A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

10/06/2012 15:53

Unidos em prol do bem das famílias do bairro Dom Antônio Barbosa

Paula Vitorino

Em Casa criada no bairro, voluntários de diversos grupos e moradores do próprio local ajudam a melhorar a vida das famílias carentes

Catadora de lixo e netos são beneficiados pela união do trabalho social. Matheus, com o pirulito, pede a foto e fez pose com primos e irmãos. (Fotos: Paula Vitorino)Catadora de lixo e netos são beneficiados pela união do trabalho social. Matheus, com o pirulito, pede a foto e fez pose com primos e irmãos. (Fotos: Paula Vitorino)

Em uma casa humilde, mas de muito valor, voluntários de diversos grupos, incluindo moradores do próprio bairro, se reúnem em prol de uma única causa: o bem das famílias do Dom Antônio Barbosa, um dos mais carentes de Campo Grande, onde várias pessoas ainda sobrevivem do que catam no lixão e moram em barracos de madeira.

Lá, na Casa da Vovó Carolina, mais de 100 famílias garantem a mistura para as refeições do mês, além de receber doações de roupas e berços. As crianças ainda contam com projeto de recreação e ganham doces e brinquedos das mãos dos voluntários.

“Eu venho para pegar as doações em todos os dias de atividade, é muito bom pra gente, ajuda a passar o mês com mais tranquilidade”, diz a catadora de lixo Verônica Peres, de 53 anos, que utiliza as doações para ajudar a criar os 3 netos, de 5 meses, 2 anos e 14 anos, e a filha de 20 anos, que também sobrevive do lixão.

Neste domingo, a ajuda veio do grupo de voluntários da Colônia Espiritual Bezerra de Menezes. Todo segundo domingo do mês eles servem uma refeição completa para cerca de 130 famílias.

Moradores improvisam até com bacias recipientes para receber a alimentação. (Fotos: Paula Vitorino)Moradores improvisam até com bacias recipientes para receber a alimentação. (Fotos: Paula Vitorino)
Moradores fizeram fila para receber alimento neste domingo. Moradores fizeram fila para receber alimento neste domingo.

Os moradores vão chegando com suas cumbucas, improvisadas até com vasilha de sorvete, pegam senha e entram na fila para garantir o almoço de domingo.

“O almoço de hoje da minha família toda vai ser isso aqui”, diz a doméstica Jane de Almeida, de 33 anos, que além de ser beneficiada também é voluntária no local.

União - A administradora da Casa, Diana Peres, de 26 anos, explica que tudo no local funciona na base do voluntariado e da “pedição”. Ela mesma realiza o trabalho na instituição de forma gratuita, intercalando com os trabalhos de doceira.

Com a doação de grupos e mão de obra dos voluntários, o local oferece lanche da tarde para as crianças e logo em seguida sopão para as famílias. O serviço é feito todas as quartas, quintas e sextas-feiras.

Aos sábados, pela manhã, as crianças participam de projeto de formação social e espiritual. No domingo, grupos oferecem almoço às famílias.

Refeição tem direito a arroz, macarrão, salada, carne e farofa. Refeição tem direito a arroz, macarrão, salada, carne e farofa.

Muitas das mães ajudadas pelo projeto também trabalham em prol do local. Elas ajudam a servir os lanches e confeccionar os berços, que são distribuídos para as gestantes cadastradas.

“Venho toda quarta-feira ajudar na distribuição dos lanches e também trabalho na confecção dos berços. Sou voluntária e também recebo a ajuda, porque o pouco que a gente ganha vai para pagar as contar e quase não sobra para as outras coisas”, diz Jane.

Ela trabalha como doméstica na casa de uma mulher que conheceu no projeto. Além da relação de patroa e empregada, as duas têm em comum o voluntariado no local.

Outra moradora e voluntária, Deuseli Lima, de 41 anos, que atualmente está desempregada, explica que cada um se ajuda como pode na Casa. “Não tem dinheiro para pagar as voluntárias do bairro, mas o que sobra de doação, como verduras e frutas, a gente sempre ganha”, diz.

Já a voluntária do grupo de espíritas, Jussara Ferzeli, de 50 anos, lembra que o ato de doar-se, por meio da caridade, deveria fazer parte da rotina de todas as pessoas.

“Independente de religião, cada um deveria praticar a caridade. Tem pessoas precisando de uma palavra, de uma ajuda e do outro lado muita gente que poderia ajudar, que tem condições financeiras, mas não faz nada”, ressalta.

Oficina para construção dos berços. Oficina para construção dos berços.

Quer ajudar? - A Casa da Vovó Carolina foi fundada há cerca de 2 anos pelo voluntário Osvaldo, que teve a iniciativa de ajudar as famílias carentes do Dom Antônio. O nome é uma homenagem a sua mãe. O espaço sobrevive de doações e é aberto para todos os grupos que queiram ajudar.

Os interessados podem entrar em contato pelos telefones: 9224-2207 (Diana) e 3306-9566 (Osvaldo).

Quem quiser colaborar com o trabalho da Colônia Espiritual Bezerra de Menezes pode entrar em contato por meio do site: www.coloniabezerrademenezes.com.br.




O trabalho realizado no local, pelos diversos grupos, é realmente muito importante. Só quem conhece de perto a realidade dessas famílias consegue entender o valor dessas ações, que vai bem além do puro assistencialismo. Todos os domingos, das 9h às 12h, o grupo do Posto de Assistência Espírita Irmão Áureo realiza assistência no local, levando carinho, educação e alimento a essas famílias.
 
Kárita Sena em 11/06/2012 09:21:26
Ótima matéria, emocionante e convidativa para somarmos mais participantes.Sugiro a esta mídia eletrônica 1 matéria desse tipo todos os dias,e as demais necessárias que pingam sangue, leia quem quiser. Saúde, alegria e paz a todos os leitores.
 
NOELINA MARQES DIAS em 11/06/2012 02:00:28
Apesar de reconhecer o altruísmo da ação, acredito que as pessoas deveriam investir mais na solidariedade cultural, aquela que procura resgatar a educação (formal) desses necessitados. Alimentação já é garantida pelos diversos programas assistencialistas (paternalistas) do governo; o que não é garantido pela administração pública é escola de qualidade e instrução adequada. Pensemos nisso.
 
Gustavo Ribeiro em 10/06/2012 09:49:00
Este tipo de reportagem deve ser comentada e aplaudida!
Ficam aqui os meus sinceros cumprimentos aos voluntários do Grupo Espírita que realizam esse belíssimo trabalho! Que isso SIRVA DE LIÇÃO aos inúmeros outros templos e "religiões"!
 
Rafael Plak em 10/06/2012 08:59:17
Meus parabenssss, pela acao...se todos fizem assim, so no interesse de ajuda o proximo, esse mundo seria melhor...
 
luiz carlos silva em 10/06/2012 05:53:06
Que bom que noticias desse tipo fazem parte do jornal!
O comum são noticias de dores e seus autores.
parabéns pode noticiar O BOM, O BEM!
.
Que mais e mais pessoas sejam estimuladas a agir positivamente
em prol dos irmãos menos favorecidos.
 
Eny Feliz em 10/06/2012 05:13:46
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.