A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

08/12/2013 07:16

Caminhonete F-1000 vira feira ambulante nos bairros de Campo Grande

Paula Maciulevicius
As vendedoras andam bem devagar e a qualquer sinal de clientes, param o veículo. Descem e oferecem produtos fresquinhos. (Fotos: Marcos Ermínio)As vendedoras andam bem devagar e a qualquer sinal de clientes, param o veículo. Descem e oferecem produtos fresquinhos. (Fotos: Marcos Ermínio)

A cobertura é de lona laranja, típica de feiras, que escondem do sol e da chuva, frutas, verduras e legumes. Há cinco anos, a caminhonete F-1000 circula pelos bairros mais afastados da cidade, levando as barracas da rua até à porta da casa dos clientes. É como tantos outros comércios ambulantes pela cidade, que dependem do suor de uma família inteira.

Veja Mais
Oficina oferece de graça curso básico sobre veículos para mulheres
Escola para crianças de até 6 anos não vai fechar nem nas férias

Não é difícil não ver, ou melhor, não ouvir. O alto-falante grita em alto e bom som “olha o abacaxi bem doce e temos melancia. É o carro de frutas na sua rua, em frente à sua casa”. Hoje, as frases são gravação, que as vendedoras Andressa Lemes Bezerra e Elizangela Oliveira da Costa ouvem durante o dia todo.

“Tem dia que a gente até sonha, com é frutas freguesia”, imita Elizangela.

As vendedoras andam bem devagar e a qualquer sinal de clientes, param o veículo. Descem e oferecem produtos fresquinhos. “Abacaxi é três por R$ 10, laranja é R$ 7, o saco, mas são cinco quilos”, explica Elizangela.

A negociação é de feira mesmo, se o cliente levar mais, tem desconto e até brindes. Tudo é vendido em caixas e os legumes e verduras estão embalados. Os pacotes tem até 1 kg e há também a opção de misturar.

A gravação é ouvida o dia todo a ponto de fazer as vendedoras sonharem com o preço do abacaxi.A gravação é ouvida o dia todo a ponto de fazer as vendedoras sonharem com o preço do abacaxi.

“Sai mais barato que mercado, o quiabo está R$ 12,90, por exemplo, a gente já dá um jeitinho. Se ela quer tomate também, a gente mistura”, explica.

A clientela maior está realmente nos bairros carentes de feiras e mercados, Noroeste, Nova Lima, Tiradentes. Tem dia que elas fazem até quatro regiões, outros que passam a tarde toda num mesmo local.

“Tem gente que não tem condições de ir até o mercado. Às vezes é pesado levar uma melancia ou laranja e a gente põem na porta”, comenta Andressa.

Os produtos vem todos do Ceasa diariamente. Ao todo são oito pessoas da mesma família trabalhando, desde a compra até a venda.

O dono é ‘seo’ José Gonçalves Bezerra, que aos 85 anos, continua no batente. Além da F-1000 ele tem mais quatro veículos nas ruas que pegam até as cidades perto, Nova Alvorada, Bandeirantes e Ribas do Rio Pardo.

Hoje ele fala que o trabalho já está concorrido, mas a maioria dos carros ficam parados. “Eu não, saio trabalhando andando mesmo. Comecei em uma carroça”.

Se ouvir o anúncio do abacaxi e da laranja mais doce, pode parar, há a chance de ser um carro do ‘seo’ Zé passando na sua rua.

Não é difícil não ver, ou melhor, não ouvir. O alto-falante grita em alto e bom som olha o abacaxi.Não é difícil não ver, ou melhor, não ouvir. O alto-falante grita em alto e bom som "olha o abacaxi".



Parabéns pela matéria importante. Eu já comprei algumas vezes e comprovei que os produtos são de boa qualidade e preço ascensível.........parabéns.
 
idalgo Antonioli em 08/12/2013 10:08:19
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.