “Eu respeito, mas é inevitável dar uma olhada na pessoa, mesmo que ela esteja namorando. Quando um não quer, dois não fazem”, assume a a secretaria Ana Rosa, de 21 anos, que hoje está solteira. Depois de namorar por 4 anos, a jovem lembra que enquanto comprometida, ela e o ex optaram por não participar desse tipo de festa, já que os dois eram ciumentos.

Marcus, de 23 anos, é auxiliar administrativo e confessa, já ficou com uma pessoa no Carnaval que era comprometida e, inclusive, estava acompanhada. “Não é o certo, mas no Carnaval é permitido, é tudo brincadeira”. Ele conta que depois de trocar olhares, o jeito foi se encontrar na fila do banheiro. “A gente se empolga e não pensa na consequência”.

Para não brigar durante o Carnaval, casais driblam o ciúmes com técnicas
Edson Pompeu e a esposa Ana Paula A.morinEdson Pompeu e a esposa Ana Paula A.morin



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.