A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 18 de Janeiro de 2017

27/06/2016 06:30

Prefeitura quer punir quem não respeitar nome social de transexuais no comércio

Naiane Mesquita
Projeto de lei quer criar mecanismos para inibir preconceito e homofobiaProjeto de lei quer criar mecanismos para inibir preconceito e homofobia

O Projeto de Lei n.8304/2016 foi apresentado na Câmara Municipal pelo Executivo na semana passada e, como todo tema envolvendo sexualida, deve dar o que falar. O texto dispõe sobre medidas de combate à discriminação devido à orientação sexual e identidade de gênero no âmbito do município de Campo Grande, com vários pontos positivos para travestis e transgêneros que terão mais uma forma de exigir respeito, inclusive, de serem reconhecidos por instituições privadas pelo nome social.

Veja Mais
Na novena que atrai milhares, até padre vai em busca de graça
Tatuagem é carinho para a mãe que há meses só fala por cartas com filho

Ao todo o projeto tem seis artigos, sendo que o segundo pune com multa o ato de “negar atendimento adequado e respeitando o nome social de travestis e transexuais”. Segundo Cris Stefanny, coordenadora de Políticas Públicas LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transgêneros) de Campo Grande, que auxiliou na elaboração do texto, a lei municipal teria o poder de aplicar multa e até cassar o alvará de funcionamento de estabelecimentos privados que praticarem atos homofóbicos e se recusarem a aceitar a carteira de nome social de travestis e transgêneros.

O documento que é feito no Centro de Referência em Direitos Humanos apresenta o nome social da pessoa assim como seu número de RG. “O documento tem validade. O que acontece muito são as empresas não aceitarem na hora de realizar um cadastro ou crediário, por exemplo. Isso causa constrangimento”, ressalta Cris.

A lei seria importante porque em nível federal e estadual não há formas de defender essa bandeira. “A nível federal não tem nenhuma lei que estabeleça o crime de homofobia, o congresso acabou que não votou a PLC 122, projeto de lei complementar que combatia e equiparava a homofobia ao crime de racismo. Nós temos uma lei estadual de número 3157, de novembro de 2005, mas que não tem as mesmas caracteres da lei federal, não tem o crime passível de prisão, já que isso é apenas em nível federal. Ela prevê multa e sanções administrativas para empresas privadas, elas não poderia, por exemplo, participar de licitações”, explica Cris.

A lei municipal é um avanço porque pode cassar o alvará de funcionamento dos estabelecimentos até que a multa seja paga. “É importante frisar que a pessoa deve provar que o ato de homofobia aconteceu. Se a gente pensar, as vezes é melhor sensibilizar a pessoa, mesmo que seja pagando do bolso, igual no trânsito, ninguém usa cinto de segurança por ter medo de morrer e sim por medo da multa”, indica.

Apresentada na Câmara, a lei causou polêmica entre os vereadores. Luisa Ribeiro (PPS) defendeu a votação em caráter de urgência, ressaltando que a lei já existe em nível estadual. Enquanto Paulo Siufi (PMDB) acredita que há necessidade de uma avaliação da casa em relação a lei.

“O projeto deu entrada na quinta, se fosse votado em caráter de urgência ele não seria debatido. Um dos incisos afirma que as pessoas tem o direito de frequentar o lugar comum. Banheiro é um lugar comum. A travesti vai usar o banheiro feminino, eu não concordo, não gostaria que ela entrasse no banheiro onde minha filha e minha mulher frequentam”, ressalta.

Luisa rebate afirmando que a lei é muito maior que o questionado por Siufi. “A lei cria mecanismos de combate ao preconceito e a discriminação com pessoas LGBT, projeto que tem semelhança do que já existe no Estado”, frisa.




Vereadora Luiza Ribeiro... Campo Grande é uma cidade sem problemas na saúde com falta de pediatras, segurança, educação na falta de merenda e atraso nos uniformes e sem buracos. Não vejo a senhora fazer cobranças do prefeito incompetente Bernal com essa vontade como esta defendo esse caso dos LGBT. Porque?
 
Beto em 27/06/2016 08:34:52
imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.