A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

04/09/2016 07:25

Uma vida na arte e com a ajuda de 3 mães, 2 delas que já viraram despedida

Lenilde Ramos
O último adeus foi para Glorinha Sá Rosa. O último adeus foi para Glorinha Sá Rosa.

A tarde estava quente quando meu pai me pegou pela mão e entrou por uma das ruas daquela cidade em miniatura. Caminhava devagar, olhando casas pequeninas que pareciam de brinquedo: umas de mármore, outras caiadas, com portas, janelinhas, retratos, nomes, datas, anjos, flores vivas, de plástico, velas derretidas, paredes desbotadas ou cheias de mato, mas todas com uma cruz.

Veja Mais
Casal queria poetizar início, mas soube rimar como ninguém o "fim" do amor
Monogâmico ou não, gays e lésbicas querem o direito de viver a afetividade

Era a primeira vez que eu entrava num lugar daquele e meu pai estava ali para desvendar o mistério do qual tentava escapar há dois anos. Paramos em frente a uma casinha pintada de azul e ali vi o retrato de minha mãe. Foi tudo silencioso e respirei fundo. O que não conseguia ouvir, naquele momento consegui ver claramente. Saímos, meu pai foi a uma loja, me comprou uma boneca e me levou pra tomar sorvete no Torino. 

Mais de meio século depois, a tarde estava quente quando entramos no mesmo lugar, levando o corpo de minha "mãe cultural" para o jazigo de sua família. Com ele, caminhou incansável, compartilhando energia, animando mentes e talentos e incentivando a arte de gerações. Naquele lugar de retorno ao pó, eu senti o espírito de Glorinha Sá Rosa vivo em cada um de nós.

Quem estava ali do meu lado era a freira que me abraçou quando minha mãe partiu e que zelou por mim a vida toda. Ela também se despedia da amiga forte e empreendedora.

O calor e o cansaço fizeram com que quebrasse o protocolo na maior naturalidade, como sempre faz e, sem cerimônia, sentou-se num daqueles túmulos. Num certo momento, apenas nos olhamos e entendi. Fui até ela, nos demos as mãos e saímos devagar passando perto da pequena casa, onde há tanto tempo, meu pai revelou sua verdade sem dizer uma palavra.

Eu não quis parar, porque para nós, o tempo ainda é de caminhar, trabalhar, plantar, colher e de viver neste mundo. Aquele foi um dia de lembrar com carinho a mãe que me gerou, de reverenciar a mãe que me fez cantar e escrever e honrar a mãe que, até hoje, me ensina a viver pelo que vale a pena viver. Sou feliz pelas mães que tenho!

*Lenilde Ramos é cantora, compositora, instrumentista, escritora e colaboradora do Lado B




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.