A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

16/12/2014 06:34

Moda chegou depois, mas nos estúdios de tatuagem tendência é implante na pele

Elverson Cardozo
Carol usa implante microdermal há 6 meses. (Foto: Alcides Neto)Carol usa implante microdermal há 6 meses. (Foto: Alcides Neto)

Em Campo Grande a moda, como sempre, chegou atrasada, mas ainda é tratada como tendência. Nos estúdios da cidade, implante microdermal tem sido um dos procedimentos mais solicitados nos últimos meses.

Veja Mais
Oficina oferece de graça curso básico sobre veículos para mulheres
Escola para crianças de até 6 anos não vai fechar nem nas férias

A informação vem da bodypiercing Carol Santos, de 20 anos, que trabalha na Galeria Dona Neta. Ela mesma tem um microdermal implantado no rosto, na altura da sobrancelha. “Uso há 6 meses. Coloquei porque é diferente”, diz.

Quem vê de longe pensa que é um piercing normal, mas é só chegar perto para reparar que o negócio é diferente. O strass que ela usa é ecaixado na parte do acessório que fica dentro da pele.

O componente é conhecido como “poste”, uma rosca interna que acopla a “âncora”, a ponta visível. É por isso que a “novidade” se encaixa na categoria de “modificações corporais”.

Mas, se comparado a outros procedimentos, é algo ainda leve, que não carrega complicações cirúrgicas. A base da peça é colocada na derme, camada intermediária da pele, localizada logo abaixo da epiderme.

“E dá para colocar no meio do peito, no braço, na nuca”, explica a bodypiercing Mellina Fernandes, de 21 anos. Ela, que também realiza o procedimento, esclarece, para quem ainda tem dúvidas, a diferença do piercing. “O micro descola a pela, fica em baixo”.

A aplicação, na Galeria Dona Neta, varia de R$ 100,00 a R$ 150,00, dependendo do modelo escolhido. Tem gente que coloca microdermal no dedo da mão, na barriga e até no meio de tatuagens.

A disposição do acessório permite, inclusive, criar desenhos na pele. Veja abaixo algumas inspirações retiradas da internet.

Moda chegou depois, mas nos estúdios de tatuagem tendência é implante na pele
Moda chegou depois, mas nos estúdios de tatuagem tendência é implante na pele
Moda chegou depois, mas nos estúdios de tatuagem tendência é implante na pele

Para Carol, a única desvantagem do implante é a cicatriz que fica quando o acessório é retirado.

Surface na língua. (Foto: Alcides Neto)Surface na língua. (Foto: Alcides Neto)

Alternativas - Outra novidade, nos estúdios, são os surface", ou “piercing de superfície”, como também são chamados. A diferença está na perfuração, que não atravessa a pele. Dá para colocar na língua, por exemplo, sem fazer um buraco de cima a baixo.

Tem, também, o scalp. É o nome de um procedimento que acelera o alargamento de orelhas, afirma a bodypiercing Carol. É para os “apressadinhos” que não querem esperar o tempo certo de trocar o alargador.

Um corte de 3 cm, com bisturi, resolve o problema. Carol fez isso. Ela usava um alargador de 16 mm, mas para usar um de 20 mm precisou “entrar na faca”.

O procedimento gerou uma otimização de 3 meses. “Troquei em 2 meses. O normal seriam cinco”, conta.

Incisão aumenta espaço. (Foto: Alcides Neto)Incisão aumenta espaço. (Foto: Alcides Neto)
E otimiza troca do alargador. (Foto: Alcides Neto)E otimiza troca do alargador. (Foto: Alcides Neto)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.