A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

26/05/2013 16:46

Professor admite que exagerou contra “gays”, mas diz ser vítima de “heterofobia”

Ângela Kempfer
Texto publicado no Facebook e depois excluído.Texto publicado no Facebook e depois excluído.

Ainda assustado com a repercussão de postagem no Facebook, o professor universitário Kleber Kruger, de 24 anos, admite que exagerou. “Falei sim como veado homossexual, mas não queria ofender ninguém”, diz. Ele conta que foi levado a atacar os “gays” por conta do desrespeito do “movimento” com a instituição.

Veja Mais
Professor ataca “bichonas” da UFMS e defende fim de cursos “coloridos”
A pé, Tulia faz percurso de 10 km até biblioteca onde aprendeu a ser feliz

Na sexta-feira, Kleber postou mensagem onde ataca os homossexuais, depois de se deparar com pichações nos corredores do curso de Ciência da Computação. “Nem lembro completamente o que está escrito, mas fiquei muito nervoso. Eles picharam as paredes”, conta.

Hoje, em entrevista ao Lado B, o professor lotado em Ponta Porã, mas que faz mestrado em Campo Grande, disse estar arrependido. “Foi um erro. Nunca pensei que teria uma repercussão como essa. Lamento”.

Ele garante que postou as mensagens em um ato impensado, “no calor da raiva”, e mostra indignação quando volta a falar sobre o assunto. “Cheguei lá na faculdade e tinha uma bandeira colorida, com o movimento (gay) fazendo manifestação lá no bloco deles. Depois, vi as paredes todas pichadas e só no nosso bloco. Lá no lado deles tá tudo limpinho”, explica.

Mas o sangue subiu realmente à cabeça, lembra Kleber, quando leu a palavra “machistas” estampada em uma das paredes do bloco por onde passam alunos de Engenharia e Computação. “Eles também passaram do ponto. Vivem chamando a gente de machista. Me pareceu provocação. Acham que podem tudo. Pichar também é contra a lei”, argumenta.

Kleber lembra que “dia desses” postou também o vídeo de Felipe Neto, que ficou famoso na rede por discurso contra a homofobia. “Eu coloquei e ainda escrevi que concordo com tudo que ele diz. Não sou homofóbico. Tenho amigos e alunos gays. Tem um aluno que foi muito mal em uma das provas, ele é gay. Não tive dúvida, fui lá e apoiei ele a continuar no curso, a andar. Não tenho problema nenhum com homossexuais”, assegura.

Para ele, chamar alguém de "veado f.d.p" é como falar com um amigo que torce para o time rival. "Falo assim, mas não sou uma pessoa ruim. Quemme conhece sabe. Sou um cara que gosta de brincar, que leva tudo na boa. Nunca sairia por aí batendo em alguém".

O professor parece muito abalado e diz ter medo de retaliação, principalmente, por ser um professor substituto. “Sei lá o que podem fazer comigo. No atual momento, eles acham que podem fazer tudo, que estão acima da lei”, lamenta.

O temor começou com os comentários na mensagem postada por ele. “Tinha gente lá dizendo que queria ver meu corpo no IML. Isso não é violência? Eu também sou vítima, mas de heterofobia”, conclui.




DE UMA COISA EU TENHO CERTEZA: DOIS HOMENS (OU DUAS MULHERES) JAMAIS JAMAIS JAMAIS
CONSEGUIRÃO GERE UM FILHO EM COMUM. NÃO ADIANTA ME CHAMAREM DO "HOMOFÓBICO"
QUEM AFIRMA ISSO É SIMPLESMENTE... A MÃE NATUREZA
 
HIDERALDO DE SANTA ROSA em 26/09/2013 18:43:08
FALEM O QUE QUISEREM, DIGAM O QUE QUISEREM MAS EU PEÇO AOS GAYS: RESPEITEM QUEM NÃO É GAY; RESPEITEM OS ESPAÇOS PUBLICOS; RESPEITEM AS ESCOLAS; RESPEITEM AS FAMILIAS;
QUEIRA OU NÃO QUEIRA O HOMOSSEXUALISMO É SIM UM TERRENO INFÉRTIL,
NUNCA, ABSOLUTAMENTE NUNCA DOIS HOMENS OU DUAS MULHERES VÃO TER A GRAÇA DE GERAR UM FILHO...NÃO SOU EU QUEM DIZ, É A NATUREZA...
 
HIDERALDO DE SANTA ROSA em 26/09/2013 18:38:00
Um homem que usa um comentário agressivo e diz que foi "por estar de cabeça quente", nunca sera "vítima". Este professor tem índole perigosa e é capaz de agir de qualquer forma quando se sente inseguro.

Se gays te deixam inseguro, Professor Homofóbico, é melhor vc rever teus conceitos e aceitar a realidade.

Pessoas que pensam como este professor deveriam ser enjauladas!!!

 
Odara Abujamra em 29/05/2013 16:29:45
A pagina dele no FB sumiu.... bela democracia que reina neste País!!! Que pena, eu ia adicioná-lo como amigo ou, de qualquer forma, hipotecar minha solidariedade pela coragem de dizer o que pensa sem medo de ser calado pela ditadura da minoria ínfima...
 
julia d'amore em 29/05/2013 08:27:59
Vivemos sob o gayzismo! Ninguém pode dizer absolutamente nada contra os homossexuais que não só é taxado de homófobo (qta ignorância!!) mas tb é perseguido brutalmente pelos "tolerantes"!
E nem foi para tanto, pq o que o PROFESSOR escreveu todo mundo pensa, até mesmo homossexuais mais sensatos.
Diga-se de passagem que até 2010 o homossexualismo constava no CID como doença, e só foi retiro por pressões dos grupos gays que são minoria absoluta no Brasil e no mundo, mas fazem muito barulho.
De qqr forma, o Feliciano continua na Comissão de Direitos Humanos. Isso nos dá esperança de que nem tudo está perdido.
 
julia d'amore em 29/05/2013 08:19:40
Esse professor deveria ser nomeado o Reitor da Universidade!!!!!!!
Ele reconheceu ser um ser humano que tem o total direito de revoltar-se contra crimes e vandalismos (lembre-se da pichação), mas também se mostrou extremamente humilde em reconhecer o erro, pelo modo como mostrou a sua revolta!!!
Relaxa aii galerinha.... Quem não deve não teme! Ele não temeu em postar a opinião DELE no facebook DELE.. Não citou nomes!!!
Agora se estão a gigantesca maioria aqui repudiando o professor, e temendo algo, é porque muito provavelmente temem alguma coisa, não acham?!?!?!
E que venha a reitoria da UFMS para o Professor Kleber Kruger...
 
Valber Almeida em 28/05/2013 11:31:57
Perdi um Professor que sempre realizou seu trabalho de forma integra e responsável,sem nada de homofobia , pelo simples fato de expor um comentário em rede social.(exagerado sim e com as palavras erradas,mais acaba com a carreira dele,nao é justo).
e a UFMS sera que vai perde um aluno pelo ato de VANDALISMO e infringir a lei Por PICHAR as paredes da instituição ??
#indignação
 
Marisa Napoleão em 28/05/2013 09:19:47
O Professor mostrou um despreparo absurdo com uma postagem dessas, ele poderia ter dito quase a mesma coisa sem ter ofendido ninguém, acho RIDÍCULO aquelas pichações na Federal, independente do conteúdo, agora se tenho opiniões A ou B saio pichando uma parede pública com A MINHA OPINIÃO? É assim que se cobra respeito? Não é assim que o tema tem que ser discutido. Não vejo nada como imposição, alguém virou gay por que viu as paredes pichadas ou o vilão da novela é gay?!? Aquelas pichações foram feitas quando? Por quem? Universidade não é lugar disso, as pessoas tem que ter mais respeito e consciência.
 
Hélio Braga em 28/05/2013 09:09:58
Antes de sairmos acusando algo ou alguém devemos checar as fontes para sabermos se tal acusação é verídica de fato, até o momento não foi apurado os autores das pichações, neste caso não sabemos se realmente foi um Gay, Homossexual ou ''Bichona" como preferir chamar, antes de proferir tais comentários, pois tais pichações podem terem sido feitas por qualquer um tanto um Hétero por Exemplo. Em relação ao fechar os cursos "coloridos" como disse o tal professor, fechem a UFMS toda, começando pelo curso de Medicina pois ali há altos índices de homossexuais, o de Odontologia, Enfermagem, Arquitetura, Direito, Administração, Letras, entre outros, pois acreditem conheço Gays que estudam na UFMS que frequentam tais cursos que mencionei e não são um ou dos acadêmicos não, são vários.
 
Gustavo Henrique em 27/05/2013 23:47:14
"agora que o homosexualismo não é plano de Deus e que pessoas que realizam essa prática segundo a biblia não herdarão o reino dos céus isso é fato" - Querido Rafael de Medeiros, o que está em discussão aqui não é o reino dos céus e sim a justiça na terra. Por favor, guarde as suas interpretações dos textos bíblicos para você e sua comunidade religiosa e preste atenção neste trecho: "Não errais: nem os impuros, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem malakoi, nem arsenokoitai… herdarão os reino de Deus" - Coríntios 6:9-10. malakoi: "pusilânime", também "mulherengo", e é esse o sentido que a palavra original tinha nos tempos de Paulo. em nenhum época sequer a palavra malakoi significou "homossexual" ou conceito semelhante.
 
Diego Oliveira em 27/05/2013 16:34:45
Difícil acreditar que a pichação tenha sido feita por gays. 1º porque os homossexuais escrevem "a homossexualidade" e não "o homossexualismo" cujo sufixo "ismo" refere-se a doença. Depois porque não há provas, evidências que comprovem o ilícito. Se houver, eles devem ser punidos pela pichação, como ato de vandalismo, o que não explica em nada a maneira descaradamente preconceituosa que esse "professor" se expressa. Quando diz: "daqueles cursos formadores de bichonas" ou "tinha que pegar aqueles cursos de gente colorida e fechar tudo!" ele se coloca em uma posição de superioridade e quase de exclusão, como se em engenharia e computação não houvessem gays e lésbicas. Para finalizar, heterofobia soa a escárnio. Só se tem fobia daquilo difere dos padrões(cuja ignorância insiste em não aceitar)
 
Renato Brandão em 27/05/2013 15:38:00
Heterofobia?
Deixem de hipocrisia, isso sim! Esse termo apenas quer reverter uma situação, quer vitimizar alguém desequilibrado, que PROVOU não ter a mínima condição de estar numa sala de aula. Picharam? Certo, sejam punidos PELA INSTITUIÇÃO, OS CULPADOS, os quais ele desconhece e acusou um grupo de pessoas, generalizando uma conduta criminosa, ligando-a a homossexualidade. Esse rapaz não merece ser chamado de professor e espero, espero de verdade que a instituição atenda as cetenas de assinaturas que pedem a demissão do mesmo. Não por perseguição ou "Heterofobia" (leia-se canalhice), mas por justiça e precaução, para que nenhum aluno seja obrigado a assistir a aula dele, ser perseguido ou algo do tipo. Ser contra é uma coisa, incitar ódio, violência é outra. Agora ele posa de bonzinho.
 
Maylson Honorato em 27/05/2013 15:15:39
Liberdade de expressão, sei... Então também não seria absurdo eu falar e sair por aí bradando que os negros devem ser escravizados novamente e que é um absurdo eles estarem soltos nas ruas, que é um absurdo mulher votar, que elas não deveriam ter esse direito jamais e lutar por isso, também seria normal eu xingar e querer que todos os judeus morram, não seria nada estranho eu dizer que odeio pessoas nascidas no sul e que esses branquelos deveriam ser chicoteados até a morte???? Se manquem seus ignorantes, a sua liberdade vai até onde não fira a de outras pessoas, negras, gays, brancas, nordestinas ou o que quer que sejam!!! Pensem antes de liberar as merdas que tem dentro dos seus crânios sem cérebro!
 
Bernardo Souza em 27/05/2013 15:14:28
Heterofobia ou seja a canalhice ganha outro nome e significado. Esse sujeito agride de modo covarde e torpe a dignidade dos cidadãos e cidadãs lésbicas, gays, transexuais e travestis, e ainda, se acha na condição de "vítima"? Ao que tudo indica, o lugar comum agora dos biltres é: provocar e atingir na dignidade do próximo, e depois dizer que ele "provocou reagindo", só para alegar "legitima defesa" da "honra". Até a algum tempo atrás isso se chamava canalhice, hoje mudou de nome e virou essa tal "heterofobia"; porque não basta ser hétero, tem de ter "medo de gays" pra posar de "macho".
 
Robson Silva em 27/05/2013 13:59:50
Meu Deus ,o que esse "professor" postou é simplesmente PODRE...onde está sua ética?Afinal, professor é formador de opinião, mas com esse linguajar chulo, baixo... parece coisa de vileiro, não de professor universitário.
Grande parte da cidade esta pichada, mas isso é coisa de gentinha...independente da opção, orientação sexual, nem todo gay é ralé, muito pelo contrário.
Engraçado!!! por esse ESTRESSE todo contra os GAYS???rs,rs,rs...por que não contra vândalos???
Em RESUMO: Essa atitude não passou de um moleque desmedido, sem noção que, ao invés de fazer algo mais importante, vai se incomodar com picuinhas e postar tudo que vê e acha. O Facebook é bom, desde que saiba utilizar, mas antes tem que TER MATURIDADE e saúde mental.
 
Neyde de Oliveira em 27/05/2013 13:02:44
Será que ele já parou para pensar que, morando na fronteira, existem traficantes que são homossexuais? Se eu fosse ele, teria cuidado... a história de discriminação e preconceito dele já chegou em Pedro Juan...
 
Luciano Silva Oliva em 27/05/2013 12:42:43
Heterofobia, concordo plenamente meu caro colega. homossexualismo é diferente de promiscuidade, o que fizeram se chama danos ao patrimônio público, vandalismo e deve ser punido severamente. vivemos em um pais laico onde podemos expressar nossas opiniões, então porque se eu falo que sou contra o homosexualismo eu estou sendo homofóbico? não tenho mais o direito de expressar minha opinião, homofobia para mim é a mesma coisa que intolerância que corrobora para agressão fisica e verbal e isso eu sou contra porque Deus nos diz para amar as pessoas independentemente das diferenças, agora que o homosexualismo não é plano de Deus e que pessoas que realizam essa prática segundo a biblia não herdarão o reino dos céus isso é fato.
 
Rafael de Medeiros Pereira em 27/05/2013 09:35:00
A questão é que vivemos numa sociedade democrática e isso dá aos cidadãos o direito de ser a favor ou contra determinados assuntos, como o aborto e a maioridade penal que também são tidos como questões polêmicas e divide opiniões. O problema é que a sociedade não anda deixando alguns se posicionar contra o homossexualismo, pois já coloca a pessoa como uma preconceituosa sem ao menos ouvir seus argumentos, atingindo a liberdade de expressão do cidadão, logicamente que deve se ter essa liberdade, mas sem ferir o direito do outro.
 
Ana Paula Benites em 27/05/2013 09:14:13
Ninguém está certo nessa história.Os gays estão errados em sua forma de protestar,afinal, vandalismo é crime!E o professor está errado em sua forma de expressão,seu desrespeito.

Ambos não merecem a atenção de nenhum público,embora eu concorde com a indignação do professor!
 
Mylena Silva em 27/05/2013 09:05:12
Liberdade de expressão esta longe de ser considerado crime de homofobia, falta bom senso para saber o que é crime de preconceito e direito à Liberdade de expressão, sou contra casamento gay por exemplo e tenho o direito a expressar minha opinião é lamentável a perseguição heterofobica que pode ser tão violenta e criminosa quanto o contrario.
 
aureliano sousa em 27/05/2013 07:43:32
Mesmo sendo homossexual, eu concordo com algumas justificativas do professor. Parece que agora alguns homossexuais querem se por acima da lei. Se você quer respeito, tem que se dar o respeito também. Que necessidade tinham de pichar os muros? Que fizessem uma manifestação de outro jeito. Lógico que não justifica o vocabulário boçal que o professor usou. Mas até entendo o ponto de vista dele.
 
Isabelle Dantas em 27/05/2013 07:41:27
Heterofobia???
Desde quando a cultura heterossexual NÃO FOI imposta?

Ao falar de fobia e discriminação, devem se considerar as minorias, pois estas precisam gritar para se libertarem!

Lembrando que a Universidade é lugar para contestação, discussão e aprendizado. Seria este o ambiente ideal para uma pessoa que se expressa desta maneira, com tanta vontade de calar a outrem???
 
Wladimir Morais em 27/05/2013 04:10:41
Acho que sexualidade assim como religião é como órgão sexual masculino, cada um tem o seu. Não precisa sair exibindo "ele" por aí, se mostrando e muito menos enfiando de goela abaixo em ninguém; o que tem acontecido muito é desrespeito tanto com os homossexuais que muitas vezes não tem seus direitos respeitados e tbém com os heteros pois são obrigados a aceitar grosserias, provocações e rótulos de preconceituosos de baderneiros que não consegue entender onde termina seus direitos e onde começa os direitos dos outros. Liberdade de expressão, direitos de todos a favor ou contra. Pra baderna penalidade da lei independente da opção sexual.
 
elias guizzon em 26/05/2013 23:45:03
Os homossexuais não devem confundir o que eles são com promiscuidade, a sociedade não deve aceitar vandalismo mesmo, infelizmente por ser um "assunto da moda" no Brasil deixam de lado a ordem e o respeito aos demais cidadãos e a instituição.Um pouquinho de "moralidade" pessoal.
 
Anotnio Carlos em 26/05/2013 22:47:24
O PRECONCEITO É TÃO ARRAIGADO E TÃO PROFUNDO NAS PESSOAS QUE DIZEM NÃO TER PRECONCEITO... QUE A PRIMEIRA COISA QUE AFIRMAM SEM SABER É QUE A CULPA DA PICHAÇÃO TERIA SIDO DOS "HOMOSSEXUAIS"... ATÉ ONDE EU SEI ESSA PICHAÇÃO TEM UM TOM IRÔNICO E PODERIA MUITO BEM TER SIDO FEITA POR MALANDROS "HOMENS" QUE RONDAM A NOITE INSEGURA DA UFMS....
 
bruno ramos em 26/05/2013 22:05:19
Não acho que seja um caso dessa tal heterofobia. Ninguém foi lá te xingar ou pedir sua demissão por você ser hetero, caro professor. Reação a uma ação não é preconceito, aliás, vai na direção contrária da lógica do pré-conceito.

Devia ter pensado no que ia dizer e em como ia reagir ao que, pra você, foi um "ataque" ao invés de sair metendo os pés pelas mãos para depois dizer que está sendo perseguido.
 
Claus Corbett em 26/05/2013 21:43:04
Pichação é Crime independente o motivo ou manifestação, o que foi colocado por ele que eles fazer "vandalismo" só com a coisa alheia é um ato infantil e inaceitável independente de qual seja o seu movimento, seja ele de defesa sexual ou racial. Como eles podem querer ter direito tendo tal atitude com as instituições e a sociedade. Respeito se ganha com respeito.
 
Everton Luis em 26/05/2013 21:09:05
O professor está certíssimo, LGBT não quer direito aos homossexuais, quer ditadura. Quem quer direito aos homossexuais são os gays libertários, isso sim. Todo o resto apoia comunismo e é implicante com religião.
 
Rogério Carlos em 26/05/2013 20:38:11
Não consigo entender: como este cidadão se tornou professor?Mesmo que seja "substituto", acredito que a instituição deve, NO MÍNIMO, repreendê-lo, pois o mesmo tem o dever de ser ético, ou se não consegue aceitar as diferenças, que seja CONVIDADO a entregar seu cargo.
 
Waldemir Ribeiro em 26/05/2013 19:05:55
Realmente vivemos tempos estranhos onde não se pode sequer ser contra a pratica do homosexualismo e ter que aguentar calado a exaltação desse estilo de vida em novelas, seriados , passeatas etc...Ser heterosexual, branco e cristão é totalmente "antiquado" e reacionário" .Eu sou gordo, pálido, feio, pobre e antisocial e nao obrigo ninguem a me aceitar e também nao fico de mimi em redes sociais. Já os Gayzistas "tolerantes" pedem a cabeça das pessoas contrarias as suas ideias e estilo de vida .Vivemos a ditadura do politicamente correto, a heterobia, a cristofobia etc..Em nossa chamada "democracia" é proibido ter opinião contrária, logo ja é rotulado com palavras- gatilho tipo: machista, homofobico(seja lá o que essa merda significa).Bem capaz do professor perder seu emprego.
 
Luciano M. de Almeida em 26/05/2013 18:37:32
Eu penso exatamente como o professor.
Abaixo a heterofobia!
Cadeia para todos aqueles que são contra a constituição de uma família feita por um homem e uma mulher.
 
Lucio Sloan em 26/05/2013 18:18:03
Pelo que li, não consegui identificar nenhuma frase que incitasse o ódio nem do "professor" em questão e nem de ninguém mais. As frases apenas falavam de amor, que a meu ver, independente do modo, é amor e não justifica-se em ódio. Por ser um professor, e ainda mais, universitário, tal "professor" deixou a desejar e realmente mostrou o sujeito mau amado que ele é. Saiba, caro professor, que no mundo existem sim as diversidades e que elas passarão por todos os âmbitos da sociedade, inclusive a Universidade onde o senhor leciona. O mínimo que o senhor deveria fazer é respeitar já que no seu coração de humano não cabe amor pelas diferenças.
 
Mateus Martins em 26/05/2013 17:29:48
tem que respeitar...mas esses ai não respeitam o próprio espaço onde estudam, é vegonhoso esse campus de CG, pichações, depredação é a falta de respeito,educação ao próximo e aos bens públicos. Lembrem que a Alemanha Nazista veio depois de uma fase de liberalidade...
 
Caio Prado em 26/05/2013 17:24:35
Kleber, porque de professor ele não pode ser chamado. Você diz que está com medo de retaliações, porque os gays acham que podem tudo e estão acima da lei. Você está enganado, quem deve achar que está acima da lei e que pode tudo é você, ao sair por ai dizendo o que bem quer, incitando ódio. Uma coisa é ser contra e expressa sua opinião, outra é fazer o que vc fez. Certamente você não tem amigos gays, coitado desses supostos amigos, imagina se você fosse inimigo. Com receio de ser demitido você agora quer se fazer de amiguinho. Você não é vítima de heterofobia, o que os gays querem é apenas o direito deles, ninguém quer acabar com o seu direito. Já vc faz parte daqueles que não querem conviver com as diferenças. No mínimo o que cabe a você é a demissão.
 
Rafael Santos em 26/05/2013 17:17:11
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.