A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

11/07/2013 07:01

O olhar mais humano por trás das lentes tirou a fotografia do estúdio

Paula Maciulevicius
O sorriso, a espontaneidade e a brincadeira do mustache. A alegria de trabalhar o íntimo e resgatar o belo. (Foto: Priscila Mota)O sorriso, a espontaneidade e a brincadeira do mustache. A alegria de trabalhar o íntimo e resgatar o belo. (Foto: Priscila Mota)

A luz, a paisagem, os componentes que a própria natureza oferece. A brisa, o foco, o olhar, a criatividade guiada pela sensibilidade. O toque que vai além do clique e do ajuste no flash. Um olhar mais humanizado tirou o sorriso do estúdio e deu lugar à espontaneidade das ruas e de cenários do cotidiano. Estilo ou tendência, o fotografado se tornou protagonista não restrito a quatro paredes e por trás das lentes, o trabalho que leva não só a técnica, como a subjetividade de quem clica.

Veja Mais
Graças a tecnologia, noiva assiste cerimônia antes de entrar na igreja
Última oportunidade pra preparar a casa pro fim de ano

O sorrir, a sensação, o sentimento que sucede ou o que antecede o momento das fotos. As imagens hoje conseguem transmitir mais do que a comemoração da data, a história de uma vida. Desde que os ensaios fotográficos ganharam asas e eventos que antes obedeciam o protocolo, tiveram as correntes quebradas, é que se vê pelas redes sociais, cada vez mais, fotos de um cotidiano à sua maneira. Um trabalho que não é de agora, mas que vem despertando a paixão pela arte em que faz ou admira a fotografia.

Muitas vezes a gente até é pego de surpresa, como se vivesse a felicidade dos noivos depois do 'sim' ou compartilhasse do frescor do sorriso sapeca de uma criança. Gente que nunca se viu na vida, mas que parecia tão perto, pela fotografia.

O foco não só no casal, como nos personagens secundários que relatam a história. (Foto: Allan Kaiser)O foco não só no casal, como nos personagens secundários que relatam a história. (Foto: Allan Kaiser)
Uma frase ao pé do ouvido leva a pensar se seria uma declaração de amor entre o casal. (Foto: Priscila Mota)Uma frase ao pé do ouvido leva a pensar se seria uma declaração de amor entre o casal. (Foto: Priscila Mota)

Allan Kaiser, 23 anos, abandonou Engenharia pela Fotografia. Priscila Mota, 26 anos, encontrou a Fotografia no Jornalismo. Os dois desenvolvem trabalhos Campo Grande afora e são alguns dos profissionais que vem trabalhando a sensibilidade pelas lentes. Dando a gente 'comum', aquele ar de foto de revista.

Ele ganhou a primeira câmera em 2010 e começou por conta própria a estudar e fazer cursos. Como sempre gostou de moda, achou que fosse seguir a vertente, mas entrou de cabeça nos casamentos. O momento mais importante da vida das mulheres. Numa mistura de sentimento de fotografar e documentar artisticamente, viu o trabalho despontar, à época pelo Orkut. Depois da publicação de ensaios, começaram a surgir pedidos de orçamento até que a demanda chegou ao casamento.

Para não recusar serviço, ele de pronto, disse que fotografava casamentos. O primeiro deles, foi de bicão, Allan passou pela Perpétuo Socorro e entrou vestindo camisa polo para fotografar. Subiu até no altar e foi embora antes que o olhar crucial do fotógrafo contratado pela noiva o fuzilasse. a experiência estava apenas começando.

Hoje o trabalho é visto e divulgado pelo Facebook e o jovem já acumula no currículo, um casamento fotografado na Inglaterra. Com o trabalho da fotografia mais acessível, basta uma olhada no portefólio que as pessoas já pedem orçamento. Vivendo há um ano e meio como profissional, o foco das lentes está nos casamentos e sessões de família, mas sem descartar a paixão pela foto de rua, do cotidiano, de gente.

A brincadeira do colorido no pó xadrez. Ensaio de Allan Kaiser.A brincadeira do colorido no pó xadrez. Ensaio de Allan Kaiser.

"A minha fotografia eu defino como foto sentimental e artística. Às vezes a noive está entrando na igreja e eu pego o olhar de alguém para ela. Meu foco não é simplesmente a noiva, é contar um pouco da história que às vezes está em personagens secundários que estão olhando para ela de modo incrível", retrata. O gosto por contar histórias leva o jovem a fazer até 3 mil fotos em um único 'sim'.

Se é tendência ou não, ele prefere acreditar que a fotografia como é feita hoje foi uma descoberta que sempre existiu e que as pessoas que ainda não sabiam.

O trabalho que começou nos corredores da Universidade Católica Dom Bosco até a agenda de casamentos concorrida em São Paulo. Jornalista por formação e fotógrafa por talento e paixão, Priscila Mota descobriu o que queria na faculdade e seguiu o foco das lentes depois que formou.

As imagens revelam a riqueza dos detalhes construídos na simplicidade que vem dos próprios 'modelos'. A iluminação, o ângulo e cenário produzem, no conjunto, uma foto conceitual e artística. Mas no fundo, no fundo, o que ela faz mesmo é resgatar os valores pelos cliques.

"Hoje em dia a fotografia é uma forma de terapia, de registrar aquele momento ou aquilo que ela até tinha se esquecido que tinha e que está precisando ser resgatado", descreve.

Na sala de casa, nas ruas, no gramado, nos parques. O olhar da fotógrafa está nas pessoas e no que elas são. Fator que contribui para a escolha do cenário que vai compor a arte final. "O local tem que ter uma relação com a pessoa, de modo que ela fique à vontade para registrar o que ela é. A composição não tem uma regra é a partir do que a pessoa é, do que eu conheço dela", aprofunda.

Com a proposta de um trabalho íntimo e muito próximo é de se olhar as fotos e também querer fazer igual. "Depois que fazem, amam o resultado e acabam se perguntando porque não fizeram antes. A pessoas às vezes não se enxerga mais como ela é". Esta aí, a fotografia que saiu do estúdio talvez veio para devolver a gente que se perdeu por aí.

Priscila Mota, 26 anos. Descobriu a fotografia no Jornalismo e retrata pela imagem o que as palavras não conseguem dizer.Priscila Mota, 26 anos. Descobriu a fotografia no Jornalismo e retrata pela imagem o que as palavras não conseguem dizer.
Allan Kaiser, por Priscila Mota. Ele tem 23 anos e assim como brinca na composição da foto, o visual já não é mais este da imagem.Allan Kaiser, por Priscila Mota. Ele tem 23 anos e assim como brinca na composição da foto, o visual já não é mais este da imagem.
A composição da luz e do cenário natural no ensaio de Priscila Mota.A composição da luz e do cenário natural no ensaio de Priscila Mota.



Ótimos profissionais, conheço mais de perto o trabalho do Allan que foi o fotógrafo do meu casamento...sem explicação...as fotos ficaram EXCELENTES...e além de tudo um amigo...eu e meu esposo Mairinco SUPER indicamos este profissional.
Parabéns pelo ótimo trabalho desses dois fotógrafos.
 
Anne de Pauda em 11/07/2013 17:28:59
Grandes amigos e ótimos profissionais de excelente talento e criatividade, amam o que fazem e inovam a cada clique. Merecem esse reconhecimento, esse é só o começo.
Parabéns queridos!!!
 
Luciene Feitosa em 11/07/2013 16:17:41
Uhu!! Pri, parabéns! Ficou linda a reportagem sobre vocês. Beijos mil continuem assim!
 
Cynthia Mesojedovas de Aguiar em 11/07/2013 15:27:34
Profissionais cuja espontaneidade, criatividade, acessibilidade e irreverência emprestam arte à fotografia. Parabéns pelo reconhecimento Amigos!
 
Tatiana Quevedo em 11/07/2013 12:13:00
Parabéns pelo lindo trabalho :)
 
Jussara Moreira em 11/07/2013 10:28:33
Lindas fotos! Imagens nos transportam!
 
JESSICA MACHADO em 11/07/2013 09:09:03
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.