A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

21/11/2016 06:20

Comerciante abre tabacaria e por sugestão de hippie batiza de "Boca de Fumo"

O nome deixou muita gente indignada e o dono admite ter medo da reação da polícia

Thailla Torres
Tabacaria fica no Aero Rancho e já deixou muita gente intrigada. (Foto: Marcos Ermínio) Tabacaria fica no Aero Rancho e já deixou muita gente intrigada. (Foto: Marcos Ermínio)

A criatividade as vezes vai tão longe que fica até difícil acreditar. No bairro Aero Rancho, um comerciante resolveu abrir uma tabacaria e batizou o lugar de "Boca de Fumo". Há poucos dias a mudança na fachada vem chamando atenção de quem passa e mesmo na brincadeira, a ousadia já deixou muita gente indignada.

Veja Mais
Para quem só conhece Sidra, sommelier ensina que existe espumante bom e barato
Loja reinaugura com liquidação de jeans por 39,90

O lugar, na Rua Rachel de Queiroz, tinha outro nome, mas mudou há 8 meses, quando Emerson Alves, de 31 anos, assumiu o estabelecimento. A mudança veio para atrair clientes, por sugestão de um hippie, acatada com entusiasmo. 

"Quando eu comprei tinha o nome de Amazon, mas aí pesquisei na internet e não conseguia achar um significado. Ai um dia eu estava fumando aqui na frente e passou hippie fazendo um artesanato. Ele me disse que já andou esse Brasil todo e nunca tinha conhecido um lugar chamado 'boca de fumo'. Foi ideia de louco eu sei, mas na semana passada eu mandei fazer a fachada e troquei", conta. 

Na Boca de Fumo tem até roupa e pipa. (Foto: Marcos Ermínio). Na Boca de Fumo tem até roupa e pipa. (Foto: Marcos Ermínio).

O desafio no comércio veio depois de alguns trabalhando como pintor. "Eu queria mudar de vida, ai conversando com a minha esposa, a gente resolveu investir".

Mesmo sendo tachado de maluco pelas pessoas, Emerson jura que fez tudo para atrair clientes e dar uma guinada nos negócios com o nome polêmico. "Todo mundo está falando que eu sou louco, dizendo ainda que a polícia vai na loja a qualquer momento, invadir e levar minhas minhas coisas. Meu medo é só esse", comenta rindo.

Ele conta que já precisou se justificar para quem não gostou nada da ideia. "As pessoas tiraram foto e tomou uma proporção gigante. Eu pensei no lado positivo e negativo, porque todo mundo fala de tráfico de drogas e o meu medo é porque o Aero Rancho já é mal falado, daí eu até tive que responder algumas pessoas que alertaram sobre apologia", comenta.

Teve critica até por desrespeito ao combate à dependência química. "Até pessoas que tem dependentes na família comentaram. Mas com certeza essa pessoa que compra alguma coisa ilegal, não é aqui na minha loja. Porque não vendo drogas, apenas essência de arguile e acessórios. Até roupa e pipa eu tenho na Boca de Fumo".

Emerson jura que nunca venderia entorpecentes ali e que o único fumo no local é do narguile. "Porque ele faz aquela fumaça toda e o que a gente utiliza nele é chamado de fumo. Então é só por isso que batizei de Boca de Fumo", esclarece.

No Facebook, um foto da fachada acabou bombando na página Passeando em Campo Grande, com mais de 500 comentários. A maioria acha graça, mas teve gente que não gostou nada da ideia. "Brincadeira nefasta essa. Não sabem o quanto sofre a família de um dependente químico, o próprio dependente que tenta se recuperar e não consegue... Misericórdia", diz um dos comentários.

Com a rua movimentada de comerciantes, quem trabalha ao lado diz não se importar e acha um exagero toda repercussão. "Eu acho que eles foram bons de marketing. Cada um cria o que pode para atrair o cliente. Está vindo gente de fora tirar foto, até porque ninguém é idiota de abrir um negócio desse tipo (ponto de drogas) assim escancarado", acredita Lídia Silva, de 28 anos, dona de uma loja de roupas. 

Emerson pede compreensão as pessoas. "Elas tem que entender que eu só quero trabalhar, então agora seja o que Deus quiser", comenta. 

Curta o Lado B no Facebook.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.