A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

14/09/2011 11:30

Crianças aprendem cedo a consumir pirataria nas ruas de Campo Grande

Ângela Kempfer
Carro estacionado na Ceará vende pirataria para criança. (Foto: Simão Nogueira)Carro estacionado na Ceará vende pirataria para criança. (Foto: Simão Nogueira)

Com a filha de 3 anos, a mãe entra na banca de CDs e DVDs piratas localizada na rua de acesso à Feira Central de Campo Grande. Sem apresentações, começo a observar o que as duas buscam.

A menina percorre as dezenas de capinhas com cópias de filmes clássicos da Disney, mas na fileira ao lado tem uma surpresa ao ver a “Escola de Princesas”. Pasma, a mãe comenta: “A gente vai toda a semana na locadora ver se encontra esse lançamento, mas chegou aqui primeiro”, sorri.

A garotinha abraça o mais novo filme da Barbie, escolhe outros 2 DVDs e leva 3 por R$ 10,00. “Um só é R$ 5,00”, informa a vendedora.

Ao saber que sou jornalista, a mãe fica nervosa a princípio, mas aceita falar sem qualquer identificação ou foto.

“Venho todo sábado, praticamente. É impossível não passar aqui para ver lançamentos. Em Campo Grande, as locadoras não têm muita opção para criança. Mas só compro para ela, para mim nunca. Prefiro ir ao cinema”, justifica.

Um pai, que também aparece pelo local, sai em defesa da pirataria, mas também sem se identificar. “Não quero falar meu nome porque as pessoas ficam querendo dar uma de culturalmente corretas e caem matando com as críticas”.

Mesmo assim, ele diz que é freguês assíduo e consome de CD a DVD pirata, sem constrangimento. “Vai numa locadora e é R$ 7,00 o aluguel de um filme e ainda não tem muita coisa que preste. Com esse dinheiro, compro 2”, argumenta o homem, aparentando 40 anos.

Ao lado, o filho adolescente reivindica. “Vim procurar documentários. Preciso estudar Vinícius de Moraes para o vestibular, mas não encontro nem original, nem pirata. Eles (bancas) deveriam fazer mais cópias de documentários”, reclama o garoto de 17 anos, apontando para uma caixa de documentários apenas com filmes sobre vida animal.

A caminho da feira, 2 bancas oferecem a pirataria. As mesmas pessoas também são vistas durante a semana em outros pontos da cidade revendendo as cópias. “Compro sempre delas (vendedoras) na feira da rua Amazonas”, lembra a mãe da menina de 3 anos.

“Acho que o legal é consumir cultura, isso movimenta o setor. Não vê as duplas sertanejas que estouram fazendo sucesso porque começam a vender cópias assim, na base da reprodução”, comenta a mulher, uma jovem bem vestida.

No último sábado, um carro na avenida Ceará indicava com faixa a venda da pirataria em promoção “5 por R$ 10,00”, incluindo jogos de videogames.

“Tá em todo lugar, até em frente das escolas os meninos encontram jogos piratas, é mais barato, não tem como evitar”, lembra a mãe de garoto de 10 anos, ainda na banca da feira.

O menino, muito conversador, elenca as vantagens para a compra. “Tem jogo aqui que eu nunca ia conhecer porque meu pai diz que é caro e nem assisto mais TV, é muito ruim, gosto mais de filmes”.

“As crianças hoje são muito mais espertas e acho que a pirataria tem essa contribuição porque facilita o acesso, mas eu sei que também tem um lado muito pior, que é o crime, esse povo que copia as coisas é uma máfia”, admite a mãe.

A psicopedagoga Lara Scalize lembra que o marido proíbe a compra de qualquer produto falsificado em casa, mas não recrimina quem consome a pirataria. “O que não é falsificado hoje em dia, né?”

Como profissional, o pensamento vai bem mais longe. Lara fala sobre as relações humanas falsificadas. “As pessoas compram relações falsas. Pensam que o amigo é uma coisa e não é, pensam que estão casando com um marido e depois não é nada daquilo”.

Em sites de relacionamento o que há é propaganda enganosa, lembra. “Tem gente até que se casa depois de conhecer alguém assim (internet)”.

A recomendação aos pais em uma cidade cercada pela oferta dos piratas é conversar muito com os filhos e incentivar sempre o original. “Temos de valorizar o verdadeiro, para que as relações sociais sejam verdadeiras”.

Do lado da lei, o delegado da Polícia Federal admite que a pirataria é um “crime fácil, de acesso fácil”.

Edgar Marcon, da Superintendência de Campo Grande, diz que o combate só depende da conscientização. “A fiscalização tem de ocorrer dentro de casa. É um crime grave, porque tira empregos formais e movimenta dinheiro sujo”, ataca.

Para o garoto de 10 anos, consumidor de filmes e jogos piratas, a observação de que a venda é crime não têm lógica. "Como que pode? Vende na feira".




estou vendo a repercussão da entrevista, ou o que for considerado esse assunto...
...enfim... Vejo que nós estamos retratando a nossa cultura de forma que muitos aqui aderem ao políticamento INCORRETO...
de maneira que fica comprovado o país de QUINTA e não de TERCEIRA,que somos...
... é triste...ver a tal globalização ser utilizada dessa forma.
.
 
carlos mauro em 15/09/2011 12:28:06
Concordo com Rennan yule.tem crianças que aprendem a roubar. e usar drogas cedo, e nas ruas ,e os cds originais são caros demais, comprando o ( generico) sai mais em conta, a criança vai ficar dentro de sua casa assistindo ou jogando seu play, não sai para as ruas e é menos um delinquente a se formar,tem que deichar o cara trabalhar sim.
 
Josimar Ferreira em 15/09/2011 11:03:36
As crianças aprendem a comprar produtos piratas por um único motivo: Preço, elas não ligam pra qualidade do aúdio e som, elas querem estar atualizadas. O Brasil precisa enchergar que a industria fonográfica pode acabar ou se elitizar se não houver uma redução nos impostos. O teatro é outro ponto que já está elitizado em CGR.
 
Robervan Alves de Araujo em 15/09/2011 10:51:29
se ouve-se um preço justo nas mídias de jogos, musicas, filmes ou programas eu concordaria com a abolição da pirataria, mais com esses preços exorbitantes eu sou a favor da compra e venda de CD's e DVD's não originais. que atire a primeira pedra quem nunca compro um Dvd pirata
 
Leandro Paraná em 15/09/2011 10:24:39
se falarmos em pirataria logo se entende por algo desonesto: me respondam e os politicos do nosso pais a grande maioria e ou nao e pirata??????
 
paulo pereira em 15/09/2011 08:02:32
eu penso que falta mais pirataria ainda, sabe porque, as coisas iam tomar rumo, e nao iam ser tao caro como sao, tudo nesse pais se paga caro demais, e o grande socio disso tudo e o governo, se eles recebessem o dinheiro e dessem um rumo justo para a situaçao, nao teriamos pirataria nem reclamaçoes , alias acho que esse nome pirataria esta errado o certo era ser generico.
 
luiz fernandes em 15/09/2011 06:48:31
se não houvesse desigualdade no pais,quem sabe todos poderiam comprar produtos origianais,na verdade a pirataria não está em quem cópia os produtos e sim em quem não coloca preços acessiveis neles,então falar é facil,dificil é tornar tudo igual pra todos.
 
julia gabriela euclides em 14/09/2011 12:36:13
Enquanto cobrarem 30 reais num DVD novo, 20 reais numa sessao de cinema (fora o absurdo da pipoca e refri, estacionamento, etc), compro o das bancas mesmo, e assisto no conforto do lar, por 1/5 do valor.
 
Athaide Romero em 14/09/2011 12:24:33
Muito bem, talvez o dia em que as gravadoras e distribuidoras resolverem abaixar seus preços que são pra lá de absurdos diga-se de passagem talvez essa situação se reverta até lá esse mercado continuará existindo e se expandindo seja por venda fisica ou pela internet.
Vamos torcer para que o governo abaixe os impostos!
 
Leandro Amaral em 14/09/2011 12:12:10
Infelizmente isso ocorre porque cds e dvds de vários gêneros são caros e nem todos tem a condição de pagar um valor de R$ 30,00 ou 80,00 por um dvd vendido nas lojas .Compro cds e dvds também piratas pois as lojas vendem muito caros os mesmos, mas isso ocorre porque os impostos sobre esses produtos são altos e para os lojistas não perder com isso acabam vendendo alto para nós consumidor final.
 
PETERSON DE ALMEIDA CHAMORRO em 14/09/2011 11:54:52
Reclamam do Pirata, que é errado, que isso que aquilo, pois bem no fim do mês de Agosto estive em um Cinema que fica em um shopping de Campo Grande.
Gastei R$36,00 para presitigiar com minha namorada uma produção nacional O Homem do Futuro, diga-se de passagem um péssimo filme, a sala do cinema estava com ar condicionado estragado. Com pipoca e refrigerante você torra R$50,00 para passar raiva.
 
Philipe Mendonca em 14/09/2011 11:52:28
e dai ? tem criança que aprender a roubar cedo. deixa o cara trabalhar .
 
renan yule em 14/09/2011 09:37:46
Isso é mais um reflexo de um grande problema político que o Brasil insiste em cultivar, altíssima carga tributária, imagina vc pagar em média R$ 40, 00 a R$ 45, 00 num lançamento, assistir uma ou duas vezes e depois deixar de lado, precisamos avaliar, vc compra um filme pra assistir todo dia?
Então por que não reduzir impostos e baratear o produto, ai quem sabe fica mais fácil combater pirataria.
 
Oswaldo Benites em 14/09/2011 08:42:35
Enquanto nao ouver uma mudança na politica tributaria deste país, nunca deixaremos de ver cenas como esta, enquanto pagarmos impostos absurdos veremos cenas como essas sempre, e o pior e mais grave nao é, ve crianças comprando produtos piratas é sim ver crianças morrendo dentro de hospitais ou passando fome, pelo simples fato de nao termos esses impostos investidos nos locais certos ou adequados.
 
Erick Augusto Alves de Azevedo em 14/09/2011 07:13:42
se essas pessoas não vendessem cd e dvd pirata com certeza daríamos um jeito de baixar os filmes ou musicas da internet. trata-se de cultura do povo brasileiro dar sempre um jeitinho pra conseguir as coisas mais fácil. eu vejo a venda de cds como um serviço que deveria ser então regulamentado de alguma forma ,já que as pessoas estão tentando ganhar o pão. e poderiam estar vendendo coisa pior.
 
HELIO SOUZA em 14/09/2011 05:27:59
Os filhos pedem novidades, os pais deste pais não tem condição nem de alugar um filme em locadora quanto mais comprar um CD OU DVD original pra seus filhos, e sabe porque isso acontece nos somos um pais desigual e a maioria e pobre mesmo. e pt. saudaçãoes
 
joao de souza em 14/09/2011 04:45:30
compro pirata mesmo e não to nem ai
com esses valores nas lojas!!! viva a pirataria
 
reinaldo em 14/09/2011 03:47:57
falam mal de cds piratas (3 por 10) eu só compro o cd pirata ,sai em conta,porque tem cds de certas duplas que quando tem 4 musicas boas o resto não da para se ouvir de tão ruim, e quem vende não esta roubando, esta trabalhando!e o lucro não é tão grande assim, se os originais fossem mais baratos venderiam mais e o lucro seria de quem canta ou toca.eu fico com os cds piratas enquanto achalos
 
Luzimar fialho em 14/09/2011 03:24:12
As pessoas compram CD e DVD pirata porque neste país tudo é o mais caro do mundo. Se estes CD's /DVD's tivessem um preço sem tanto imposto e margem de lucro astronômica, todo mundo iria comprar o original e não o pirata.. É tão dificil assim chegar nesta conclusão ??? Pena que não tem como comprar carro pirata, pois nossos automovéis tambem são caríssimos..Os mais caros do universo..Acorda Brasil
 
Jose Humberto Duarte em 14/09/2011 03:19:47
5 por 10 reais está no preço bom, enquanto os games playstation 2 está acima de 100 reais fica melhor ou baixar da internet ou comprar piratão. Pergunto quantos tem os windows e offices legalizado? se eles vendessem a 20 reais cada todos teriam.
 
Jorge Luiz Antônio em 14/09/2011 03:02:18
sempre haverá pirataria, a não ser que se tenha vontade politica para mudar isto, pois com os altos valores de impostos e taxas cobrados, fica dificil comprar jogos originais ou shows e etc, a diferença é imensa entre os caminhos da pirataria e do original, e sempre vamos pelo caminho mais fácil, em outros paises tiveram essa mesma idéia e o consumo de pirataria quase não existe....
 
marcelo martins em 14/09/2011 01:43:46
Comprar um CD ou DVD original custa os olhos da cara, eu sempre compro pirata principalmente jogos do PS2 pois os originais custam em torno de R$ 100 e eu não pago nem sonhando esse valor
 
Jackline siqueira em 14/09/2011 01:36:10
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.