A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

19/11/2014 06:13

Para pagar cirurgia de bailarina, amigas se únem e criam mostra de dança

Elverson Cardozo
A vida de Claudia é a dança, mas há oito anos a professora vinha sofrendo dores. Agora, está livre e recebe o apoio dos amigos e das alunas. (Foto: Arquivo Pessoal)A vida de Claudia é a dança, mas há oito anos a professora vinha sofrendo dores. Agora, está livre e recebe o apoio dos amigos e das alunas. (Foto: Arquivo Pessoal)

O corpo sempre foi o instrumento de trabalho da professora de balé Cláudia Moura, 40. Mas há oito anos ela vinha sofrendo com ele, por conta da LER (Lesão por Esforço Repetitivo) no quadril direito, que evoluiu para um cisto, segundo o último diagnóstico, dado há um ano. O problema causa intensas dores. Por isso, não podia fazer os movimentos que sempre fez, mas, esforçada, continuou dando aulas até se submeter à cirurgia, ontem (18) à tarde.

Veja Mais
Uber multado, reajuste de ônibus e cidade sob chuva bateram recordes nas redes
Do Corinthians ao canteiro de obra, zagueiro que virou servente tem nova chance

Das dores, felizmente, vai se libertar. O problema é que o procedimento, para realidade dela, é caro e o plano de saúde só cobre 70% dos gastos. Os outros 30% e a fisioterapia, que será necessária pelos próximos 6 meses, somam pelo menos R$ 12 mil, dinheiro que Claudia não dispõe.

Ciente da dificuldade, uma amiga da professora, a jornalista Marithê Lopes, e a aluna, Patrícia Cintra, resolveram organizar um evento de dança para arrecadar dinheiro. Juntas, elas criaram uma verdadeira força-tarefa e conseguiram planejar a primeira “Mostra de Dança Encontros”, que toma forma no palco do Teatro Dom Bosco no dia 12 de dezembro, a partir das 19h.

As apresentações vão reunir os mais variados estilos, do balé clássico ao contemporâneo, passando pelo multifuncional, pelo jazz, dança do ventre, de salão e street dance. Quatorze grupos confirmaram presença. São eles: Arte em movimento – Cláudia Moura, Maktub (balé Dom Bosco), Imagem (Ballet Auxiliadora), Ballet Beatriz de Almeida, Dança de Salão Vagão 3, Projeto Liarts, de Jaraguari, Projeto Tocando em Frente, Ballet Multifuncional, Balé Isadora Duncan, Ballet Colégio Curumim, Grupo Conexão Urbana, Litani, Lotu'z e o Ballet Nova Geração, além de duas dançarinas do ventre, Meri Najla e Safyra Maya.

Claudia e as filhas, também bailarinas. (Foto: Arquivo Pessoal)Claudia e as filhas, também bailarinas. (Foto: Arquivo Pessoal)

Responsável pelo Balé Dom Bosco, Suzana Dolabani Leite, não pensou duas vezes para aderir à campanha. “Primeiro porque ela se tornou minha amiga. Segundo porque a filha dela e outras bailarinas hoje são minhas alunas e terceiro porque sou cristã. Temos que dar apoio a quem precisa”, justifica.

Sobre a professora, ela só tem elogios. “Como profissional ela é séria, dedicada, busca conhecimento. É de uma índole fantástica. Com pessoa, para mim, é muito querida, doce, ajuda as pessoas”, comenta. Não tinha como dizer não, mesmo. Foi Suzana quem cedeu o espaço do teatro para que o evento possa acontecer. Ela tem direito a três apresentações por ano e só restava uma data, que agora será da mostra.

O evento promete ser especial. E, se depender dos alunos da professora, será único. Na boca deles, ela é quase uma mãe. É o que diz Eduarda Clarice Vasconcelos Velasquez, de 16 anos, bailarina de Cláudia desde os 6.

“Ela é bem dedicada. Às vezes se esforça até demais. Ela consegue ser mais que professora, mas mãe da bailarina porque cuida da gente também e participa da nossa vida. É isso que faz a gente se apaixonar cada vez mais pela dança”, diz.

O problema de Cláudia não é uma novidade para as alunas. “Ela comentava, mas nunca deixou de dar aulas. Mesmo com dores no joelho, no quadril, sempre deu o melhor dela”, completa a adolescente. A amiga, a jornalista Marithê Lopes, diz a mesma coisa.

“Ela é uma guerreira. Já faz muito tempo que ela tinha essa dor, mas não parou de dar aulas porque isso é o ganha pão dela”. A dedicação ao trabalho rende reconhecimento. “Teve uma competição na Argentina, em agosto, e ela ganhou 7 prêmios”, comenta.

No dia 12, os convidados, as alunas e as duas filhas, também bailarinas, fazem as honras da casa em um espetáculo que ela, desta vez, deve assistir da plateia.

Serviço – Ingressos para a I Mostra de Dança Encontros serão vendidos a R$ 20,00 no dia do evento, na bilheteria do teatro, que fica na Avenida Mato Grosso com a rua 14 de julho, no Centro de Campo Grande.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.