A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

13/11/2014 06:13

Por cartas, crianças e adolescentes com câncer emocionam e pedem presentes

Elverson Cardozo
Cerca de 300 crianças passam pela AACC anualmente. (Foto: Marcelo Calazans)Cerca de 300 crianças passam pela AACC anualmente. (Foto: Marcelo Calazans)

Em carta endereçada ao Papai Noel, Rafael, um garoto de 11 anos, abre o texto dizendo que está muito feliz por escrever ao bom velhinho. Na sequência, conta que tem dois irmãos, que mora em Corumbá e que, em agosto deste ano, recebeu uma notícia infeliz, a pior da vida dele:

Veja Mais
Caligrafia da escola rendeu à Marystella a profissão de designer de lousas a giz
Luis ganhou o título de presidente e hoje é dono da própria cadeira no bar

“Recebi a notícia de que estava com leucemia. Minha vida mudou completamente. Não só a minha como a da minha mãe. Tive que parar de fazer o que eu mais gostava na vida, que era jogar bola. Minha mãe teve que parar de trabalhar e desistir do sonho de ter a própria casa. Nossa vida mudou completamente. Mas sempre ouvi minha avó dizer que Deus sabe o que faz, então, entrego nas mãos dele. Não existe médico melhor. Eu tenho fé que logo estarei curado e vou voltar a minha vida normal”, escreveu, à mão, com caneta azul.

Ao final, o menino fez o que tinha de fazer: Pediu de presente de Natal um “computador de verdade”, um “plesteichon 2”, um tênis e roupas. “Espero que me ouve”, registrou, antes de dizer o que queria.

Rafael é um dos adolescentes assistidos pela AACC (Associação dos Amigos das Crianças com Câncer), no Cetohi (Centro de Tratamento Onco Hematológico Infantil), localizado no 8º andar do Hospital Regional, em Campo Grande.

Este ano ele participa de mais uma campanha de Natal promovida pela associação. O projeto já virou tradição. Foi posto em prática há alguns anos, mas só agora é que a direção resolveu divulgar as cartinhas no Facebook. Na rede social, o impacto é maior e facilita a ação de voluntários.

Pela internet, sem precisar se deslocar à sede da AACC, como antes era feito, interessados em “adotar” as cartas podem conhecer histórias como a de Rafael e a de Lucas Teixeira Andrade, que foi acolhido na Casa de Apoio, localizada na Avenida Ernesto Geisel.

Lucas e a carta para o Papai Noel. (Foto: Marcelo Calazans)Lucas e a carta para o Papai Noel. (Foto: Marcelo Calazans)
Claudenice diz que o filho continua bagunceiro, apesar da doença.  (Foto: Marcelo Calazans)Claudenice diz que o filho continua bagunceiro, apesar da doença. (Foto: Marcelo Calazans)

“Tenho 6 anos e moro em Dourados. […] Estou aqui há um ano fazendo tratamento contra a LLA (Leucemia Linfóide Aguda). Faço quimioterapia a cada 21 dias no Hospital Regional. Descobri que estava com essa doença porque tive muita febre alta, por muito tempo, e não passava com a medicação”.

Lucas, diz o texto, é um menino muito esperto e bagunceiro, que gosta de correr, brincar e jogar bola. Ele quer ganhar uma bola de futebol, um aparelho de som para ouvir as músicas preferidas e, se possível, um carrinho de controle remoto.

As últimas linhas foram destinadas a um agradecimento antecipado, a quem quer que seja: “Ficaria muito feliz com qualquer um desses brinquedos. Muito obrigado e que Deus lhe abençoe e lhe dê em dobro”.

Lucas ainda não tem essa clareza de ideias. O pedido, é evidente, foi escrito pela mãe, a dona de casa Claudenice de Jesus Teixeira Andrade, de 36 anos. “Mas foi ele quem pediu os presentes. Ele falava e eu escrevia”.

Nice, como é conhecida, não se surpreendeu com as escolhas do garoto porque sabe que o filho mantém a vitalidade de sempre, apesar de enfrentar uma doença que fragiliza qualquer um. “Ele gosta é de pancadão. É desse tipo de música que ele gosta”, revela. Lucas não diz que sim nem que não, mas sorri porque sabe que é verdade.

Na mesa ao lado, no refeitório da AACC, Iasmim Vitória, uma bebê de 1 ano e 6 meses, ensaia abrir o berreiro quando nota a aproximação de dois estranhos, do repórter e do fotógrafo. A câmera a assusta, mas a mãe, Ana Paula Borges, de 18 anos, a tranquiliza.

Iasmim perdeu o olho esquerdo, mas já está se recuperando. (Foto: Marcelo Calazans)Iasmim perdeu o olho esquerdo, mas já está se recuperando. (Foto: Marcelo Calazans)
Ana Paula e a filha. (Foto: Marcelo Calazans)Ana Paula e a filha. (Foto: Marcelo Calazans)

Atenta, a menina posa para a foto, com um tampão rosa no olho esquerdo. Quem lê a carta dela, escrita por Ana Paula, entende logo o porquê do curativo.

“… Sou de Naviraí. Há 7 meses venho lutando contra uma doença chamada câncer, mas graças a Deus estou bem. Já passei por uma cirurgia que retirou o meu olho. Já fiz quimioterapia e agora estou começando a fazer radioterapia. Apesar de muito pequena sou valente e vencedora. Ficaria muito feliz se ganhasse de Natal uma boneca ou uma motoquinha. Já sei andar e estou começando a aprender a pedalar. Muito obrigado pelo presente”.

Quem atendeu ao pedido de Iasmim foi, por acaso, uma funcionária da própria AACC, a auxiliar de cozinha Mariana Yuri Genova Shibuya, de 30 anos, que decidiu realizar o desejo da menina junto com uma amiga, a secretária Ana Campeti, de 36 anos. “Ela é minha bebezinha. Quando vi ela me apaixonei”, conta.

Mariana já acompanhou o filho na AACC. Hoje trabalha na associação e faz questão de realizar sonhos. (Foto: Marcelo Calazans)Mariana já acompanhou o filho na AACC. Hoje trabalha na associação e faz questão de realizar sonhos. (Foto: Marcelo Calazans)

Mariana sabe a importância que o gesto tem porque ela mesma, na condição de mãe, já passou o que Ana passa hoje. De 2009 a 2010, antes de se tornar funcionária da associação, ela acompanhou o filho que, à época, foi diagnosticado com leucemia. Hoje ele está curado e ela, do outro lado do balcão, vê histórias parecidas se repetir. Garantir um sorriso de Natal é uma satisfação. “Não tem dinheiro que pague”, resume.

Serviço – As cartas de Iasmin, Rafael e Lucas já foram adotadas, mas há outras disponíveis. De 50 escritas até agora, 43 receberam a atenção de voluntários. Para participar da campanha , é só acessar a página da AACC no Facebook, escolher um carta e ligar no (67) 3322 8000 para agendar a entrega dos presentes, que serão repassados às crianças pelo Papai Noel, em um festa no dia 13 de dezembro.

A AACC fica na Avenida Ernesto Geisel, 3475. Outras informações podem ser obtidas no site www.aaccms.or.br




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.