A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

23/10/2011 11:43

Só camisinha não resolve, adolescentes precisam de educação sexual, diz bispo

Paula Vitorino
Missa foi celebrada por Dom Dimas ontem na Praça do Papa, com presença de autoridades. (Fotos: Pedro Peralta)Missa foi celebrada por Dom Dimas ontem na Praça do Papa, com presença de autoridades. (Fotos: Pedro Peralta)

“Tratam a questão como se bastasse dizer ‘use camisinha, use camisinha’, não é assim que se orienta um adolescente para a vida sexual”, opina o bispo de Campo Grande, Dom Dimas Lara Barbosa, sobre a polêmica que envolve a instação de máquinas dispensadoras de preservativo nas escolas.

Veja Mais
Câmara vai mudar lei e pode autorizar distribuição de camisinhas a alunos
Distribuir camisinhas ou distribuir consciência?

O projeto é do Governo Federal e tem como objetivo prevenir doenças sexualmente transmissíveis e a gravidez precoce.

Em Campo Grande, a Câmara Municipal se antecipou ao projeto federal e aprovou no dia 15 de setembro lei que proíbe a instalação das máquinas em órgãos municipais, bem como, na rede pública e particular de ensino.

Mas o prefeito Nelson Trad Filho vetou a proibição da Câmara no último dia 21, alegando algumas falhas no texto do projeto. O prefeito diz que o projeto “generalizou” a questão e que é favorável a instalação em alguns locais, como para alunos com mais de 16 anos.

Já o arcebispo da Capital se pronunciou sobre a polêmica neste sábado, antes da celebração da missa em comemoração aos 20 anos da visita de João Paulo II. Ele chegou de um Congresso de Comunicação Católica no Chile, na sexta-feira (22), e disse que agora está se inteirando do veto municipal e quer conhecer melhor quais foram às motivações do prefeito.

“Recebi a notícia e fiquei preocupado. Quero conhecer melhor o que levou a vetação da proibição para ter uma análise melhor da situação”, afirmou.

Para Dom Dimas, a implantação de máquinas de camisinha em instituições de ensino fundamental e médio é um convite a iniciação precoce da vida sexual.

Educação - O líder religioso ressalta que é preciso educar, orientar e não distribuir camisinhas como forma de evitar a gravidez e doenças sexualmente transmissíveis.

“Você não orienta a vivência da sexualidade responsável entregando uma camisinha. Só isso não basta. É preciso que haja uma educação sexual nas escolas”, frisa.

Dom Dimas explica que os adolescentes necessitam, com urgência, desse tipo de orientação. Ele ainda diz que é “preocupante ver que cada vez mais cedo os adolescentes iniciam a vida sexual”.

“Ele precisa ter consciência do que é uma relação sexual, das responsabilidades e cuidados, e isso exige maturidade e não uma distribuição desenfreada de camisinhas”, diz.

Resolve? - O arcebispo ainda chama a atenção para os reais resultados das ações de distribuição de camisinha. “Existe toda uma campanha em nível nacional para distribuir as camisinhas, mas o que a gente vê é cada vez mais crianças engravidando. Isso mostra que a política do “dar camisinha” não resolve por si só”, alerta.

Para o arcebispo, a falta de conscientização a respeito da sexualidade deixa lacunas na vida de crianças e adolescentes, que acabam iniciando “precocemente e irresponsavelmente” a sexualidade.

“É muito preocupante ver que meninas de 12 até 10 anos estão engravidando. Hoje cada dia mais a vida sexual é iniciada mais cedo”, chama a atenção.

Prefeito, Vereador Siufi e esposa durante a celebração. Prefeito, Vereador Siufi e esposa durante a celebração.

Ação - O bispo afirmou que cabe a sociedade, Católica ou não, se posicionar contra a posição do governo. “Somos cidadãos e temos o dever de nos posicionar sobre assuntos polêmicos como esse. Os Católicos e demais que são contra a distribuição devem mostrar sua opinião”, diz.

Como líder, ele disse que a arquidiocese deve emitir uma nota de orientação sobre o assunto, mas ressaltou que a Igreja não deve “tomar o lado desse ou daquele político”, mas sim, alertar o cristão para estar atento à postura dos políticos que elege.

Nesta segunda-feira (24), o presidente da Câmara Municipal, vereador Paulo Siufi, disse que irá até a arquidiocese para conversar com o bispo. “Ele me chamou para conversar sobre o projeto e segunda irei até lá”, disse.

Não é só religião - O vereador afirmou que a questão não pode ser vista somente pelo lado religioso, mas também de saúde.

“Eu sou Católico, o prefeito também, mas conversamos muito sobre o assunto e realmente a distribuição em alguns locais e até para adolescente maiores de 16, que já tem uma consciência em formação, pode ser necessária”, frisou.

Siufi e o prefeito participaram da missa neste sábado, na Praça do Papa. Os dois garantiram que a distribuição de camisinhas na Capital não será feita antes de uma ação educativa nas escolas, voltada para o Ensino Médio.

“Os adolescentes precisam disso, de orientação. Nós não podemos fechar os olhos para a sexualidade que acontece na adolescência, mas também não devemos incentivar”, disse Siufi.

O prefeito ainda completou afirmando que as camisinhas não serão como “balas, que o adolescente vai lá e pega quando quer”.

Câmara vai mudar lei e pode autorizar distribuição de camisinhas a alunos
O presidente da Câmara Municipal de Campo Grande e um dos autores do Projeto de Lei Complementar 276/2010, que veda a instalação de máquinas dispensa...
Distribuir camisinhas ou distribuir consciência?
Antes de qualquer pré-julgamento, reafirmo meu compromisso com a liberdade de opinião e a necessidade do contraditório como parte intrínseca da vida ...
Maioria dos leitores é contra máquinas de camisinha em escolas da Capital
A maioria dos leitores do Campo Grande News é contra a instalação de máquinas de preservativo em escolas públicas de Campo Grande. Segundo enquete qu...



Ok.

Vamos transferir as políticas de saúde pública para as igrejas católicas e evangélicas para termos uma experiência e ver o que acontece.

Eu arrisco um resultado: caos.

Acho útil o discurso da igreja como forma pedagógica, mas o mesmo não se aplica na realidade.
Distribuir camisinhas, seringas e oferecer panfletos sobre educação sexual é uma forma de reduzir danos. O governo está certo.

 
Eduardo Vieira em 25/10/2011 11:05:10
Contra fatos não há argumetos!

O Arcebispo está certiiiiiiisssssssssssiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiimooooooooo!


Parabéns!
 
Ana Cristina Fernandez em 24/10/2011 12:26:18
O que é que um Bispo entende de educação sexual??????
 
Bruno Nodes em 24/10/2011 09:34:27
Por um lado, metade das crianças que nascem são filhas de crianças...Não há uma política de apoio às famílias, na criação dos filhos, na organização familiar. Camisinha? Mas só isso não é mais um estímulo à promiscuidade sexual?
 
Valfrido m. Chaves em 24/10/2011 08:52:56
A Educação do Adolescente foi tirada por Leis politiqueiras que tiraram a responsabilidade dos pais e deram liberdade demais aos jovens e crianças.. Toda Educação provém dos pais ou não terá nunca. Nós vemos Padres, Psicólogos, Juizes e outros falando de Educação e direcionamento correto para os adolescentes; o 1º nunca casou e os demais nunca estão presente quando os filhos precisam.
 
luiz alves pereira em 24/10/2011 08:17:44
vamos eleger a bancada evangelica.ai acaba isso.
 
alexsanbdro limo em 24/10/2011 08:10:48
Considera-se também que o SUS é UNIVERSAL, direcionado a todos e não apenas aos católicos. O bispo deve deixar a religiosidade e o achismo de lado e levar a nossa saúde a sério, a não ser que a igreja católica se proponha a tratar as DSTs e a curar a Aids, como também sustentar as famílias com adolescentes grávidas.
 
Fernando Hassessian em 24/10/2011 03:06:48
Sou profissional da saúde e trabalho na prevenção à Aids. Nosso trabalho é baseado em estudos, estatísticas e experiências verificadas em todo o mundo. Tratar a saúde na base do achismo, como faz o este bispo, só contruibiu para o aumento de casos de DST, Aids e gravidez na adolescência. O bispo pode orientar seus fiéis a não usarem a camisinha, mas não deve prejudicar todo um sistema de saúde.
 
Fernando Hassessian em 24/10/2011 03:03:38
Concordo 100% com o Bispo. Os jovens precisam de Educação sexual, Moral e Cívica, Ética e Ensino Religioso, isso além de diminuir o numero de adolescentes grávidas também diminuiria a violência. Os jovens estão sem norte. Só dar camisinha é o mesmo que dizer tranzem até não aguentar mais que tá tudo bem.
 
Alaerson de Jesus Muniz em 23/10/2011 12:13:18
Boa noite,
O Nelsinho e o Siufi já foi adolescentes e com certeza deveria saber que não é na liberalidade que se conscientiza, não é abrindo sem orientação aos jovens, (ex.;Educação Moral, Ética, filosofia, sociologia) tudo isso que era em ospb, ed. moral, ciências biológicas, que hoje foram suprimidos da educação que poderiam fazer jovens como nós fomos, mesmo em realidades diferentes.
Analise.
 
LOADIR APARECIDA SILVA em 23/10/2011 11:42:32
Esse tipo de diplomacia me envergonha. Onde está o "sim, sim; não, não"?

"Não vou atacar fulano, não vou atacar ciclano; Sou contra, mas se for para agradar a política, posso ser a favor também... etc., etc., etc.

Que medo é esse de dizer a verdade de uma vez por todas?!

SOU CONTRA a destruição moral das crianças e jovens E PONTO FINAL.
 
Alinny Aparecida em 23/10/2011 11:34:37
Está muito enganado o bispo dizendo que só há distribuição de camisinha. Ora, se adolescentes querem fazer sexo vão fazer, com ou sem preservativo. Adolescentes do ensino médio precisam ter acesso facilitado a preservativos. Parem de usar religião como freio para o desenvolvimento da sociedade.
 
Murilo Ferreira Borges Delmondes em 23/10/2011 10:59:31
O sexo é imposto pelo corpo, não por moral ou por religião.Antigamente usava para evitar um vida. hoje é para preservar a nossa vida.
 
Tonhão Alves em 23/10/2011 09:56:05
Sou Cristão Católico favoravel por inteiro a fala do Sr Bispo,deve educar sim a partir dos pais,que nem sequer foram educado para isso.
 
Quirino Areco Cristão . em 23/10/2011 08:56:10
Concordo com o bispo,acho responsabilidade dos pais sua base moral,e que os educadores tem que se preocupa em educação sexual nas escolas e não promoção da promiscuidade desacerbada.CADE A SEGUNDA CASA QUE ERA A ESCOLA.
 
paulo henrique de o em 23/10/2011 06:55:56
Medidas preventivas, Programas de saúde da Família, hábitos de higienização do ambiente, campanha de prevenção contra a AIDs e às DSTs; enfim gera uma zona de permanente tensão quando o Estado entra em campo para cumprir seu dever de promoção da saúde pública.
Essa tensão deve-se, em grande parte, a uma interpretação do direito à saúde, garantido no artigo 196 da Constituição Federal, como um direito coletivo a saúde.
Há de haver distinções. Se o comportamento individual, alvo da ação preventiva do Estado, inegavelmente afeta outros indivíduos que com ele convivem, permitindo a transmissão involuntária de uma doença, deve o poder público agir no sentido da conscientização preventiva, com campanhas aptas a alcançar esse fim. O Estado deve agir com mais cautela e preservar a individualidade.
Exemplo recente e controverso aconteceu aqui em Campo Grande, Estado de Mato Grosso do Sul, a distribuição de camisinhas aos estudantes do ensino fundamental e médio – adolescentes, com o objetivo de ensinar-lhes a utilização da camisinha – visto por setores da sociedade civil como um incentivo à sexualidade precoce e um reconhecimento, pelo Estado, de que esse despertar somente será maléfico se não houver uso de preservativo.
É necessário que o Estado atue com rigor através de campanha preventiva, de tratamento e de fornecimento de medicamentos. No desencontro de boas intenções, muito se perde; perde-se a oportunidade de alcançarem, ambos os lados, aquilo com que sonham: uma saúde sustentável e uma liberdade saudável.
 
Roosevelt Gomes em 23/10/2011 05:54:40
Poderia ser nas farmácias, postos de saúde, mas na escola é um tanto quanto estranho, imagine crianças que nem sabem ainda o que é sexo expostos a esse material. Deve se ter educação com responsabilidade, respeitando as faixas etárias e as descobertas de cada um. Quando eu simplesmente coloco uma máquina de camisinhas ou deixo disponível a quem quer em uma escola, isso não é responsável.
 
jose antonio em 23/10/2011 05:18:55
Realmente! Se os seminaristas e padres também tivessem essa educação sexual não teríamos tantos casos de pedofilia na igreja!
 
Jonas Tralli em 23/10/2011 04:59:12
gostei muito da colocaçao do nosso arcebispo don dimas a respeito dos jovens e adolescentes essa sempre foi a minha opiniao e foi assim que eu e meu marido criamos nossos 3 filhos hoje ja adultos e muito responsvei graças a deus sou catequista a mais de 20 anos nao sou perfeita peço sempre a deus sabedoria e generosidade para ver o caminho e seguir sua voz gosto de conversar com os jovens
 
elfiria amarilha de barros em 23/10/2011 04:22:28
Será que os jovens precisam camisinha ou amar mais a Deus ou um lar de fato onde àqueles ensinamentos do passado voltem a prevalecer?.Chamamos os animais de irracionais. E nós somos racionais?
 
Adelino J Brauner em 23/10/2011 03:59:36
Adolescentes, precisam de mais educação... principalmente aquela que vem de berço.
 
Marcelo Max em 23/10/2011 02:32:40
Descordo totalmente do projeto das máquinas de preservativo nas escolas. Acredito que em vez de prevenção, ocorrerá incentivo. Segunto o prefeito e o presidente da camara será para maiores de 16 anos, porém como isso será controlado? e esses alunos também poderão pegar e repassar para os menores desta faixa etária. Entretanto existe a necessidade de educação Sexual nas escolas.
 
Priscila Oliveira em 23/10/2011 02:30:49
De pleno acordo com com o Bispo. Como se ao usar "camisinha" outras promiscuidade fosse legal e moral na adolescencia.Posso praticar o adulterio desde que use camisinha...posso injetar dorgas mas desde que com seringa nova... A igreja catolica deve fazer campanha pela moralização e pela ética.Já pensou se minha netinha de 12 anos,chegasse e dissesse que transou, mas com camisinha?
 
samuel gomes-campo grande em 23/10/2011 01:32:58
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.