A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2017

10/08/2012 14:50

Em um calor de rachar, uma tradição que não acaba: Tubaína no saquinho

Ângela Kempfer
Proprietária da lanchonete da Calógeras, Lenir Nakasato serve a Tubaína.Proprietária da lanchonete da Calógeras, Lenir Nakasato serve a Tubaína.
Na Calógeras, o mecânico Weiber Perez, de 24 anos, diz que prefere Tubaína ao guaraná de grife.Na Calógeras, o mecânico Weiber Perez, de 24 anos, diz que prefere Tubaína ao guaraná de "grife".

É só bater o sino da escola para uma multidão de adolescentes lotar o barzinho ao lado e sair carregando um saquinho com refrigerante. Não tem cena que lembre mais os tempos de escola que a Tubaína no saquinho, uma marca que já virou substantivo.

Veja Mais
Guardiã de João, por uma semana repórter cuidou do Fusca sem freios de Júlia
Na novena que atrai milhares, até padre vai em busca de graça

Em um calor de agosto, com a umidade lá no pé, é a tradição explícita nas ruas de Campo Grande. “Sempre tomei, desde criança. Na escola, a dona entregava pelo buraco da grade”, conta o auxiliar de escritório Jomar Nogueira, de 21 anos.

No Parque das Nações Indígenas, na entrada principal, o cachorro-quente só sai com Tubaína. “Quase ninguém pede outra coisa”, diz Jorge Oliveira. Para ele, a combinação é perfeita e barata, a fórmula do sucesso.

Na Calógeras, o mecânico Weiber Perez, de 24 anos, diz que prefere Tubaína ao guaraná de "grife" e ensina uma combinação bem estranha, mas também com gosto de escola. “Gosto muito mais de Tubaína. Minha combinação preferida é com paçoquinha”.

Ao longo das ruas centrais, ou na periferia da cidade, a Tubaína no saquinho é a maior pedida em dias de calor, principalmente, perto de um ponto de ônibus. “As pessoas pedem para pode levar, caso o ônibus chegue. É uma tradição de décadas”, lembra a proprietária da lanchonete da Calógeras, Lenir Nakasato.

Sobre a defesa a higiene das latinhas em relação ao saquinho, ela é direta. “Nunca ninguém passou mal depois de beber desse jeito”.

Lenir mostra que o costume mudou um pouco, hoje tem saquinhos personalizados , com a marca do refresco. De resto, tudo continua igual. “Vendo tanto quanto há 9 anos, quando comecei aqui. É bem mais barata”, explica.

Na antiga rodoviária, a funcionária diz o mesmo. “Não dá para competir. Enquanto uma lata de refri custa R$ 2,50, a garrafa de Tubaína sai por R$ 2,00 e tem quase o triplo de refrigerante”.

A garrafa de “605 mls” sai como água no Ponto do Pastel e a dona acha que até a Coca-Cola já se sentiu ameaçada por esse produto super brasileiro. “Acho que lançaram a latinha mini porque estavam perdendo mercado para a Tubaína”, comenta Lenir.




Que delicia.... me lembra e muito as tardes de calor da minha infância....
 
Bárbara Cardoso de Almeida em 15/01/2014 09:29:29
Minha santa mãezinha... Tubaína no saquinho deve ser "the best"... Infelizmente isso nunca chegou aqui na minha cidade. Deu vontade.
 
Adriana Cristina em 06/01/2014 14:40:19
Não tem nada que se compare uma tubaína bem gelada, hum.... é uma delícia.....
 
Silvia Carvalho em 16/08/2012 03:57:43
Quando eu estava grávida, da minha filha, uma das minha vontades era tubaina e paçoquinha, tinha que ser da quadrada. Hum me dá agua na boca, que saudades!!!!!
 
Katiuscia Ribeiro em 13/08/2012 12:11:14
Sem igual! Podem inventar todos os sabores de refrigerante, mas nada supera a Tubaína! Com pastelzinho, com pão com mortadela e até com paçoquinha! Demais!
 
André Serra em 11/08/2012 09:32:31
Tubaina com estala zóio (pão c/ mortadela) é bom de mais, se for Funada e Seratti viiiiixiii nem se fala.... agora PAÇOQUINHA c/ tubaina ?? é doido é...???o que vira isso ???, mas tudo bem, tem gente que gosta até no tererê, tá valendo.
 
Rodolfo deToledo em 11/08/2012 07:15:30
Nossa! Esses dias eu vi alguém na rua com um saquinho desses e me lembrei dos meus tempos de escola. Deu até uma nostalgia...
 
Christian da Costa em 10/08/2012 05:55:58
imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.