A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

19/03/2012 11:21

Redes crescem da noite para o dia graças ao consumo da classe C

Ângela Kempfer
Loja Farfalla do Centro, na esquina da 13 com a Barão do Rio Branco. Loja Farfalla do Centro, na esquina da 13 com a Barão do Rio Branco.

Em apenas dois anos a rede Farfalla conseguiu abrir 9 lojas em Campo Grande graças aos consumidores da classe C. Passou a vender roupas do tipo popular em lojas com um pouco de requinte. Foi o suficiente para fazer o comércio vingar.

Veja Mais
De super-herói a câmera analógica, presentes para nerds estão em alta
Oficina oferece de graça curso básico sobre veículos para mulheres

“É uma classe que mudou de mentalidade. Até então comprava só no tipo lojão do povo e passou a querer algo melhor”, avalia Ulisses Conceição Filho, diretor administrativo da empresa.

Depois de começar com venda de celulares, com 12 lojas hoje na cidade, ele expandiu o negócio da família para a moda. A fórmula que buscava era preço baixo com atendimento melhor em uma loja com decoração descolada, apesar de simples.

Ulisses, hoje com 54 anos, investiu na região Central, passou a alugar espaços em hipermercados e chegou ao Shopping Campo Grande na semana passada.

A maior parte da coleção vem de São Paulo, mas também há peças de fábricas aqui de Mato Grosso do Sul. No Centro, ao entrar em uma das lojas a gente vê secretárias em busca de casaquinhos, estudantes olhando peça por peça até encontrar o vestidinho perfeito para a balada e até mulheres mais velhas atrás de peças básicas.

Na vitrine, o chamariz são as promoções na base do R$ 9,99, R$ 19,99. “O que a gente quer é oferecer produto barato, com atendimento diferente dos que os lojões oferecem,para que o cliente não tenha nenhum arrependimento depois de comprar aqui”, diz Ulisses.

Sobre a expansão, ele recorre ao “o céu é limite”, assim como a Farfalla, borboleta ligeira que é nome e marca da loja. Com 80 empregos hoje, o plano em amadurecimento é de franquear a ideia. “Acho que é o caminho natural, já começamos a fazer o estudo”;

Maristela (de camisa jeans) conversa com um dos cabeleireiros da Morena Mulher.Maristela (de camisa jeans) conversa com um dos cabeleireiros da Morena Mulher.

Destino idêntico pode ser o da rede Morena Mulher. Apesar do nome bem campo-grandense, alguns empresários já procuram a proprietária para levar o salão de beleza para o interior do Estado. A empresa que começou pequena, com bronzeamento artificial, hoje tem 110 funcionários, emprega manicures, cabeleireiros, esteticistas e está até no Aeroporto Internacional de Campo Grande.

A dona, Maristela Sordi, é diretora da indústria Jumbitos, mesmo assim há 8 anos resolveu encarar um projeto pessoal. “Adorava aquelas máquinas de bronzeamento artificial e resolvi comprar uma.” Alugou prédio de 60 metros quadrados perto da Praça do Rádio Clube e por lá ficou 1 ano e meio, com uma manicure e um cabeleireiro.

O pulo do gato foi investir na propaganda, lembra Maristela. “Entendi que mesmo sendo pequenos, o cliente tem de acreditar que a gente é grande. Desse jeito, o salão começou a lotar e acabamos crescendo”.

A cada período de um ano e meio, em média, outra Morena Mulher surgia na cidade. Hoje há serviços na Rua Brilhante, na Antonio Maria Coelho, no Shopping Pátio Central e no Aeroporto.

“A dica é aproveitar o bom momento da economia e não deixar uma oportunidade de bom negócio passar, são oportunidades diárias. Abri na Brilhante, por exemplo, porque moro lá e percebi que não havia nada parecido. O empresário precisa de atitude e coragem”, aconselha.

Os preços não são de periferia, custa um pouco mais, mas a filosofia é a mesma da Farfalla, atrair a classe C com vários serviços em um local estruturado. Pé e mão, aos finais de semana, saem por 26 reais e o corte custa 40 reais e assim as lojas da rede vivem cheias com 10 mil atendimentos mensais.

Dividida entre a fábrica de salgadinhos e o salão de beleza, aos 45 anos, com dois filhos, Maristela parece realizada. “estou acostumada a trabalhar muito e quanto mais me dedico à indústria, mais aprende e mais eficiente fico no salão”.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.