A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

04/02/2015 06:14

Em bar de rock, noiva chega de Fusca azul para dizer sim no palco

Paula Maciulevicius
Do Fusca azul parado em frente ao bar, desceu a noiva para se casar no Trem Mineiro. (Foto: Luiz Claudio Fogaça)Do Fusca azul parado em frente ao bar, desceu a noiva para se casar no Trem Mineiro. (Foto: Luiz Claudio Fogaça)

O Fusca azul parou em frente ao bar por volta das 9h da noite do dia 17 de janeiro, um sábado. Dele desceu Karla, vestida de noiva, com buquê em mãos, para entrar com o pai até o palco improvisado de altar. O local da primeira saída do casal Karla e Luciano foi justamente onde eles escolheram para selar a união. O Trem Mineiro, no bairro Jardim Itatiaia, em Campo Grande, recebeu os dois solteiros pela última vez e também os viu saírem de lá como marido e mulher.

Veja Mais
De super-herói a câmera analógica, presentes para nerds estão em alta
Oficina oferece de graça curso básico sobre veículos para mulheres

Assíduos frequentadores das noites de rock da Capital, o casal se conheceu pela coragem de Luciano. Com amigos e interesses em comum, ele a adicionou no Facebook e das conversas pelo chat, os dois marcaram o primeiro encontro. Em 2013, eles engataram um namoro e ficaram noivos em setembro do ano passado, no meio de um show de rock no Bar Fly.  

"A gente frequentava os mesmos lugares: Fly, Hangar e vimos que tínhamos muitas coisas em comum. Nos conhecemos pessoalmente e o primeiro lugar que a gente saiu foi o Trem Mineiro", conta o noivo Luciano Brandi, de 43 anos. 

O pedido de casamento já anunciava que o casal não fugiria muito das raízes. "Era uma sexta-feira, na verdade eu tinha meio planejado já, mas como ela é muito fã do U2 e ia ter o cover aqui, uns dias antes eu fui comprar a aliança", descreve Luciano.

Foi no meio do público que assistia, mas ainda assim, de forma discreta. "Ao som beautiful Day, estavámos só nós dois, foi uma coisa mais íntima e eu perguntei: 'quer casar comigo?'".

O noivo, Luciano, entrou com a sogra. (Foto: Luiz Claudio Fogaça)O noivo, Luciano, entrou com a sogra. (Foto: Luiz Claudio Fogaça)
De noiva e buquê, Karla entrou com o pai. (Foto: Luiz Claudio Fogaça)De noiva e buquê, Karla entrou com o pai. (Foto: Luiz Claudio Fogaça)
Cerimônia simbólica foi realizada pelo cunhado da noiva. (Foto: Luiz Claudio Fogaça)Cerimônia simbólica foi realizada pelo cunhado da noiva. (Foto: Luiz Claudio Fogaça)

O planejamento para o "sim" começou desde então. Eles não queriam nada que fosse muito tradicional. "Ela sempre falou de ter uma festa de casamento, mas que fosse a nossa cara e que marcasse os nossos momentos. Um buffet não seria nada legal, não tem identidade com a gente", justifica o noivo.

Pela primeira vez de uma reportagem de casamento, é o noivo quem mais fala. Karla, a noiva, tem 38 anos e é professora de História e viveu nos últimos seis meses um sonho que acreditava que não se realizaria mais, de se casar.

"O buffet geralmente tem aquela decoração tradicional e não era isso que a gente queria. Convidados montados de vestido longo, de salto, se fizesse assim era essa a ideia que passaria para as pessoas. Daí eu comecei a pensar numa alternativa e veio: por que a gente não faz num bar de rock?" perguntou Karla Venâncio Barros.

Nas conversas seguintes, o dilema era encontrar um estabelecimento que desse toda estrutura que o casamento exige. "A gente pensou, lá faz parte da nossa história e eles já servem porções. Fomos unindo uma coisa à outra e ficaria original: servir comida de boteco", detalha Karla.

Votos foram feitos pelo casal seguidos da troca de alianças. (Foto: Luiz Claudio Fogaça)Votos foram feitos pelo casal seguidos da troca de alianças. (Foto: Luiz Claudio Fogaça)
O primeiro beijo como casados no lugar onde saíram pela 1 vez.  (Foto: Luiz Claudio Fogaça)O primeiro beijo como casados no lugar onde saíram pela 1 vez. (Foto: Luiz Claudio Fogaça)

No cardápio, o casal manteve as porções de costelinha de porco, frango a passarinho, batata frita, tábua de frios e pastel de carne seca. O bolo foi levado por eles com direito a bonequinhos de noivos em cima. 

Vestida de noiva, embora Karla faça questão de pontuar que era simples para não destoar do local, o traje era branco e nas mãos ela levava um buquê. O Fusca azul que a deixou na porta do bar era do namorado de uma amiga, com quem ela divide a mesma paixão pelo carro. 

A decoração foi a mesma que o bar já oferece, os móveis antigos e as características próprias do Trem Mineiro nos objetos pela parede. "Não teria nada a ver a gente colocar uma coisa a mais, se a gente quis se casar lá, é porque gosta do bar daquele jeito", opina.

Nas mesinhas foram colocadas apenas toalhas brancas e o caminho trilhado por Karla até o palco era marcado por vasinhos de flores. 

Como os dois não são religiosos, mas se consideram espiritualizados, foi o cunhado e a irmã da noiva que falaram belas palavras. "Eram conselhos de um casal feliz para quem está começando e foi assim a cerimônia, três casais de padrinhos de cada lado e eu entrei com a minha sogra", explica Luciano que já não tem mais os pais presentes. 

"E assim, ninguém estava de terno e gravata. O único que usou fui eu e quando começou o sho, eu já tirei", frisa. 

Karla entrou com a música "Um amor, um lugar" dos Paralamas do Sucesso e na troca de alianças, tocou "Beautiful Day", do U2, canção que marcou o noivado deles. 

Os votos falados foram feitos por eles mesmos, Karla reproduziu um texto falado no casamento pagão, que inclusive viu numa reportagem nossa. “Não podes possuir-me, pois pertenço a mim mesmo. Mas enquanto nós dois quisermos eu te darei o que é meu, e que posso dar-te. Não podes mandar em mim pois sou livre. Mas te servirei naquilo que for necessário e a maçã que te oferecerei será mais doce. Prometo que teu será o nome que chamarei a noite, e teus olhos para os quais sorrirei pela manhã. Prometo que teu será a primeira parte da minha refeição e o primeiro gole da minha xícara. Prometo-te o meu viver e o meu morrer, entregando cada um igualmente aos teus cuidados. Serei um escudo para suas costas e tu para as minhas. Não te difamarei, nem tu me depreciarás. Respeitar-te-ei acima de tudo e de todos. Este é o meu voto de núpcias a ti. Este é o casamento de iguais.”

Casamento foi para 100 convidados. (Foto: Luiz Claudio Fogaça)Casamento foi para 100 convidados. (Foto: Luiz Claudio Fogaça)

A primeira dança como casal foi um bolero, fugindo de toda trilha sonora deles como namorados. O casamento em si, foi simbólico. Dias antes eles já tinham se casado na Justiça Itinerante. 

Karla jogou um sapo para as amigas solteiras, porque o buquê era de broches e aneis. Depois de terminada a cerimônia, a banda de rock Plano Zero entrou em cena e fez a festa dos noivos e convidados até 3h da manhã. Além de ter sido a cara do casal, o valor também saiu super em conta. Em tudo, para cerca de 100 pessoas, o casal calcula ter gastado uma média de R$ 6 mil. 

"Quando a gente começou a conversar, vi que tinha muita coisa em comum e a gente foi vendo que daria certo. Tanto deu que resolvemos casar", finaliza Luciano. 

Convidados dançaram de bolero à rock. (Foto: Luiz Claudio Fogaça)Convidados dançaram de bolero à rock. (Foto: Luiz Claudio Fogaça)
Banda de rock Plano Zero fez show a noite toda. (Foto: Luiz Claudio Fogaça)Banda de rock Plano Zero fez show a noite toda. (Foto: Luiz Claudio Fogaça)
Parte da decoração do próprio bar. (Foto: Luiz Claudio Fogaça)Parte da decoração do próprio bar. (Foto: Luiz Claudio Fogaça)
Em bar de rock, noiva chega de Fusca azul para dizer sim no palco
Em bar de rock, noiva chega de Fusca azul para dizer sim no palco



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.