A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

23/08/2013 22:32

Em protesto, acadêmicos promovem boteco ao ar livre contra cerveja cara

Vinícius Squinelo e Marcos Ermínio
Acadêmicos se armaram com isopores e cervejas compradas em mercado (foto: Marcos Ermínio)Acadêmicos se "armaram" com isopores e cervejas compradas em mercado (foto: Marcos Ermínio)

Cerca de 30 acadêmicos e clientes resolveram protestar de forma criativa na noite de hoje (23). Revoltados contra o preço da cerveja nos bares próximos da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul). Com térmicas e isopores, os manifestantes organizaram um verdadeiro boteco ao ar livre.

Veja Mais
Acadêmicos se revoltam e fazem protesto contra preço da cerveja
Estilistas criam coleção especial para quem tem algum tipo de deficiência física

A concentração dos manifestantes foi na rua Montese (início da rua Rui Barbosa), em frente ao bar Escobar, mais tradicional ponto de encontro dos acadêmicos da federal. O manifesto se dividiu entre um ponto fixo, e em caminhadas para bater papo com os amigos. “Parece um protesto fútil, mas o público daqui é (formado por) estudantes e são todos quebrados”, afirmou Victor Wagner Freire Fialho, 22 anos, acadêmico de Geografia.

O protesto foi organizado pelas redes sociais. Segundo os assíduos clientes do bar, o litrão de cerveja custa R$ 7, valor considerado um absurdo pelos acadêmicos. Através da página no Facebook “Boicote ao Bar e Conveniência Escobar/Mandacari/Batata”, os acadêmicos organizaram protesto, marcado para às 19h30 de hoje.

“Na (bairro) Planalto, perto de casa, o litrão, se você leva a garrafa, é R$ 3,75, e talvez até os bares do centro vendem mais barato”, reclamou Raphael Damico Diniz, 21 anos, acadêmico de Matemática.

Parece um protesto fútil, mas o público daqui são estudantes e são tudo quebrados”, afirmou Victor (foto: Marcos Ermínio)"Parece um protesto fútil, mas o público daqui são estudantes e são tudo quebrados”, afirmou Victor (foto: Marcos Ermínio)
Raphael reclamou da diferença de preço entre o bairro onde mora e a região da UFMS (foto: Marcos Ermínio)Raphael reclamou da diferença de preço entre o bairro onde mora e a região da UFMS (foto: Marcos Ermínio)

Já para Paulo Henrique Costa, 20 anos e acadêmico de Geografia, o valor da cerveja aumentou, mas o atendimento dos estabelecimentos é ruim. “O atendimento aqui é péssimo, e que na quarta-feira, que lota com o jogo de futebol, só vende litrão até um horário, depois só garrafa 600ml, e fica ainda mais caro”, comentou.

O grupo pretende continuar os protestos se o preço da cerveja não cair, e chama mais gente pelo facebook (https://www.facebook.com/events/642749592404766/?notif_t=plan_user_invited).

Culpa não é minha – Para um dos donos do Escobar, Onivaldo Escobar, o problema é aumento na “fonte”. “A Ambev, que é distribuída pela Rotele, repassou 17% de aumento no valor da cerveja, eu sou estou repassando, que é significativo”, defendeu.

Ainda segundo Onivaldo, o preço deve subir também em outros estabelecimentos, conforme o estoque vai sendo renovado.




Pessoal, bom dia !! Para resolver esse problema, tomem a cerveja Itaipava, é tão boa quanto a concorrente e custa bem menos. Acredito que muitos já conheçam. Diga não ao monopólio !! Marcelo
 
Marcelo César de Oliveira em 16/09/2013 07:42:21
como temos inversão de valores nos comentários, meu amigo tem uma coisa que chama processo avaliativo, se não foram aptos não se formam, o cara ali em cima disse: esses são os professores que vão educar nossos filho, meu querido o Educar do professor é para o mercado de trabalho, essa educação que você insinua é vc quem tem que dar em casa, e outra cerca 85% das pessoas que bebem ali moram na redondeza e não precisam de carro, os outros 15% é caso de policia, num precisa ficar de mimimi e recalque aqui, gente vão se divertir e para de bobeira, muito pior é quem tá roubando o Brasil e vocês aqui estressados com os caras duros querendo tomar uma.
 
Eduardo lima carvalho em 24/08/2013 22:25:32
Contra preço de livro ninguém protesta, né?! Se orgulham dele hoje, mas bote esse protesto no currículo depois, quero ver.
 
RODRIGO FERREIRA em 24/08/2013 19:32:19
essas pessoas que estao criticando os estudantes sao um bando de hipócirtas, que só pensam em denegrir os jovens, por isso que o brasil é assim cheio de velhos gaga no senado na camara só passando a mao em nosso dinheiro,esses jovens tambem pagam impostos e mantem essa faculdade funcionando, os jovens nao sao o futuro, e sim o presente. tenho dito o que muitos nao tem coragem.
 
fernando alves em 24/08/2013 16:11:12
Huahuahuahuahuahua os comentários nas matérias sobre a UFMS aqui no Campo Grande News são sempre uma atração à parte!
 
Renan Dávalos Vilalba em 24/08/2013 15:19:33
eles estão certos!!! tem que beber mesmo e lutar por isso, um absurdo o preço da cerveja, como vive assim?
 
lais escobar em 24/08/2013 13:15:18
Se estivessem reclamando do alto custo das mensalidades da faculdade ou do material didático ou do transporte para irem à Universidade aí tudo bem...mas ao invés de estudarem querem encher a cara de bebida alcoólica... não deviam publicar essa matéria sem sentido e nem dar ouvidos a esses irresponsáveis...que não raras vezes, após ingestão da bebida vão dirigindo seus veículos expondo todo mundo ao risco de morte... deviam era proibir a venda de bebida alcoólica nas adjacências das Universidades... Embora estudar e se tornar alguém útil para a sociedade!!!!
 
ROMEU MENDES em 24/08/2013 09:20:19
Kkkkkkk.... Vão estudar, gurizada!
 
Daniel Assunção em 24/08/2013 08:56:46
essa tipo de noticia me deixa muito triste. esses sao futuro alcolatras . vai visita o hospital nosso lar e ve a realidade do alcolismo e pare de mula
 
edsn ortega de oliveira em 24/08/2013 08:22:35
REALMENTE O MINISTÉRIO PÚBLICO E O PROCON DEVERIAM DAR UMA OLHADINHA NA ROTELE PARA VER SE ESSES AUMENTOS SÃO PROCEDENTES. ISSO E UMA VERGONHA.
 
Alicio Mendes em 24/08/2013 08:06:15
sera que os pais dessas pessoas tão vendo isso??
sera que eles imaginam que estão estudando uma faculdade publica mantida pelo nosso dinheiro ai ficam dando esse péssimos exemplos nossa to chocada com a preocupação desse jovens que sera do nosso futuro se acadêmicos estão preocupados em divulgar o protesto pelo preço da cerveja chocada chocada ...........
 
soraia lombardi em 24/08/2013 07:16:43
esse ai é o futuro do brasil...tem que vir gente de fora mesmo...
 
marcelo gomes em 24/08/2013 04:01:57
"Assim caminha a humanidade, com passos de formiga, e sem vontade..."
Estes são os temas importantes que merecem protestos dos nobres acadêmicos de universidades públicas? Por isso estamos num quadro de importação de médicos a engenheiros.
 
Andre Rosa Rezende em 24/08/2013 01:14:48
nao sou academico da ufms, mas ja tomei uma cerveja nesse bar e achei o preço um absurdo. Concordo com voces temos que protestar mesmo pra pagar um preço mais justo.
 
fernando alves em 24/08/2013 00:06:53
UÉ VÃO BEBER AGUA COMPANHEIRO NÃO TEM DINHEIRO O DONO PÕE O PREÇO QUE ELE QUER
 
claudinei braz de lima em 23/08/2013 23:53:43
Um "estudante" de geografia e outro de matemática, legal, futuros professores, isso que o Brasil precisa para encaminhar nossa juventude, alguém duvida que estão aptos a lidar com alunos de escolas?
Que vergonha e revolta!
 
Roberto da Costa em 23/08/2013 23:20:04
Que coisa mais ridícula.
Isso mostra o grau de maturidade e de compromisso de estudantes, ainda mais de universidade pública, sustentados por todos nós contribuintes.
Por que não protestar pela falta de professores, de estrutura, de formação continuada, para isto nada, estes estão no time daqueles que viajaram para o exterior para "estudarem" em um programa do governo, mas vendo fotos destes acadêmicos só há de festas e pontos turisticos, mas das universidades e bibliotecas, ou seja, estudo, nada, fico envergonhado em pensar no "futuro" do país com jovens deste "naipe", preocupados com o preço mais caro da cachaça, daqui a pouco só faltam protestar para ganharem bolsa, aliás, o que mais o brasileiro folgado quer.
 
Roberto da Costa em 23/08/2013 23:16:12
Já que não vão banir de vez, a cerveja e outros derivados que contenham álcool, deviam ter um preço inacessível ao consumidor, só assim diminuiria bastante a criminalidade por causa do uso do álcool. Principalmente os jovens enchem a cara de álcool nas tais baladas e depois se acham poderosos atrás de um volante de carro para se autodestruir e matar pessoas que não tem nada a ver com as farras desses moleques. Concluo: Devia ser proibido a venda de qualquer substância com presença de álcool. O governo é hipócrita quando reclama de gastos hospitalares com os acidentes que na sua maioria a causa é provocada pelo consumo de álcool. Porque os governos não tiram os impostos de outras fontes e banem com essa peste de álcool.?????????????????????
 
João Alves de Souza em 23/08/2013 23:09:58
deixa eles passarem a fase de estudar e começar a sustentar uma casa pra verem o que realmente esta caro .. ai podem protestar com razão .. ta caro ??? não tem dinheiro??? não compra ué!!
 
silvana silva em 23/08/2013 22:49:17
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.