A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

19/10/2016 13:00

Arquiteturas paulista e carioca formaram identidade urbana de Campo Grande

Ângelo Arruda
Vista aérea do Parque dos Poderes.Vista aérea do Parque dos Poderes.

Nos anos 1970, a cidade de Campo Grande, já com mais de 130 mil habitantes, continuava apresentando altas taxas de crescimento demográfico. A riqueza econômica do sul do Estado de Mato Grosso, com a modernização da agricultura e da pecuária em curso, contribui para a continuidade da verticalização da cidade.

Veja Mais
Um ano de conversa sobre Campo Grande e muitas experiências novas
O 1º Plano Urbanístico de Campo Grande veio há 80 anos, com Eduardo Olímpio

Dessa vez são as incorporações dos edifícios da empresa Construmat Engenharia Ltda, cujos projetos, em sua grande maioria, foram elaborados pelos Arquitetos Celso Costa e Eudes Costa tais como os edifícios Gemini, Concorde, Polaris, Vanguard e Apolo, todos com 12 ou mais pavimentos.

O escritório Celso e Eudes Arquitetos Associados projeta, ainda nessa década, outros edifícios importantes, sendo um deles o Hospital da Santa Casa de Misericórdia, com 600 leitos, o maior da região Centro-Oeste, além do Hospital Pró-Matre e as sedes das instituições de ensino da Moderna Associação Campo-grandense de Ensino – Mace e o Centro de Ensino Superior Prof. Plínio Mendes dos Santos – Cesup, atual Uniderp, estes últimos, edifícios de planta circular.

A arquitetura local ainda tem obras projetadas por arquitetos residentes em outros Estados do país, destacando-se o Edifício Sede do INSS, projetado em 1970 por Carlos Henrique de Oliveira Porto; o Colégio Joaquim Murtinho de Nilson Azevedo e Gustavo Arruda, de 1971; o Edifício das Repartições Públicas Estaduais – Erpe , atual Fórum da Comarca de Campo Grande , de Luís Paulo Conde e Flávio Marinho Rego, de 1972; a residência de Roberto Nachif, de Siegbert Zanetinni; a residência de Antônio Barbosa de Souza de João Batista Vilanova Artigas; o edifício de escritório das Centrais Elétricas de Mato Grosso onde funciona hoje o Museu de Arte Contemporânea, de Eurico Prado Lopes; os Edifícios Antares e Cosmos, de João Carlos Bross e Ricardo Leitner, todos de 1974, e a sede do Unibanco , projetada por Sidônio Porto, em 1978.
São ainda dessa década os projetos do Paço Municipal de Campo Grande , com a sede da Prefeitura e da Câmara de Vereadores , projetados por Ciríaco Maymone Filho em 1971; a Capela do Hospital São Julião, de Jurandir Santana Nogueira , de 1972; a agência central da Caixa Econômica Federal , de Hélio Baís Martins, de 1973 , a residência de Arnaldino da Silva, por ele projetada em 1976 e o Edifício General Etchengoyen, de Jurandir Santana Nogueira, profissionais residentes na cidade.

A arquitetura moderna já estava presente na cidade e em seus edifícios, projetados por arquitetos da cidade ou residentes em outros lugares. Com a difusão da arquitetura moderna, de origem paulista ou carioca, vai se formando a nova identidade da cidade que estava prestes a se transformar em capital do mais novo Estado brasileiro, Mato Grosso do Sul, criado em 1977 e instalado o governo em 1979.

A divisão do Estado de Mato Grosso alterou as relações econômicas, sociais e culturais da nova capital, Campo Grande. A atração pelo novo Estado, a riqueza oriunda da soja e do gado bovino, o centro do poder político estadual e a localização estratégica em relação a São Paulo trouxeram mudanças nas relações empresariais locais atraindo migrantes de todas as partes do país.

No Parque dos Poderes, centro político e administrativo do Estado, situado no setor leste da cidade, dentro de uma reserva ecológica com área de mais de 200 hectares, encontra-se um conjunto de edifícios públicos do ano de 1982, todos projetados por arquitetos locais: os blocos de Secretarias de Estado, de Alex Maymone da Silva e Jesus Edmir Escalante Ribeiro; a Assembleia Legislativa e o Tribunal de Justiça, de Jurandir Nogueira, Ângelo Marcos Arruda e Aldo Matsuda; o Centro de Convenções, de Rubens Gil de Camillo , Ricardo de Mello Spengler e equipe; o Clube dos Servidores Estaduais, de Sérgio Ferreira dos Santos, Deise Pavani e Osvaldo Siqueira Jr.; a Academia de Polícia , de Fayez José Rizk, Lauro Veloso Malaquias e Valter Cortez, além de uma obra não iniciada - a sede da Governadoria, de Lauro Malaquias, Fayez Rizk e Válter Cortez e o Tribunal de Contas, de Alex Maymone da Silva e Jesus Edmir Escalante Ribeiro.

Parque das Nações Indígenas.Parque das Nações Indígenas.

A cidade, como capital do novo Estado, desenvolveu-se numa grande velocidade. A população dobrou de uma década para a outra atingindo mais de 280 mil habitantes em 1980, e apresentando fluxo migratório interno e externo intenso, aumentando a pressão no setor habitacional e nos serviços públicos.

Com o crescimento econômico e populacional e a expansão do sistema bancário nacional, a cidade atraiu capitais financeiros e, nessa década, diversas instituições construíram suas agências, todas projetadas por escritórios de outros Estados, principalmente das cidades de São Paulo e Rio de Janeiro. São obras de arquitetura moderna, quase todas de expressão brutalista, com uso intenso de concreto aparente e vidro.

Em 1987, iniciam-se as obras do Shopping Center Campo Grande - do Grupo Ecisa, projeto do escritório Coutinho, Diégues & Cordeiro e a Avenida Afonso Pena, na sua parte mais leste, ganha um grande impulso comercial e urbanístico.

O crescimento descontrolado, provocado pelo crescimento, força a administração, em 1987, a criar a Unidade de Planejamento Urbano de Campo Grande - Planurb e o Conselho Municipal de Desenvolvimento Urbano - CMDU, órgãos que passaram a elaborar novas normas e discutir as propostas urbanísticas e arquitetônicas para a cidade.

A partir da segunda metade da década de 80, surgem as estruturas e os revestimentos metálicos na arquitetura da cidade, sinal da chegada da nova modernidade, com uso de materiais de alta tecnologia. Mas essa também foi a década da produção da habitação popular horizontal e vertical devido às facilidades de financiamentos para o setor público e privado, o que beneficiou as famílias de renda média e baixa. Mais de 5.000 unidades residenciais foram construídas entre 1984 e 1990, através de sistemas de crédito, entretanto com poucas soluções arquitetônicas criativas.

Nos anos 90, a cidade já com 518 mil habitantes, ocorre diminuição das taxas de crescimento econômico e populacional de Campo Grande para 2% ao ano provocada pela desaceleração do desenvolvimento econômico ocorrido em meados da década anterior. O setor público, principalmente o estadual e municipal, grande empreendedor da arquitetura campo-grandense, passa a adotar uma política de desenvolvimento de arquitetura dos parques, praças, jardins e urbanização de avenidas, bem como alguns projetos arquitetônicos isolados.

Quanto aos parques e praças cabe destacar o maior de todos, o Parque das Nações Indígenas, localizado entre as Avenidas Mato Grosso e Afonso Pena , com mais de 119 hectares de área , dentro do perímetro urbano. Seu Plano Diretor de Ocupação foi elaborado pelo Escritório Arquitetura A3, que também fez a revitalização da Praça Ary Coelho e o conjunto arquitetônico interior abriga os projetos do Museu de Arte Moderna, de Emmanuel de Oliveira; a Concha Acústica, de Ronaldo Gondim e Mário Sérgio Sobral Costa ; o Restaurante do Parque, da Arquitetura A3; o Museu do Índio e de História Natural , de Eduardo Fachini e Élvio Garabini, além da sede da Polícia Florestal, de Rubens Fernando de Camillo e a sede Administrativa, de Jesus Edmir Escalante Ribeiro.

Horto Florestal.Horto Florestal.

O Parque Florestal Antonio Albuquerque, conhecido como Horto Florestal de Campo Grande - obra de urbanização e de paisagismo do espaço urbano onde José Antônio Pereira, em 1872, construiu seu rancho ao chegar em terras de Campo Grande - de autoria de Élvio Araújo Garabini, é um dos mais importantes da cidade tanto pela localização quanto pelo sítio histórico.

Os elementos simbólicos em forma de “Y“ usados nas peças de tijolo aparente em pórticos , representam a junção dos córregos Prosa com o Segredo, surgindo um terceiro, o Anhanduizinho.

Palácio Popular da Cultura.Palácio Popular da Cultura.

Ao tempo em que praças e parques ganhavam espaço na paisagem, o Governo do Estado edificava duas importantes obras de arquitetura na década de 90: o Palácio Popular da Cultura (Foto 28), antigo Centro de Convenções e a sede da Rádio e Televisão Educativa do Estado, a TVE/MS, ambas localizadas no Parque dos Poderes.

A primeira, de autoria de Rubens Gil de Camillo e equipe, é projeto dos anos 80. A obra foi paralisada em 1982 e retomada em 1992. É um projeto que usa amplos espaços fluídos, cercado pela vegetação da reserva florestal que entorna o Parque dos Poderes e emprega o concreto aparente em todas as fachadas. O programa inicial foi alterado para atender a nova demanda de um Centro de Convenções. Com isso, o projeto foi modificado sem perder as características arquitetônicas originais.

A segunda obra é um projeto de adaptação de uma estrutura originalmente destinada a um ginásio de esportes para os servidores públicos estaduais, dos arquitetos pernambucanos Roberto Montezuma, Kátia Avelar e Glícia Fernandes. Sua torre de alvenaria armada autoportante, com quase 100 metros de altura, explorando um desenho de cheios e vazios necessários ao projeto estrutural , foi calculada pelo engenheiro Ariel Valmaggia e edificada utilizando-se a técnica construtiva empregada pelo engenheiro uruguaio Eládio Dieste, e é hoje um marco da arquitetura local.

Avenida Afonso Pena.Avenida Afonso Pena.

Diversos edifícios de arquitetura moderna e contemporânea foram erguidos no século XX em Campo Grande, em função de diversos fatores, especialmente após a sua condição de capital do novo Estado de Mato Grosso do Sul, a fronteira econômica pujante, a chegada de novos arquitetos e a diplomação de outros pelos cursos de arquitetura e urbanismo que se formaram por aqui.

A coleção de obras é imensa e retrata a nossa inserção nacional em todos os momentos, não apenas na arquitetura histórica, como retrata este texto mas, especialmente, a arquitetura voltada para novos programas como os comerciais e os de lazer.

A Avenida Afonso Pena, nosso cartão postal maior, detentora de um traçado que liga o leste ao oeste da cidade, do Parque dos Poderes ao Aeroporto, se mantém como nosso mais importante espaço urbano, nesses mais de 100 anos de sua existência e junto com ela, a força de novos empreendimentos residenciais e comerciais e outros institucionais, como o Aquário do Pantanal, obra do arquiteto Ruy Ohtake, que até o presente momento não foi concluída, mas que marca e registra um novo capítulo dessa arquitetura de Campo Grande, tão completa em estilos e carregada de importantes signos de memória que aqui registradas, comemorando mais um aniversário de sua emancipação.

Parabéns Campo Grande!




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.