A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

15/07/2015 06:55

Um brinde aos jovens que acham lindo ficar bêbado e ter história para contar

Mariana Monge
Um brinde aos jovens que acham lindo ficar bêbado e ter história para contar

Outro dia, sentada em uma roda de jovens e amigos entre seus 18 e 20 e poucos anos, eu observava uma série de narrações de histórias de bebedeiras. A cada conto, que não passavam de lembranças de momentos que viveram juntos, a risada vinha fácil e durava. Tive dificuldade em identificar quem ali estava mais orgulhoso pela coleção de embriaguez. O meu espanto aumentava à medida que os meninos e as meninas achavam graça de simplesmente estarem bêbados e darem trabalho a outras pessoas.

Veja Mais
Despedida dominou a web na semana em que todo mundo coloriu de verde o coração
Datilografado, pedido de casamento revelou primo apaixonado em 1980

Bom, este poderia ser um texto “careta”. E talvez até seja (tudo depende do ponto de vista). Mas antes que me chamem a atenção pela hipocrisia e me questionem se eu nunca fiquei bêbada, confesso que já tomei lá os meus pileques. Foram poucos, mas eles existiram. E também não vou negar que gosto de tomar uma cervejinha uma vez ou outra, em um momento de lazer. Mas acho que o importante é saber a hora de parar. E esta hora é antes de o álcool subir à cabeça e me tirar do controle da situação.

Porém, não é disso que quero falar aqui neste texto. Não é sobre o beber em si, o ficar bêbado ou não. Mas sim sobre o pseudo-status do “fiquei bêbado”, tão comentado nas rodinhas de amigos. Engraçado que nunca ouvi ninguém dizer isso com tanto orgulho na frente de pai e mãe. Olha que coisa!

E por falar em família, uma pergunta corriqueira entre os jovens: “o que vou contar aos meus netos?” Afinal, devemos colecionar momentos e histórias (engraçadas, aventureiras, loucas e por aí vai). Já dizia Chaplin: “A vida é uma peça de teatro que não nos permite ensaio. Por isso, cante, chore, dance, ria e viva intensamente, antes que a cortina se feche e a peça termine sem aplausos”.

Mas o problema é quando cantar, dançar, rir e viver intensamente estão sempre associados ao álcool. E isso não é um mal exclusivo das últimas gerações. Ah, não! Longe de querer bancar a antropóloga ou socióloga, mas observo desde às histórias da época da adolescência da minha mãe a associação de bebida com felicidade e status.

Acho que desde sempre, beber tem um “quê” de independência, que é o que todos nós sonhamos e buscamos. Pura ilusão. E me pergunto de onde eles tiraram que isso é sinônimo de “moral”.

Já não sei se as pessoas bebem por gosto, só para ficar bêbado ou para se enturmar. Juro que fico bem perdida nesta conta aí. E lamento por ver jovens tão orgulhosos em deixar aos seus netos um baú recheado de histórias de cachaçadas. Mas cada um escolhe a herança que vai passar para frente.

*Mariana Monge é jornalista e colaboradora do Lado B. Mais textos na página Mariana Monge.




Engraçado que muitos desses se dizem cristãos e frequentam a igreja ou templo sem contar ao pároco que estavam no culto à Baco.

E o fato de alguém ter bebido no passado não é impeditivo para adotar outra postura frente a esse hábito. As pessoas evoluem, adquirem novos conhecimentos, a mente se desenvolve e opniões mudam. Triste de quem tem aquela velha opnião formada sobre tudo e ri de quem é uma metamorfose ambulante.

Alias, se prosperasse a tese do: "até parece que você nunca fez", não haveria evolução social, o branco ainda seria a raça superior, a mulher estaria na cozinha, a criança apanhando de cinta, o estuprador seria "macho" e o bully um grande líder.
 
Guilherme Arakaki em 16/07/2015 07:19:05
O marketing das bebidas que é sempre direcionado aos jovens, faz com que se embebedar vire moda, acredito que se proibirem a propaganda de bebidas alsólicas como foi feito com os cigarros esse modismo de ficar bêbado acabe, do mesmo modo que hoje fumar é feio devido a não existir mais propagandas de cigarros em todas as mídias.
 
wild em 15/07/2015 15:53:08
Excelente texto, que retrata exatamente o que eu penso. Desde minha adolescência sempre ouvia os colegas de escola contando com orgulho sobre embriaguez e vômitos decorrentes de bebidas em excesso. Sempre achei ridículo expor isso para ficar com moral! Tudo que é demais, faz mal. A bebida é também uma droga, porque tira a pessoa de sua consciência. E isso não é motivo de orgulho, nem de histórias boas para contar para ninguém!
 
Kelly em 15/07/2015 12:16:10
Eu li um livro "O mito da felicidade" da Jennifer Michael Hetch (http://www.jennifermichaelhecht.com/the-happiness-myth/) que traça um paralelo histórico através de diversas épocas sobre a busca da felicidade através de diversas formas, seja consumo de drogas, bebidas, alimentação e momentos. Recomendo a leitura, ela desmistifica não somente as bebidas, mas drogas, sexo e alimentação.
 
EderLima em 15/07/2015 10:50:22
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.