A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

23/10/2013 06:12

Para fidelizar homens, salão aposta em revista de mulher pelada e futebol na TV

Paula Maciulevicius
Há quase 50 anos, salão usa como estratégia o futebol e as revistas. (Fotos: Marcos Ermínio)Há quase 50 anos, salão usa como estratégia o futebol e as revistas. (Fotos: Marcos Ermínio)

Um salão de beleza onde ninguém fala ao mesmo tempo. O secador de cabelos não está ligado e como trilha sonora, a televisão mostra os gols do final de semana. Na mesinha de centro, entre o jornal diário estão Playboy, VIP, Sexy e Placar. Com quase meio século, dois dos mais antigos salões de beleza têm escancarado o segredo do sucesso: souberam cativar o público masculino.

Veja Mais
Estilistas criam coleção especial para quem tem algum tipo de deficiência física
Referência em Medicina, cursinho abre inscrições para bolsas de até 100%

Na rua 14 de Julho, são 49 anos de Salão Caicó. Ele já esteve em dois endereços, primeiro em frente à praça Ari Coelho e hoje entre a 7 e a 15. O Lado B entra como quem não quer nada e a primeira coisa que ouve é a televisão ligada no futebol, o canal: Sport TV.

Das sete cadeiras de salão da frente, nenhuma é feminina. A decoração é das antigas em preto, sem nada de frufru. Os espelhos obedecem à ordem das poltronas, um de frente para o outro. De um lado, um cliente e um barbeiro batendo papo. No sofá os outros quatro profissionais contando vantagem.

José Rangel da Silva, de 47 anos, um dos três filhos que continuaram tocando o salão, já explica que não gosta de ser chamado de cabeleireiro. Sem jeito ele argumenta “não é que eu não gosto, mas barbeiro só atende a clientela masculina, então porque me chamar de cabeleireiro?”

Entre os jornais diários e revistas de notícias, VIP e Playboy estão meio 'escondidas'.Entre os jornais diários e revistas de notícias, VIP e Playboy estão meio 'escondidas'.

No Caicó, é ele e mais dois irmãos, Jaime e Marcelino, além dos dois barbeiros Donizete e Elizeu. Ao fundo, não é que tem espaço para atender mulheres também? Mas bem menor. Os barbeiros explicam que a irmã também seguiu o mesmo ramo e por conta disso, ganhou o espaço para as amigas.

“Mas aqui fica no futebol, lá fica na novela, Videoshow. Aqui Sport TV ou onde tiver jogo, às vezes canal de documentário”, completa Marcelino.

As revistas são como o cardápio da casa. De Veja, Isto É, Correio do Estado, até Playboy, VIP, Sexy e Placar. As compras ficam por conta de José, porque como o irmão explica, só ele consegue selecionar o que vai emplacar e o que pode encalhar. “O jornaleiro liga e avisa, chegou. Ele pergunta quem é a capa e fala, rapaz isso não dá ibope não”, entrega Marcelino. Careca, ele faz barba e cabelo, dos outros, há 46 anos.

E as fofocas não são luxo só do salão das mulheres não. Em plena terça-feira, tinha cliente botando o papo em dia. Produtor de vídeo, Cacildo Gimenez de 47 anos é o primeiro a dizer que o público é mesmo fiel. Ele é a prova viva disso.

No salão na Afonso Pena, revista masculina é exigência da clientela. No salão na Afonso Pena, revista masculina é exigência da clientela.

“Faz 30 anos que eu corto cabelo aqui. Do que a gente fala? Ah geral, sobre política, economia, futebol, assunto atualizado. Para chegar aqui tem que ter visto o Bom Dia Brasil. Nego tapado aqui não tem vez”, brinca.

No Caicó, o atendimento começa 8h e se encerra às 18h30. O corte de cabelo sai por R$ 25 e a barba, pelo mesmo preço.

Na avenida Afonso Pena, altura da igreja Perpétuo Socorro, entrar no salão São José é dar de cara com o futebol na televisão e com cliente folheando revista masculina. Na capa, nada de bombástico da novela e nem fofoca.

“Aqui é exigência, se não tiver o pessoal reclama”, diz o barbeiro Rodolfo Ruiz Franco, de 57 anos.

O salão ficou de herança para o barbeiro Alexandre Lopes Pereira. Ele só faz que sim com a cabeça quando a gente pergunta das revistas. “Tem Playboy escondida aí”, comenta Rodolfo.

No São José, o cabelo custa R$ 20 e a barba R$ 15. Com três barbeiros, inclusive Ronaldo, que é conhecido como ‘Tião’, o São José soube, assim como o Caicó, criar um salão para eles se sentirem em casa. Faltava só uma cervejinha.




Salão são josé top demais!! sempre com os três mosqueteiros alexandre, rodolfo e tião!! abraço
 
Marlon Barcelos em 26/10/2013 14:30:22
Meus filhos cortam desde pequenos, quanto prazer em conversar com estas humildes pessoas e principalmente de respeito, engraçado passamos por lá mesmo que em trânsito pela rua não deixamos de dar aquela bozinadinha, o salão Caico faz parte do cartão postal da 14 de julho bem como com certeza de Campo Grande, parabéns pela excelente pauta e Parabéns Caico Bravoooo (aplausos de pé).
 
Maria Oliveira em 23/10/2013 10:57:55
Bom...
frequento o Salão Caicó a pelo menos 30 anos, sempre atendido pelo Marcelino um profissional de alta qualidade e de fino tratamento, que hoje considero um amigo...por isso levo meu filho para cortar o cabelo com ele também.
Desejo de todo o coração muito sucesso a todos do salão Caicó lugar simples mas cativante.
Um grande abraço a todos.
 
Eduardo Rossetti em 23/10/2013 09:17:57
Eu posso dizer que o salão caicó faz parte da minha vida também pois corto o cabelo neste local desde os meus 10 anos hoje ainda corto, e o meu filho que tem 17 anos também so corta lá e com o Marcelo um dos filho.
 
Otavio Paes em 23/10/2013 09:15:01
Sou cliente da ala feminina do Caicó, o fundo comandado por Deusa e Dora. Tenho 28 anos e desde criança minha mãe nos levava lá, eu e minhas duas irmãs, para podar os cachos..kkkkk. Tenho um carinho enorme por todos os profissionais do salão e acredito que o segredo para a fidelidade dos clientes vai muito além do conteúdo das revistas e TV; é, principalmente, pela competência, educação e gentileza de todos... Um abração para a família, especialmente para dona Maria, a rainha do Caicó.
 
Laiana Horing Nantes em 23/10/2013 08:37:27
Sou cliente a mais de 15 anos do salão! lá é mais que um estabelecimento comercial, são meus amigos e quase minha família! É do tipo que sento na cadeira para cortar o cabelo e sem dizer nada, ele sabe como quero cortar e como vou cortar e nesses mais de 15 anos, sempre fui bem atendido! Posso dizer que o Salão faz parte da história de Campo Grande e da minha!
 
Thiago Ichioka em 23/10/2013 08:32:38
Sou cliente do Salão Caicó desde que nasci tenho hoje 37 anos e vi o salão sendo administrado por aquele senhor de chapéu de lampião e um molho de chaves pendurado no cós da sua calça usava um uniforme tipo safari muito bem alinhado e tinha como orgulho passar a profissão para os filhos, filha e até para alguns dos cunhados. Ele ainda era do tempo da navalha afiada no coro e não do navalhete(instrumento que se adapta uma gillete) tinha tantos amigos e clientes e criou uma história muito em nesta cidade como adotou sua cidade pois nasceu em Caicó-RN, mas trouxe a família para morar na cidade morena, nos deixando saudades depois do seu falecimento em 1992.Hoje quem administra o Caicó junto com os filhos é a Dona Maria Rangel esposa do Caicó, uma mulher guerreira que criou 10 filhos e 1 neto.
 
JOÃO HERRERA em 23/10/2013 07:01:29
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.