A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

13/08/2013 07:08

Pagou barato e saiu satisfeito: no Centro tem corte de cabelo a partir de R$ 5

Paula Maciulevicius
Cortes são encontrados na média de R$ 15 o serviço. Mas se o cliente sabe chorar, o desconto é maior. (Fotos: Cleber Gellio)Cortes são encontrados na média de R$ 15 o serviço. Mas se o cliente sabe chorar, o desconto é maior. (Fotos: Cleber Gellio)

Bater perna pelo Centro atrás de salões de beleza é praticamente encontrar um em cada quadra. Dos mais sofisticados àqueles que são apenas uma portinha para atender aos clientes. O Lado B saiu às ruas para confirmar o que a gente tinha em mente: dá pra pagar barato e sair satisfeito sim do salão do Centro.

Veja Mais
Estilistas criam coleção especial para quem tem algum tipo de deficiência física
Referência em Medicina, cursinho abre inscrições para bolsas de até 100%

Vinda de São Paulo, a cabeleireira Maria José Gonçalves, de 54 anos, tem o salão de beleza da rua Rui Barbosa quasena 15 de Novembro há um ano e meio. O mobiliário é o mesmo de antigamente, tudo se resume à madeira e as cadeiras são postas em frente de três espelhos seguidos de prateleiras. “Os outros modernizaram,mas do que adianta se o cliente sai sem gostar? Eu sou das antigas”, anuncia.

Em geral ela diz atender o público de A a Z e com o preço de R$ 10 o corte masculino na maquininha. No entanto, se o cliente chorar consegue cortar e pagar até metade do que é propagado.

Maria José mantém o salão com mobiliário das antigas. Ela mesmo diz que a modernidade nem sempre garante a satisfação do cliente.Maria José mantém o salão com mobiliário das antigas. Ela mesmo diz que a modernidade nem sempre garante a satisfação do cliente.
E entre a decoração dos anos passados, se chorar muito, ela corta por R$ 5; mas apenas cabelo de homem. De mulher, ainda é R$ 20.E entre a decoração dos anos passados, se chorar muito, ela corta por R$ 5; mas apenas cabelo de homem. De mulher, ainda é R$ 20.

“Mas se chorar eu faço R$ 8, R$7, até R$5. Mas só quando o cliente chora”, completa. O corte feminino ela avisa que sai mais ‘caro’, por R$ 15, porque cabelo de mulher é preciso lavar e dar uma secadinha depois.

O salão, segundo relatos da dona, vive cheio. Tanto é que são três cabeleireiras e uma manicure a cumprir o expediente ali.

A segunda geração de um dos cabeleireiros mais antigos cobra R$ 10 no corte e cliente homem sai de lá pagando R$ 35 com corte, luzes invertidas e unhas feitas. Pelo menos é este o preço que eles cobram do ‘seo’ Manoel.

“Venho aqui faz tempo, gosto e porque eles são meus amigos. Me atendem com amor, carinho e para mim é barato. Saio super satisfeito”, fazia a propaganda.

O cabeleireiro é Arcy Willerson, de 22 anos, que afirma que ali, na 15 de Novembro, depois da praça, o preço é acessível e o atendimento feito por profissionais. “No Centro somos um dos únicos que cobra R$ 10 porque a gente procura um preço mais baixo pra atender todo mundo. Se paga R$ 10 mas não é com aluno não, é só profissional. Não tem amador aqui”, reforça.

Na avenida Afonso Pena, pra baixo da 13 de Maio, o dono do salão, João Ferreira, de 48 anos, classifica o local mais como uma cooperativa. Em 14 anos ali, o preço do corte,tanto masculino como feminino é anunciado em R$ 25. Mas tudo depende de uma conversinha. Se o cliente souber pedir o valor cai pra R$ 18.

“Aqui cliente sai satisfeito, tem que sair não é? Meu público é gente que é cliente e quem está passando e resolve entrar também”, explica.

O cliente Manoel sai satisfeito. A cadeira de salão onde ele senta corta por R$ 10. O cliente Manoel sai satisfeito. A cadeira de salão onde ele senta corta por R$ 10.

Um assunto que muito interessa às mulheres e, principalmente porque fazer as unhas agora está o olho da cara, no Centro tem “achado” de casadinho por R$ 15 na Rui Barbosa. “Não tem nem dois meses que abrimos e tem vindo bastante gente, acho que é o preço que atrai” fala a manicure Grace, 25 anos.

Esperando pra fazer as unhas no salão Grace Mulher, as amigas Priscila Cavalcanti, de 27 anos e Anelise Cristaldo, de 33 são unânimes em declarar: pagam barato e saem satisfeitas. “Além de achar mais em conta é de qualidade” comenta.

Então homens e mulheres, na próxima ida ao Centro vale prestar atenção aos anúncios e chorar, porque é possível sim pagar barato e sair satisfeito.




Com certeza ficam todas todas muito satisfeitas, porem o salão que foi publicado não é o mesmo que foi publicado e sim na GRACE MULHER, nossas clientes são sempre bem vindas como também toda a população que tiver interesse em conhecer nosso trabalho estaremos sempre de portas abertas, pois nosso prazer é atender a todos muito bem. Nossa equipe se entristeceu com a reportagem pois usaram nossas clientes para divulgar nosso espaço de trabalho, ressaltamos que Priscila e Anelise são clientes acíduas do estabelecimento GRACE MULHER, e não o salão que foi mencionado na edição, estamos sempre abertos para a mídia mas desde que aja com verdades. Att. Sarah Grace
 
SARAH GRACE CURI em 13/08/2013 12:16:21
Gostei da Iniciativa é sempre bom ser bem atendido e pagar um preço baixo, afinal é uma coisa que precisamos fazer 2 vezes no mês cortar o cabelo, se for bem atendido e o corte bem feito...por que não voltar mais vezes??...eu tenho meu Cabeleireiro em casa..rsrs Meu namorado...
 
Roberto Fernandes em 13/08/2013 10:23:58
Particularmente acho uma sacanagem essa história de "chorar" para pagar menos. Não sou rica, mas gosto de pagar o preço justo pelas coisas que consumo e os serviços que uso - e entendo por "preço justo" o valor da mão de obra do trabalhador - e não apenas o que é justo para o meu bolso.
Entretanto, se o preço é alto demais ou até abusivo, parto pra outra. A concorrência existe para isso.
 
Mériele Oliveira Pereira em 13/08/2013 09:01:51
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.