A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

12/02/2014 06:13

Nada de arroz, pétalas ou bolhas; moda agora é soltar fogos no casamento

Elverson Cardozo
Fogos deixaram a festa mais glamourosa.  (Foto: Wagner Takamori)Fogos deixaram a festa mais glamourosa. (Foto: Wagner Takamori)

Foi-se o tempo do arroz, das pétalas de rosas e das bolhas de sabão nas cerimônias de casamento. A moda agora são os fogos de artifícios, da entrada à saída dos noivos. Em Campo Grande, a “novidade”, importada da Europa, chegou há pelo menos 5 anos, mas, por enquanto, tem atraído apenas os casais mais “descolados” e com dinheiro no bolso, é claro.

Veja Mais
Estilistas criam coleção especial para quem tem algum tipo de deficiência física
Referência em Medicina, cursinho abre inscrições para bolsas de até 100%

Um show pirotécnico na hora do “sim”, com duração de apenas 45 segundos, só na saída da igreja, custa, em média, R$ 600,00. Se o casal optar pelo pacote completo, que inclui entrada, corredor dos padrinhos e cascata no momento da dança ou brinde, o valor pode chegar a quase R$ 3 mil, dependo da empresa contratada e dos serviços escolhidos.

O preço assusta quem está tentando economizar, mas quem trabalha com isso garante que os fogos são, sem dúvida, o “algo a mais” da festa porque deixa tudo mais chique. Há dois anos no mercado, a cerimonialista Natalia Sanfelice, 24 anos, já fechou três casamentos assim, mas apenas um foi em Campo Grande. Os outros dois aconteceram em São Paulo.

Por aqui, os fogos ainda não se popularizaram. “Na verdade os casais mais formais não utilizam tanto. Só os que querem algo diferente, para fazer uma surpresa aos convidados”, disse. Mas isso vai de cada um. A dica é ser fiel à personalidade.

Fogos garantiram a surpresa dos convidados e a beleza dos registros. (Foto: Wagner Takamori)Fogos garantiram a surpresa dos convidados e a beleza dos registros. (Foto: Wagner Takamori)

“A festa tem que ter a cara do cliente. Se ele gosta de uma coisa diferente, quer estar atualizado, trabalhamos em cima disso, da modernidade. Se não gosta, trabalhamos com a formalidade. Eu, particularmente, acho um show”, afirmou. Um show mesmo.

A bióloga Kethleen Mesquita da Silva Duek, de 25 anos, e o engenheiro Renan Gonçalves Duek, de 26 anos, casaram-se com direito a queima de fogos.

A cerimônia foi na Igreja São José e o show durou 3 minutos. “Eu sempre quis. Minha irmã já tinha feito isso aí eu resolvi. Foi uma surpresa para os convidados”, afirmou a Kethleen.

As fotos ficam uma graça, toda colorida, e o momento torna-se marcante. E não precisa pagar caro para ter, pelo menos, um momento “brilhante” no “grande “dia”.

Proprietário de uma empresa especializada em produções pirotécnicas e efeitos especiais para casamento, Paulo Cesar Coutinho de Lima, 44 anos, oferece aos clientes um portfólio com opções abertas para cada casal montar seu próprio pacote.

É lógico que se os “pombinhos” escolherem tudo, o preço chega às alturas, mas é possível ter, por exemplo, um corredor de padrinhos, segurando sparklers, aquelas velinhas com faíscas, por um valor bem bacana.

É só não exagerar no número de convidados que vão cruzar a igreja. A brincadeira, com cinco casais de cada lado, custaria R$ 60,00, já que cada palitinho aceso, com duração de 45 segundos, sai por R$ 3,00.

Cuidados - A “onda” dos fogos de artifício que conquistou, primeiro, as debutantes, assustou muita gente após o incêndio da boate Kiss, no Rio Grande do Sul. A tragédia fez com que o mercado estagnasse por um bom tempo, disse Paulo, mas agora tudo esta voltando ao normal. “As pessoas se esquecem”, comentou.

Em todo caso, é preciso tomar cuidado. Segundo o chefe da comunicação social do Corpo de Bombeiros, tenente-coronel Joilson de Paula, os noivos, antes de contratarem os serviços, precisam se atentarr a alguns detalhes básicos: observar se a empresa tem certificado de vistoria junto ao órgão, se os funcionários que vão manipular os fogos tem o “curso blaster”, fiscalizado pela Polícia Civil, e se os produtos são adequados para cada situação.

Em ambientes internos é utilizado, geralmente, os fogos frios, que não queimam, não soltam cheiro ou fumaça. A legislação, em todo caso, deve ser seguida à risca.

“O artigo 39, inciso 16 da lei 4.335, de 2013, diz o seguinte: realizar queimas de fogos de artifício ou qualquer outro produto perigoso, sem vistoria e autorização do CBMS, gera multa de 10 a 1 mil uferms, citou.




Até concordo que deve haver bom senso quanto a queima de fogos e deve ser vistoriados pelos bombeiros dias antes da festa e/ou evento.
Agora, QUERER IMPOR A LEI DO SILÊNCIO TAMBÉM EM FESTAS PARTICULARES, aí já é exagero!
Se continuar assim, falta MUITO POUCO para impor o toque de recolher na cidade.
 
Marcelo Mattos em 19/02/2014 10:56:06
Aos mal informados os fogos que soltam em casamentos não tem barulho é só cores e os internos são indoor todos os dois são soltos por pessoas qualificadas e habilitadas na policia civil com cursos de técnico BLASTER !!!!
 
paulo coutinho em 12/02/2014 19:16:38
MODA OPORTUNA, FOGUETORIO NO DIA DO CASAMENTO E, POUCO TEMPO DEPOIS, BOMBAS NO DIVÓRCIO KKKKKKKKKKKKKK
 
sandra Ribeiro em 12/02/2014 17:15:26
O barulho dos fogos é muito ruim para os ex pacientes que tiveram internados em coma (por qualquer problema de saúde) ; é ruim para os que usam marca-passo, para os que têem ponte safenas (cardíacos), etcetera
 
rosa flores da silva em 12/02/2014 16:23:14
Não sei quem solta mais foguetes ou rojões, se os pais da noiva que comemoram o "desencanto" da filha, ou os pais do noivo, que comemoram o "despacho" do filho.
Quanto maior o poder aquisitivo, maior é a barulheira, ninguém respeita os tímpanos alheios. Coisa de loucos.
 
VALDIR VILLA NOVA em 12/02/2014 15:22:06
De extremo mau gosto; parece até que é o fim do mundo casar-se na Igreja. As crianças, velhos e cachorros além dos gatos, ficam desesperados com a barulheira; a
lei do silêncio não existe? Se existe não sai do papel, porque os prédios em volta é que sofrem com a bagunça. Não podem ser mais discretos? Ou soltar os fogos na festa? Sou contra a bagunça dos fogos; não se ouve nem a TV e não são só 3 minutinhos mas muito mais. Será que compensa? O que? O pessoal precisa ser mais criativo e respeitar a lei do silêncio; também parece que é para toda a vida, mas muitos deles estão separados depois de alguns anos. É para aparecer? Criatividade gente...
 
marcia amaral em 12/02/2014 15:00:13
Essa moda de soltar fogos no casamento isso já conheço desde criança, pois lá no Paraná onde nasci e me criei e me casei, é o costume de dar e desejar felicidades ao no casal, no meu teve um fogatório. Qdo crianças adorava ir em casamento só pra ouvir o barulho rsrrs
 
sonia fatima em 12/02/2014 10:44:54
O cerimonial da Natália Sanfelice, sem dúvidas é um dos melhores da região. É sinônimo de competência e satisfação dos casais.
 
Tiago Koutchin em 12/02/2014 09:31:16
Na realidade agora fazem assim por que a igreja não permite jogar arroz por que tem muitas pessoas passando fome, mas acho que um pouco de arroz não mata ninguém, mas quem somos nós pra julgar, meu casamento teve que ter bolas de sabão...complicado...
 
Luana Freitas em 12/02/2014 07:59:21
Bom pra quem vende!
Ruim pra quem não quer ouvir barulho, pra crianças que tem medo, ou cães que não gostam.
 
Romeu Luitz em 12/02/2014 07:58:01
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.