A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2017

02/11/2016 18:56

Traduzida do inglês, cerimônia com caixão e espadas homenageia médico morto

Paula Maciulevicius
Copiada da Igreja Anglicana, padre e maçons se reuniram ao redor de um caixão aberto para comemorar o dia da lembrança. (Foto: Marina Pacheco)Copiada da Igreja Anglicana, padre e maçons se reuniram ao redor de um caixão aberto para comemorar o "dia da lembrança". (Foto: Marina Pacheco)

O salão do cemitério Memorial Park parou por minutos na tarde deste Dia de Finados para uma homenagem aos que já se foram. Copiada da Igreja Anglicana, padre e maçons se reuniram ao redor de um caixão aberto para comemorar o "dia da lembrança" e ainda homenagear o médico e maçom, Carlos Vinícius Pistóia, morto com um tiro no peito em março deste ano. 

Veja Mais
Guardiã de João, por uma semana repórter cuidou do Fusca sem freios de Júlia
Na novena que atrai milhares, até padre vai em busca de graça

Padre da igreja Vétero-Católica, Jenner Ramão de Oliveira, foi quem comandou a celebração denominada de "interdenominacional", que reuniu maçonaria e a religião espírita. "Copiei da Igreja Anglicana, traduzi a cerimônia que nada mais é do que o dia da lembrança, onde então nós não cultuamos os mortos, mas lembramos", explica.  

Com um caixão ao centro do salão, guardado por dois "anjos" acompanhados de espadas, a cerimônia tem leituras em conjunto e orações, além do desejo de que aqueles que já se foram caminhem para a eternidade. Os nomes lembrados na cerimônia foram lidos em voz alta. "Nos reunimos aqui para explicar que a vida é eterna e a maçonaria prega muito isso", completa o padre.

Simbolismos da igreja e da maçonaria dentro do caixão. (Foto: Marina Pacheco)Simbolismos da igreja e da maçonaria dentro do caixão. (Foto: Marina Pacheco)
Vela acesa para iluminar o caminho dos que já se foram. (Foto: Marina Pacheco)Vela acesa para iluminar o caminho dos que já se foram. (Foto: Marina Pacheco)

Na cabeceira do caixão estava uma bíblia e dentro dele, o avental, compasso e espada, que numa versão bem resumida, é o que direciona a vida de um maçom. "Por que colocamos aqui dentro? Porque a vida deles, dos que já partiram, foi completa. Agora começou outra caminhada, que é a de luz e por isso acendemos uma vela ao final da cerimônia", descreve o padre.

Maçom, José Alves Nogueira, explica que a cerimônia carregada de simbologia é só lembrança e saudade. "Momento de recordar os irmãos, todos os anos temos trabalhado neste sentido. Viemos aqui, evocamos os nomes deles e lembramos, até porque acreditamos que isso pode ajudá-los a ter um pouco de paz", justifica José. 

Para os espíritas, a data é considerada o "dia da saudade". "Aqui se reúnem várias correntes filosóficas e religiosas, existem pelo menos sete do que se acontece: desencarna, volta a uma alma universal ou segue dormindo até o juízo final e para nós, conviver com essas correntes de pensamento é uma fase da compreensão da verdadeira vida", ensina Landes Pereira. 

A cerimônia foi aberta ao público e terminou com uma homenagem ao médico. "Ele partiu num momento de desespero e está à caminho da luz. Pistoia vá em paz e que o seu caminho seja iluminado", frisou o padre. 

A cerimônia foi aberta ao público e terminou com uma homenagem ao médico Carlos Pistóia. (Foto: Marina Pacheco)A cerimônia foi aberta ao público e terminou com uma homenagem ao médico Carlos Pistóia. (Foto: Marina Pacheco)



imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.