A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

28/01/2015 06:45

Peguei o microfone, soltei a voz, descobri que eu era desafinada e fui vaiada

Mariana Monge
Experimentei o amargo gosto da reprovação (Foto: Gustavo Monge)Experimentei o amargo gosto da reprovação (Foto: Gustavo Monge)

Devia estar na 7ª ou 8ª série do Ensino Fundamental (na década de 1990 ainda se usava este termo). Teve uma festa na escola, na qual uma das brincadeiras (talvez a mais concorrida entre os alunos) era o videokê. Comprei três fichas e a primeira música que escolhi para cantar foi "Asa Morena", da Zizi Possi.

Veja Mais
Despedida dominou a web na semana em que todo mundo coloriu de verde o coração
Datilografado, pedido de casamento revelou primo apaixonado em 1980

Sem qualquer receio e cheia de confiança, peguei o microfone e soltei a voz. Foi então que experimentei o amargo gosto da reprovação. Fui vaiada, zuada, quase xingada... Mas não entendia o que estava acontecendo, o porquê de os alunos, incluindo meus amigos, não estavam gostando.

Afinal, na minha casa, quando meu pai alugava videokê, e isso acontecia com certa frequência, nunca me disseram que eu desafinava. Pelo contrário. A gente se divertia cantando juntos. E como eu amava a cantoria da minha família.

Com o tempo, descobri que era sem tom, sem ritmo e com melodia errada. Mas a gente cantava com vontade de apenas cantar, não precisava impressionar, pois a nossa plateia (nós mesmos) não se importava com esses detalhes.

Mas a plateia lá de fora era muito mais exigente e eu acabei jogando no lixo as outras duas fichas que havia comprado para para cantar no videokê.

A verdade é que as pessoas são intolerantes demais com a "imperfeição" alheia. Veja bem! Eu disse alheia. Pois, em uma sociedade cada vez mais padronizada, acabamos usando filtros para enxergar (ou admitir) as próprias falhas.

E daí, eu descobri que o amor incondicional não é aquele que não enxerga os defeitos, mas sim aquele que te ama apesar dos defeitos. E segue em frente. E não deixa de cantar com você só porque desafina.

*Mariana Monge é jornalista e colaboradora do Lado B. Mais textos na página da autora - Mariana Monge.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.