A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

28/11/2015 07:12

Português é "difeLente", mas chinesada se esforça para chamar clientes no Centro

Paula Maciulevicius
Vamos lançar, vamos lançar diz chinesa de uniforme verde, que se esconde sempre que vê a câmera. (Foto: Marcos Ermínio)"Vamos lançar, vamos lançar" diz chinesa de uniforme verde, que se esconde sempre que vê a câmera. (Foto: Marcos Ermínio)

Numa andada despretensiosa pela calçada da 14 de Julho, os ouvidos percebem um português "difeLente" no Centro. A chinesada decorou um número mínimo de frases para poder desbancar a concorrência entre as lanchonetes e restaurantes do Centro da cidade. Apesar de muitos funcionários brasileiros, são os olhinhos rasgados que ficam na porta dos estabelecimentos, chamando para "lançar" (entende-se lanchar).

Veja Mais
Despedida dominou a web na semana em que todo mundo coloriu de verde o coração
Datilografado, pedido de casamento revelou primo apaixonado em 1980

As duas que mantém esse costume de chamar a freguesia levam o mesmo nome e dono, a Zhu lanchonete e restaurante. "Vamos lançar, vamos lançar", pergunta sorridente a chinesinha da primeira loja, quase esquina com a Afonso Pena.

Ela ri, convida e quem ao menos para para ouvi-la, é encaminhado a se sentar. "Tem mesa lá dentro", indica. Simpática com os clientes, arisca para reportagens. Quando começo a perguntar o nome, ela corre lá pra dentro. Só deu tempo de questionar: o que é preciso saber em português para chamar a clientela? "Vamos lançar?" responde com outra pergunta.

Chinês chama para almoçar dizendo que tem bastante coisa: até flango. (Foto: Marcos Ermínio)Chinês chama para almoçar dizendo que tem bastante coisa: até "flango". (Foto: Marcos Ermínio)

No diálogo travado com os clientes, ela repete a maioria das frases. "Uma coca", diz o rapaz e a chinesinha repete "uma coca". Talvez seja essa a forma do aprendizado. 

Na loja ao lado, as atendentes que ficam para o laod de fora escutam o convite chinês o dia todo e caem na risada na hora de imitar. "Vamos lançar, vamos lançar moça, comer salgado, tomar suco", brinca Ana Carla Martins, de 22 anos. A vendedora come ali quase todo o dia, fala que as frases de convite saem em tom engraçado. "Mas quer ver a gente não entender nada é quando eles estão conversando", diz. 

Aposentada, dona Izidra Suzuki tem 73 anos e pegou um lanche para a viagem. "Eu já queria entrar, mas ela estava ali na frente chamando. Achei engraçado o jeito de falar", conta. 

E não é só o jeito de chamar a clientela que leva gente para a lanchonete. Marina Ortiz, de 25 anos, fala que o atendimento além de engraçado na entrada, é rápido lá dentro. "Ouço o 'vamos comer salgado, vamos comer salgado', você escolhe, já sente e em 5 minutos come e vai embora. E nem precisa falar em português", comenta.

Ana Carla trabalha ao lado de uma das lanchonetes e ri do que ouve o dia todo. (Foto: Marcos Ermínio)Ana Carla trabalha ao lado de uma das lanchonetes e ri do que ouve o dia todo. (Foto: Marcos Ermínio)

Na quase seguinte, é a vez do lugar que também oferece comida self service ou prato feito. Mas claro que estes detalhes são falados por atendentes brasileiros, depois que a gente entra. Na fachada do comércio, está o casal Fernando e Hong.

"Bom dia, bom dia, vamos almoçar moça, almoçar?" repetem os dois, cada um de um lado. "Almoçar, almoçar, almoçar? Comida?" e quando pergunto o que tem no cardápio, ele responde "bastante coisa: tem peixe, flango, salada, vamos entrar por favor", explica Fernando.

Os nomes brasileiros são dados, por vezes, pelos atendentes ou eles mesmos que escolhem quando chegam ao Brasil. Jenifer, como se identifica a outra chinesinha, me oferece almoço de novo, mas lembra que já me viu lá dentro. "Ah não, você já almoçou", e ri. Jovem, ela diz que fala em português para chamar cliente "assim todo dia".

O que ela sabe? As frases prontas: "vamos lançar ou vamos almoçar e obrigada", completa. Sobre a língua portuguesa, ela não diz que é difícil, apenas "diferente". E tem hora que o "R" sai, custa, mas sai. Atendente da lanchonete, Patrícia da Silva, de 36 anos, acredita que essa é a forma de fazer negócio que eles aprenderam na China. "De convidar, chamar as pessoas", diz.

Na prática, Patrícia ainda fala que eles são rápidos em pegar as palavras e repetem até acertarem a pronúncia. O que ela mais ouve dentro dos estabelecimentos? "Eles oferecendo suco o tempo todo", brinca.

Curta o Lado B no Facebook.

Para Marina, além de engraçado, atendimento é rápido e nem precisa ser em português. (Foto: Marcos Ermínio)Para Marina, além de engraçado, atendimento é rápido e nem precisa ser em português. (Foto: Marcos Ermínio)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.