A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

28/10/2013 07:31

Barbearia resolve abolir a televisão, para recuperar relação com os clientes

Luciana Brazil
Com design moderno e técnicas contemporâneas, ele quer conquistar o cliente. (Fotos: João Garrigó)Com design moderno e técnicas contemporâneas, ele quer conquistar o cliente. (Fotos: João Garrigó)

Do lado de fora, a imagem parece muito com a das antigas barbearias. Mas basta entrar, para ver que o The Barber Club (Clube da Barbearia), inaugurado há um mês, quer ser moderno para atrair os clientes.

Veja Mais
Para quem só toma Sidra, sommelier apresenta espumante bom e barato
Loja reinaugura com liquidação de jeans por 39,90

A proposta do empresário e barbeiro Cabrini Ferreira, 25 anos, é oferecer um serviço de qualidade, resgatando os antigos valores de confiança entre cliente e barbeiro, mas com técnicas de corte contemporâneas.

“Hoje, os barbeiros estão em ambientes femininos e muita vezes os clientes não confiam mais no profissional. Falta aquela sintonia”, pondera.

Dentre as mudanças que adotou para resgatar a ligação entre barbeiro e freguês, tirar a televisão do “ar” foi um dos primeiros passos. Ele relutou, mas decidiu que o melhor seria deixar a TV bem longe do local.

“Quero que as pessoas conversem aqui. Sempre tem um meio eletrônico no meio. Pensei muito se colocava ou não, mas decidi não colocar”. A internet sem fio também passou pela mesma avaliação, mas vivendo na era digital, o wi-fi venceu, ficando para uso dos clientes.

O empresário, que começou cortando o cabelo de brasileiros na Austrália, onde morou por quatro meses, frisa que sua barbearia não é apenas um lugar para cortar o cabelo, mas um local onde o cliente “deve gastar seu tempo”.

“Quero que as pessoas venham e gastem um tempo aqui. Aqui tem jornais, revistas, wi-fi. Tem também uma máquina de café e tudo isso incluído no pacote”, diz.

A intenção é criar laços e fazer com aquele cliente se sinta à vontade. “Quero um cliente cativo porque isso é uma relação de confiança”

Antes de começar o corte, o cabelo passa por um “estudo” rápido, onde Cabrini analisa a direção do fio, o formato da cabeça. Tudo isso, ele garante, faz toda vez que o cliente senta em sua cadeira.

“Eu analiso o fio, vejo com o que a pessoa trabalha, porque o cabelo também tem que se adaptar ao cotidiano dessa pessoa. Não é fácil cortar cabelo. Temos que relevar todas as situações, É uma pesquisa”, frisa.

Cabrini tem orgulho de mostrar os produtos, a maioria deles importada. “Essa navalha é usada nas melhores barbearias do mundo”, garante.

Com produtos importados e bom atendimento, ele garante que o preço é justo, já que se trata de um pacote.Com produtos importados e bom atendimento, ele garante que o preço é justo, já que se trata de um pacote.

Antes de apostar no próprio negócio, Cabrini visitou alguns salões da Capital.  Na opinião dele, o problema è que muitos trabalham em ambientes femininos.

“Além disso, eles costumam usar a mesma técnica para todo mundo. Em alguns lugares é como uma ditadura”, reclama.

Segundo Cabrini, para que um corte saia como cliente quer, barbeiro e freguês devem “nadar” juntos, “cada um nada uma metade”.

Fugindo da loucura das grandes metrópoles, o carioca decidiu se instalar em Campo Grande, onde a mãe mora há cerca de sete anos. “Morar no Rio não dava mais. É uma loucura”.

O preço do corte è alto, R$ 50, mas ele diz que se trata de um pacote. “Ele (cliente) não está pagando só o corte de cabelo. É um pacote. Ele vem, toma um café, tem a lavagem que está incluída, ar-condicionado, wi-fi e estacionamento próprio. Tem um sofá muito confortável. E eu investi para que a pessoa realmente gaste um tempo aqui”.

A profissão começou de brincadeira. “Quando morei na Austrália, com 17 anos, a gente não achava barbearia na região onde morava, era muito estranho. Então, eu cortei o meu cabelo e os brasileiros que moravam lá me perguntaram onde eu tinha cortado e eu disse que tinha sido eu. Aí, todo mundo quis que eu cortasse”, lembra.

A inspiração e o aprendizado para o corte surgiram com o padrasto, ainda quando Cabrini morava no Rio de Janeiro. Um tempo antes de se mudar para a Austrália, ele passou quase um ano observando o trabalho do padrasto. “Ele tinha um jeito muito especial de cortar o cabelo e eu observava as técnicas”.

Formado no Rio de Janeiro, em Gestão de Petróleo e Gás, Cabrini voltou da Austrália, trabalhou três anos na empresa do pai, mas foi atraído pela profissão que há oito anos começou de brincadeira.

The Barber Club funciona na rua Bahia, 575.




Super Recomendo!
Além de um excelente trabalho e atendimento, o lugar é confortável e aconchegante!
 
Gabriel Porto em 23/11/2013 15:15:00
Era tudo que precisava nessa cidade, alguém que resgatasse um lugar maravilhoso que são as barbearias. onde se conversava, lustrava o sapato, fazia o bigode,unhas e ect. Que tenha muito sucesso esse rapaz.
 
sandro biral em 17/11/2013 09:49:44
Recomendo e confirmo tudo que foi relatado na reportagem, estive lá gostei do corte e do atendimento, realmente Campo Grande estava precisando de um ambiente assim e atendimento personalizado e exclusivo.
 
levi junior em 30/10/2013 13:49:59
Essa e uma releitura do que se via antigamente, confiança entre seu especialista e vc. Os salões hoje querem te enfiar um monte de serviços que muitas vezes vc não quer fazer. Vc vai lá apenas para cortar o cabelo e te empurram uma mudança. Muitas vezes vc só quer cortar o cabelo! Mas... .... ai ... vem aquela famosa frase: "seu cabelo esta precisando disso". Pronto! Vc caiu na armadilha. Quando vc entrou e perguntou quanto era o corte, 20 reais. Vc sai no caixa a paga 400! Parabéns pela iniciativa, Cabrini. O seu cliente sabe quanto vai pagar ao final.
 
Christiane Barnard em 30/10/2013 12:55:52
A barbearia tem que retratar um clima de confiança, honestidade entre o profissional e cliente. Você tem que se sentir a vontade, conversar e assim com essa interação, acredito que o cliente sai ganhando e muito, pois o profissional acaba conhecendo seu freguês e conseguindo executar um trabalho de acordo com o perfil de cada um... uma boa conversa pode ajudar e muito no resultado final de seu trabalho, e é o que o The Barber Club oferece. Já quando se vai a um salão convencional, todo aquele burburinho, televisão, gritaria, acaba tirando o foco e não deixando os clientes relaxados. Cabrini acertou em cheio em sua proposta de ambiente e atendimento. Se quer ter qualidade de serviço, com um dos molhores produtos comercializados no mercado, e atendimento exclusivo, recomendo The Barber Club
 
Cheff Rodrigo Andrade em 29/10/2013 19:39:06
Quando o assunto é barbearia, isso depende muito mais de tradição e de tempo para ganhar a confiança do que exatamente estudo de mercado para atrair clientes. Mas, boa sorte ao empreendedor.
 
Paulo Miranda em 29/10/2013 01:59:38
Parabéns pela iniciativa.
Meu ultimo corte de cabelo foi um desastre, eu gostava da minha cabelereira, mas desta vez, fez o corte olhando para TV, e comentando sobre novela!
nunca mais volto lá.
 
Eliria Dieckow em 28/10/2013 21:20:11
Parabéns e Sucesso ao empresário! A segmentação ajuda e muito. Gostaria que tivesse agregado outros serviços como a limpeza de Pele, Depilação e Massagem voltado especificamente para o público masculino. Uma verdadeira barbearia executiva.
 
Carlos Silva em 28/10/2013 13:54:31
Parabéns à iniciativa, sugiro também colocar música de qualidade, suave, de forma que as pessoas possam conversar, falar e ser ouvido, torna-se ambiente agradável. Eu já desisti de uma academia de ginástica, porque o proprietário é sem noção, à frente dos aparelhos coloca TV passando novela e besteirol em geral, pedi prá colocar música de ritmo, não fui atendido apesar de estar pagando. Me perdeu como cliente e mais alguns que levei.
 
Ivo Lemes em 28/10/2013 13:41:24
Resgatar a arte de conversar, receber as pessoas com carinho, era isso que faltava.
Cabrini desejo tudo de bom para vc e prosperidade para o The Barber Club!
 
Mirella Forti Cossignani em 28/10/2013 09:54:19
Recomendo fortemente!
Atendimento personalizado, ambiente aconchegante, conversa bacana... e ainda um café pra dar aquela relaxada.
Parabéns pela ideia, Cabrini.
E sem TV passando futebol, peloamordeDeus!
 
Maurício Castello em 28/10/2013 09:33:11
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.