A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

25/06/2012 20:37

O dia em que um chip de celular abriu caminho para a solidariedade

Paula Maciulevicius
Vanessa viu a mão amiga de uma desconhecida se estender. Mara que se define como assistente social por vocação, acolheu a mãe que veio apenas com a roupa do corpo numa ambulância com o filho, de Bataguassu. (Foto: Simão Nogueira)Vanessa viu a mão amiga de uma desconhecida se estender. Mara que se define como assistente social por vocação, acolheu a mãe que veio apenas com a roupa do corpo numa ambulância com o filho, de Bataguassu. (Foto: Simão Nogueira)

A história é de encher os olhos. Pequenos exemplos, que vemos com menor frequência do quanto gostaríamos, de gente que estende a mão sem nada em troca. Que acolhe dentro de casa e não mede esforços na solidariedade.

Veja Mais
A pé, Tulia faz percurso de 10 km até biblioteca onde aprendeu a ser feliz
Passada "nuvem negra" que trouxe o câncer, rosa tatuada no braço une 4 mulheres

Vanessa da Silva, 24 anos, ainda fala com timidez, mas está bonita, com cabelo escovado, vestida e alimentada. Bem diferente da segunda-feira da semana passada, quando dormiu ao relento, passou frio e desmaiou de fome.

Ela veio de Bataguassu com R$ 20 na carteira, documentos, nenhuma roupa para si, poucas peças para o filho Gabriel, 3 anos, uma toalha e um celular, que na pressa, veio sem chip. A vinda não foi a passeio. Os dois vieram de ambulância transferidos do hospital do município para a Santa Casa, depois que um portão caiu em cima do menino.

Logo ao dar entrada, a criança teve uma convulsão e foi internada no CTI (Centro de Terapia Intensiva). Vanessa não tinha onde ficar e dinheiro mal tinha para comer.

“Fiquei pensando e dizendo para Deus, põem alguém no meu caminho para vim me ajudar”. A prece foi atendida.

Vanessa fala com timidez, ainda envergonhada. O jeito de falar remete à família humilde onde nasceu. Os olhos até tentam demonstrar emoção, mas ela se mostra mais forte e não deixa a lágrima escorrer. É pela voz que se percebe que o gesto de amor a que foi submetida a deixou eternamente agradecida.

“Foi Deus que tocou no coração dela pra ter aparecido lá”. Voz que sai quase falhando.

A história que esta jovem mulher carrega é de uma mãe desesperada. Depois de ouvir da médica de Bataguassu que, pelo hospital não ter recursos, o filho viria imediatamente para Campo Grande, ela mal teve tempo de juntar os pertences. “Fui para casa e enfiei as roupas dele na bolsa. Quando eu cheguei no hospital, a ambulância já estava na porta esperando”, lembra.

Depois de quatro horas de viagem, Vanessa viu o filho Gabriel ter uma convulsão logo na entrada do Pronto Socorro, já na Santa Casa de Campo Grande. Depois de atendido, foi internado no CTI e ela foi procurar um local para dormir. “Eu falei pra Deus assim eu vou dormir aqui sentada... E logo peguei no sono”, conta. A noite mal passou para quem dormiu em um dos bancos da entrada do Pronto Socorro.

Ela passou frio e fome. A primeira alimentação em Campo Grande foi logo que acordou, às 5h da manhã do dia seguinte. Usou parte dos R$ 20 que trouxe consigo para comprar uma coxinha e tomar um refrigerante. A outra alimentação foi um leite com pão, dado pelo pessoal do hospital à tarde, depois que ela desmaiou de fome. O restante do dinheiro foi usado para comprar um chip e ligar informando os familiares da situação da criança.

A mão amiga veio por acaso. Ao pedir ajuda para instalar o chip recém comprado no celular, ela acabou contando para outra mãe o drama que vivia. Fome, frio, sem roupa nem lugar para dormir, muito menos conhecidos que a pudessem ajudar.

A mulher do outro lado ficou sentida. Só respondeu que iria para casa, mas já voltava. Ao chegar à casa da sogra, no bairro Oliveira III, ela comentou com Rose Mara Pereira Decknes Limeiro, 38 anos, que além de a Santa Casa estar cheia, encontrou uma mãe que mexeu com ela.

Depois de ouvir a história, Mara, como é conhecida, resolveu que iria até a Santa Casa buscar Vanessa.

“Meu Deus como pode? Será que a assistência social não fez nada? Aí minha nora respondeu que não, até a hora que ela tinha saído de lá, ninguém tinha ido falar com ela”, disse Mara.

Cabeleireira, manicure e depiladora por profissão, mas assistente social por vocação, como ela se define, Mara foi até o hospital tendo apenas o nome de Vanessa e as características. Chegou, perguntou por ela e funcionários do hospital a localizaram. Poucos minutos antes, ela havia tido a informação de que o hospital conseguiu a ela um lugar para ficar, mas a pessoa responsável por buscá-la foi, não a encontrou e disse que só poderia voltar no dia seguinte.

“Me perguntaram se eu era parente dela. Eu disse que não, mas que ia levar ela pra casa. Pensa com filho no CTI, sem roupa, comida, imagina o estado que ela não estava? Me perguntaram se eu ia levá-la só por aquela noite e eu respondi que ficassem despreocupados, que até quando o menino tivesse alta eu cuidaria”, relata.

Vanessa, que segundo Mara já estava com os olhos vermelhos, ficou com eles cheios d’água. Como quem não via modos de agradecer pela mão estendida de uma total desconhecida.

A mãe de Gabriel foi para a casa da família, que de pronto já a acolheu. Mara deu roupa, lanche, cama e falou para ela ligar e informar os familiares de que agora estava tudo bem.

“A mãe dela me agradeceu, disse que vai vir me conhecer. A porta está aberta. Sei lá, coisa assim faz a gente ficar pensando... Sou super chorona”. Mara nem precisava dizer isso, ela se segurou durante a entrevista, mas se via pelo olhar, como brilhava, como ela estava feliz em poder ajudar.

De terça-feira da semana passada para hoje, Mara levou a jovem para ver o filho durante as três visitas diárias. A boa notícia veio nesta segunda-feira. Após uma semana de internação no CTI, o menino iria para enfermaria e Vanessa podia acompanhá-lo.

“Hoje ela já vai para ficar com ele. Mas vou dar assistência, ela vem para cá tomar banho, trocar de roupa e ainda quando ele tiver alta, vem passar uns dias, até ficar bom e poder viajar”, adianta Mara.

Enquanto a assistente social por vocação narra a história, Vanessa observa com olhar de gratidão. Mesmo que as palavras não saiam à altura, ela tenta dizer, aparentando nervosismo de quem nunca vai esquecer o que fizeram por ela. E o que mais quer agora: entrar em contato com as irmãs que não vê há 11 anos.

Filhas da mesma mãe, depois de mudarem de Ribas do Rio Pardo para Campo Grande, Vanessa não teve mais notícias das duas. “Quero ver elas, conversar. Estou doida para pegar o meu filho e passar um tempo com elas, conhecer”, diz. As irmãs têm o nome de: Edna da Conceição Silva e Isabel da Conceição Silva, as duas tem entre 28 e 33 anos e são filhas de Eva da Silva.

A única informação que Vanessa tem é delas é que moram em um bairro chamado Mirante.

Outra coisa que Mara quer ainda fazer por ela. “Como eu queria achar essa família dela. Às vezes por vocês a gente consegue”, acrescenta.

Ao final da entrevista, Vanessa já está preparando as roupas para ir ao hospital. O sorriso já está mais solto, felicidade de poder ficar perto do filho todo o tempo.

“Eu sou muito agradecida, ela foi um anjo eu nunca vou esquecer isso”. A frase até mexe com quem está ali só ouvindo e registrando.

“Eu faço porque gosto, não é para engrandecer a gente. Se um terço da humanidade fizesse isso pelo outro, o mundo seria bem melhor, eu penso assim”, finaliza quem viu o próximo bater à porta e não negou ajuda.




que DEUS continue iluminando vc e sua família Mara ou melhor Doutora Mara, pois doutor é aqueler que defende uma TESE, e vc com sua atitude dígna, defendeu a tese da SOLIDARIEDADE, em poucas mas profundas ações.
Paz e Bem
 
jose mendes em 26/06/2012 10:35:46
Parabéns Mara, não estou em CG, mas quando morava aí, aconteceu algo parecido, uma pessoa vinda do Paraguai para tratamento, a mãe da mesma ficou na mesma situação que essa de Bataguassu, porém minha senhora na época trabalhava no HU, e se comovendo com a situação da pessoa me comunicou, e, naturalmente colocamos a disposição a nossa casa, até a recuperação da pessoa.
 
Ubiratam da Rocha em 26/06/2012 10:08:46
DEUS SEJA LOUVADO pela atitude desta mulher e desta familia.
O gesto de acolher uma pessoa desconhecida engrandece e exalta o nome de JESUS.
Fico muito feliz por saber que esta mulher humildemente permitiu ser instrumento nas mãos de DEUS e com isto, dar um maravilhoso exemplo de solidariedade.

Que a saúde, o alimento e a paz estejam sempre presente neste lar.

Seja Feliz.

Assistente Social
 
mariney maciel em 26/06/2012 09:50:42
Linda a atitude da Mara. Deus vai lhe recompensar por este gesto tão humano.
A Vanessa nunca vai esquecer sua ajuda e seu comportamento.
Se um dia precisar de ajuda, tenha certeza que receberá. Quem ajuda é ajudado. Acho que os hospitais deveriam manter um alojamento digno, para familiares dos doentes que chegam de outras localidades.
 
VALDIR VILLA NOVA em 26/06/2012 08:59:12
Quem dera os noticiários trouxessem mais histórias emocionantes como essa! Exemplos a serem seguidos...
 
Denise Oliveira em 26/06/2012 08:41:28
Parabens Mara, você é um exemplo de mulher.
 
Michel Diego em 26/06/2012 08:34:48
Que DEUS abençoe esta familia pela força dada a esta MÃE. Parabens Mara.
 
Melania Colossi em 26/06/2012 07:55:34
Mara,
Estou de férias aqui em Natal/RN, e rogo ao Grande Arquiteto do Universo que lhe dê em dobro, todas suas boas ações que fazes. Ajudar essa família, com certeza só irá fazer você crescer mais e mais. Ainda há tempo, faça faculdade de Serviço Social, nosso estado (MS), precis de pessoas igaul a você. Beijo no coração.
 
Sebastião Rayol - Defesa Civil em Campo Grande/MS em 26/06/2012 07:03:27
Deus é presente na vida de quem CRÊ E PEDE, com humildade por um milagre. Essa mãe recebeu esse milagre em forma de Anjo:Mara. Como diz meu amigo Rayol ainda dá tempo de ser ou estar Assistente Social. Que DEUS te ilumine e a saúde do menino seja restabelecida.
 
NOELINA MARQES DIAS em 26/06/2012 02:49:00
foi sim dona vanessa DEUS que enviou esse anjo pra socorrer a senhora, e assim como éla existem milhares esparramadas pelo nosso imenso brasil, pena que nem sempre quem deveria dar esta atenção nem se lembram dos mais necessitados, e se esqueçem que os olhos de DEUS ESTÃO EM TODO O LUGAR. ME EMOCIONEI MUITO COM ESSA LINDA ESTORIA DE SOLIDARIEDADE, POIS A MINHA VIDA TODA SEMPRE FIZ O BEM, PARABEN
 
adão da graça em 26/06/2012 02:47:02
Mara, com certeza DEUS lhe dará em dobro tudo o que você fez a Vanessa. Como disse o Sr. Sebastião Rayol, o nosso estado precisa de pessoas assim que tem amor no coração.Acredito que o amor é que motiva as pessoas a fazer o que você fez. Parabéns..desejo a você muito sucesso.
 
joaquim cunha em 26/06/2012 01:55:23
mara só de vc levar essa pessoa até sua casa dar-lhe banho, comida e uma cama para dormir feito gente grande, é só esperar e qd menos esperar Deus vai estar retribuindo de maneira tão grandiosa q as vezes fica dificil de acreditar mas ele age silenciosamente nas nossas vidas......ESPERE E VERÁS.....Deus te proteja vc e sua familia......poucas pessoas fazem isso!...
 
ARTEMIS RODRIGUES DA SILVA em 26/06/2012 01:50:00
parabêns mara!!!passa o end.do seu salão vou virar cliente uma pessoa tão boa deve trabalhar muito bem,fazer tudo com amor........
menina dos olhos de deus
 
nilda lima em 26/06/2012 01:46:38
Isso mostra que Deus existe, só basta ter fé e acreditar nEle. Que Deus te Abençoe.
 
klaus fantin em 26/06/2012 01:34:05
São fatos fatos desse grandeza que nos ajudam a ainda acreditar no amor e na solidariedade, que nos ajudam a acreditar que as pessoas de bem são ainda a maioria e que nossa sociedade, pelo amor e compaixão de Deus, ainda tem jeito.
 
Fernando Silva em 25/06/2012 11:17:57
Sem comentários...
 
Giselli Souza em 25/06/2012 11:13:29
Sem comentários, essa família vale ouro!!
Deus dará automaticamente em dobro suas ações a eles, no mundo atual isso é raríssimo, parabéns, fiquei comovido!
 
Francisco Chagas em 25/06/2012 10:41:46
Parabens a essa familia e que deus te abençoe, hj em dia e com crimes e falsidade e muito dificil praticar boa ação pelo medo que a população tem, onde ja se viu colocar uma pessoa estranha em casa, mas deus falou mais alto e ajudou essa moça!
 
roberto gasparoto em 25/06/2012 09:28:48
Mara, que Deus abençoe a sua vida. Você é um exemplo nessa sociedade tão cheia de pessoas que só pensam em prejudicar e fazer o mal aos seus semelhantes. Vanessa, que Deus também abençoe a sua família!
 
Andreia Garcia Leite em 25/06/2012 09:18:09
Linda história, comovente.
Deus lhe dará em dobro todo o bem que está fazendo à essa mãe num momento tão delicado.
 
Wellington Sampaio em 25/06/2012 09:12:32
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.