A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

06/07/2015 06:23

Depois de aprender a cortar cabelo na web, estudante montou barbearia delivery

Aline Araújo
Ele encontrou realização na atividade. (Foto: Fernando Antunes)Ele encontrou realização na atividade. (Foto: Fernando Antunes)

“Descobri que cortar o cabelo, para mim, era algo tão prazeroso quanto jogar futebol”. A afirmação é do estudante de Engenharia de Computação, Lucas de Oliveira Vieira de Almeida, de 21 anos. De Aparecida do Taboado, ele mudou para Campo Grande para estudar e meio que sem querer descobriu uma nova profissão.

Veja Mais
Estilistas criam coleção especial para quem tem algum tipo de deficiência física
Referência em Medicina, cursinho abre inscrições para bolsas de até 100%

Vaidoso e apegado ao cabelo ele saiu em busca de um corte que considerasse perfeito para manter um visual bacana. Foi em vários lugares e não encontrou nenhum que agradasse, aí pensou que poderia cortar ele mesmo. “Não deve ser impossível”, resolveu comprar uma maquina de começar.

Os primeiros clientes foram amigos.  (Foto: Fernando Antunes)Os primeiros clientes foram amigos. (Foto: Fernando Antunes)

Mas já no primeiro corte, um acidente. O pente que escapou da máquina fez ele ter que raspar todo o cabelo. “Justo comigo, que sempre fui tão apegado ao meu cabelo”, comenta. Na hora foi ruim, mas depois a história serviu de combustível para ele resolvesse aprender mais sobre os cortes.

O primeiro professor foi o Youtube, de tutorial em tutorial ele foi aprendendo, a prática veio com a ajuda dos amigos. Ele oferecia os cortes para quem estava sem dinheiro, e em troca treinava o que estava aprendendo.

“Toda semana eu cortava o meu cabelo para treinar, e eu gostava então, incomodava os meus amigos que estavam sem dinheiro para que eu pudesse cortar o cabelo deles, como era de graça eles não reclamavam. O primeiro ficou bom, o segundo bem ruim, o terceiro eu acertei e depois fui melhorando” comenta Lucas.

Ele chegou a fazer um curso, mas não gostou muito, e parou. “Achei fraco, eu já tinha aprendido o que eles estavam ensinando na internet”. Além de assistir os vídeos ele assina aplicativos de barbeiros de outros países que dão dicas de cortes de cabelo e barba.

Na maletinha ele carrega toda a sua barbearia.  (Foto: Fernando Antunes)Na maletinha ele carrega toda a sua barbearia. (Foto: Fernando Antunes)

O negócio foi crescendo, então ele resolveu transformar o hooby em algo rentável, uma barbearia delivery, a Barber In Da House. “Meu estágio não estava dando grana, cortar cabelo é algo que me relaxa, eu pensei, tenho que expandir esse negócio. Quando fui demitido do estagio, comecei a compartilhar os grupos do Facebook e as pessoas começaram a me procurar”, relata.

Com o tempo, ele ganhou clientes e hoje tem até parcerias com as atléticas universitárias, onde oferece descontos. Na maletinha, carrega tesouras importadas. E desde que começou, em janeiro, já é a terceira maquina que ele compra.

Mas o sonho de Lucas hoje é unir o que aprendeu na formação universitária com o ofício que escolheu e montar um portal voltado para barbearia. “É muito difícil achar conteúdo brasileiro sobre o assunto na internet, a gente só vê em site gringo. E o que eu quero é reunir tudo que acho legal em barbearia em um portal, com vídeos, dicas e tutoriais”, conta.

Para não deixar bagunça na casa do cliente ele leva até um mini aspirador de pó. O serviço não é rápido, ele diz que só acaba o trabalho quando o cliente está satisfeito com o corte. “É tudo bem artesanal, eu faço tudo sem pressa, é um corte mais trabalhado, eu só saio da casa do cliente quando está 100% para ele, eu prefiro priorizar a qualidade, por isso atendo no máximo cinco pessoas no dia”, conta.

Fazer a barba custa R$10,00, o corte R$20,00. O acréscimo pelo serviço delivery depende da distância, são R$0,75 por km.

O contato pode ser feito pela fanpage da Barber In Da House.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.