A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

01/09/2015 08:12

Celular de bêbado não tem dono! Na balada, quem exagera perde a razão

Lucas Arruda
No Villa Mix foram cerca de 130 furtos de celulares. (Foto: Vanessa Tamires)No Villa Mix foram cerca de 130 furtos de celulares. (Foto: Vanessa Tamires)

Ir para a balada e ter algum pertence pessoal afanado causa uma dor tremenda no bolso. Se isso acontecer, você pode recorrer à Justiça para o ressarcimento, a não ser que a organização do evento ou os donos do local consigam provar que você exagerou na bebida.

Veja Mais
De super-herói a câmera analógica, presentes para nerds estão em alta
Oficina oferece de graça curso básico sobre veículos para mulheres

E não adianta dizer que a culpa é do open bar, da propaganda desenfreada para o consumo de bebida, do estimulo das casas noturnas e promotores de eventos à bebedeira desregrada. Só quem vai pagar o pato é quem exagerou.

Na última terça-feira, o Villa Mix ficou mais famoso por causa dos ladrões, do que pelos grandes nomes do sertanejo que se apresentaram por lá. Cerca de 130 pessoas foram furtadas.

O vendedor Matheus Soares conta que o dele foi roubado logo após o show do Luan Santana, enquanto ele e amigos voltavam para o camarote do evento. “Estávamos voltando e uma amiga sentiu o celular sendo tirado da calça, quando todos olhamos os bolsos ninguém mais estava com celular”, relata.

Ele diz que não estava bêbado e que o roubo aconteceu por conta do tumulto mesmo. Após o fruto, eles procuraram a organização do show e depois foram para a delegacia fazer o Boletim de Ocorrência. Segundo o advogado especialista em direitos do consumidor Jean Rommy isso deve ser feito o mais rapidamente possível.

“Se a situação acontecer por falta de organização, como um tumulto ou falta de espaço, a responsabilidade é toda da produção do evento. Eles têm que ressarcir a vítima, já que o serviço não foi prestado de forma adequada”, explica. Ter a nota fiscal também ajuda na hora do B.O.

Agora, os organizadores de um evento podem alegar que a pessoa estava bêbada. Mas mesmo num open bar, cabe a eles provar que isso realmente ocorreu, com imagens de circuito de segurança, por exemplo.

Caso seja verdade, a vítima não será ressarcida. “Neste caso, eles somente prestaram o serviço que prometeram, se a pessoa está bêbada, inclusive, fizeram este serviço muito bem”, diz o advogado sobre a qualidade do serviço dos garçons.

Existem outras situações que a pessoa lesada precisa ter cuidado, como se ela esquecer o celular em cima da mesa ou deixar ele cair e não encontrar mais, assim ela é a única responsável pelo prejuízo.

A regra também vale para outros pertences pessoais, como carteira, bolsa, entre outros.

No caso de dinheiro vivo, isso é um pouco mais difícil de ser reavido. “A pessoa tem que provar o quanto ela tinha, não adianta dar só a palavra”, avisa Jean.




E ainda tem gente que estranha quando digo que não gosto desse tipo de programa. Maior furada. Gente bêbada sem noção, mais ladrões de olho do patrimônio alheio. Tô fora.
 
Dean_Winchester em 01/09/2015 08:16:20
Lamentável uma notícia em jornal de grande circulação propagar o adágio de que "celular de bêbado não tem dono". A pessoa paga por um show, estando inclusos todos os custos de artistas, montadores, técnicos de som, músicos, iluminadores e...SEGURANÇAS. E aí, me vem um veículo de comunicação alegar que, se a pessoa ficou bêbada a culpa é dela se perdeu o celular?!? Num país civilizado e culturalmente elevado, se alguém visse um objeto qualquer em cima de um lugar, simplesmente não mexeria nele, por não lhe pertencer. Se o achasse jogado no chão, o devolveria para a organização do evento para que o dono pudesse ser localizado ou retornasse depois para pegá-lo. Já aqui, em Campo Grande, se vc beber, mesmo tempo pago para se divertir e pelos seguranças do local, problema é seu! Fim da picada!
 
Djalma em 01/09/2015 07:59:15
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.