A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 20 de Janeiro de 2017

17/04/2013 06:28

Para não quebrar o dente do outro durante a festa, aprenda "etiqueta da balada"

Ângela Kempfer e Anny Malagollini
Quando a aglomeração aumenta, a etiqueta é ainda mais necessária.Quando a aglomeração aumenta, a etiqueta é ainda mais necessária.

No sábado, Eder Lima saiu da balada com o dente trincado e a boca sangrando. Uma jovem que agitava os braços como louca, ao som cover do Legião Urbana, acertou a namorada do rapaz que atingiu com a cabeça o rosto de Eder.

Veja Mais
Guardiã de João, por uma semana repórter cuidou do Fusca sem freios de Júlia
Na novena que atrai milhares, até padre vai em busca de graça

“Desnecessário, porque ela era a única pessoa que estava fazendo aquilo (naquele local). Sangrei por uns 5 minutos, até decidir ir embora. Fiquei menos de 30 minutos no bar, depois de uma fila de 40 minutos, aproximadamente”, lembra.

Eder admite: não é o cara mais bem humorado da noite campo-grandense, mas pede educação. “Ela fingiu que era a coisa mais comum do mundo”. O contrário dele, que diz ser do tipo “que passa por uma multidão inteira sem pisar no pé de alguém ou esbarrar, sempre pedindo licença”.

É a tal “etiqueta social” que, com adaptações, pode salvar a noite dos menos eufóricos e proteger das gafes a turma empolgada. Para o Lado B chegar à lista de costumes a serem mudados, Eder relaciona vários. “Tem bares que as pessoas dançam com a cerveja ou qualquer outra bebida na mão, acima da altura do ombro. Qualquer esbarrão derruba a bebida e, geralmente, em outra pessoa.”

Ele segue citando pessoas “espaçosas”, que vão ocupando lugares sem ao menos pedir licença. Mas antes de continuar, volta a advertir que é “chato demais”, por isso teme não ser uma boa referência.

Por isso, procuramos gente mais “de boa” e as respostas continuam carregadas de críticas. A advogada Kamila Marques Pessoa não dispensa uma balada, apesar de muita coisa irritante.

“Galera que dança empurrando, com certeza, é o que mais me irrita. Mas também o tipo homem sem noção é chato. Aqueles que ficam puxando o cabelo são os piores”, comenta.

Para o publicitário Murilo Delmondes, o item número um no ranking da chateação é o cigarro. O incomodo é tanto que ele praticamente decorou a lei municipal sobre o fumo em local público.

"Tem gente que diz: ‘aqui não é fechado’. Mas não é desculpa para fumar. A lei municipal deixa claro que, independente se o ambiente for fechado ou aberto, não se pode fumar em espaço de uso público. A única exceção é a calçada, mas basta um toldo para não poder também”, ensina. Para ele, etiqueta é sinônimo de bom senso.

Trabalhando na noite há anos, Andréa Lucia vê de perto as gafes que os clientes cometem. A maioria por conta da bebedeira. “As pessoas bebem demais e ainda têm que ser carregadas pelo segurança. Tem casos até em que o segurança precisa arrebentar a porta do banheiro, porque tem alguém desmaiado lá dentro".

O agrônomo Silvio Desmero aumenta a lista de erros frequentes na noite. “Tem gente que pede para você segurar a comanda. Acho isso uma sacanagem de balada, porque se acontecer alguma coisa com o papel, você é que vai sair como culpado. Sai de casa, leva bolsa ou bolso”, protesta.

O rapaz também diz que já enfrentou de tudo por conta dos “folgados” e de “mulher atirada ou briguenta”. “Já perdi umas namoradas porque não tenho paciência para briga em balada. Não é o lugar apropriado para lavar roupa suja. Também não suporto carinha que coloca o uísque no centro da mesa para atrair a mulherada e a mulherada que cai no truque. È tudo cafona”.

Para concluir o manual, seguem algumas outras recomendações de quem se diverte na noite de Campo Grande tentando ser educado:

Só saia se tiver de bom humor para enfrentar fila; não discuta com o garçom quando ele fizer cara feia porque você não pagou mais 10%; decida primeiro aonde vai, para não tumultuar o trânsito na Afonso Pena; não perturbe o DJ pedindo músicas; seja tolerante com as apresentações de novatos; coma antes de enfrentar a noite, para depois não reclamar do preço, nem do tamanho da porção.




Nem tô afim de discutir isso...Porque a verdade é que o povão em geral sem restrição de idade,cor,sexo,e indiferente de ser no supermercado,balada ou posto de saúde,estão muito sem noção,sem paciência e educação...em qualquer cidade ou país... inclusive eu dependendo do dia,então a solução realmente é ficar em casa quem não tolera,e enfrentar a realidade quem suporta.
 
ana paula ribas em 17/04/2013 17:02:42
Eu concordo que o povo campograndesse é mal-educado em diversos sentidos, mas são bem poucas as pessoas com minímo de educação, bem poucas mesmo.
 
Rodrigo Alves em 17/04/2013 13:22:29
A verdade é o seguinte, como se já não bastasse os playboys bebados no transito, e ainda se deparar com o pessoal que ocupa todo o espaço dado e mais um pouco, e quase sempre cordialmente educados né, ficar em casa sai bem mais enconta!!!!!!!
 
Ailton Ocampos em 17/04/2013 13:10:18
"Seja tolerante com as apresentações de novatos". Campograndense tem q aprender a valorizar e a respeitar quem se propõe a dedicar-se a cultura.
 
Bergo de Almeida em 17/04/2013 10:54:07
Só na balada cometem gafes? Não! Infelizmente no trânsito, nas lojas e supermercados, até nas corridas de rua vemos (e sentimos) a falta de educação do povo campograndense.
 
Fabiana Felix em 17/04/2013 10:15:01
É só ficar em casa galeraaaaaa. Simples!
 
Dilma Boladona em 17/04/2013 09:42:44
E o pior é que as mulheres estão mais mal educadas que os homens, talvez seja porque o homem sabe que se fizer "gracinha" corre o riso de levar um sopapo no "pé da orelha", já as mulheres...
 
Guto Mello em 17/04/2013 08:31:44
Decida primeiro aonde vai, para não tumultuar o trânsito na Afonso Pena;
kkkkkkkkkkkkkkk, isso foi genial!
 
Suellen Kemp em 17/04/2013 08:23:31
Etiqueta de balada muita gente precisa, muitos irão ficar nervosinhos mas o povo campograndense é um dos mais mal educados que já na minha vida (em tudo e para tudo).
 
Leticia alves em 17/04/2013 06:58:25
imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.