A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

07/04/2015 06:34

Adolescente cria canal de pegadinhas na cidade e sonha com sucesso na comédia

Elverson Cardozo
Diogo em ação. (Foto: Marcos Ermínio)Diogo em ação. (Foto: Marcos Ermínio)

Diogo Marques de Lima sempre se deu bem com a câmera. Aos 9, o menino já fazia registros caseiros com o celular da mãe, a empresária Celina Conceição Marques, 49. Aos 11, de tanto encher o saco, ganhou dela a primeira filmadora compacta. Dois anos depois, começou reproduzir e a produzir vídeos exclusivos para a internet. Hoje, aos 14, comemora a conquista de quase 10 mil inscritos no canal “Sem Noção”, de pegadinhas gravadas por ele em Campo Grande.

Veja Mais
"Toma aqui uns 50 reais", Naiara Azevedo abre fim de semana eclético
Ludmilla é uma fofa e mostra o que o funk pode ensinar ao nosso sertanejo

Estudante do primeiro ano do Ensino Médio em uma escola estadual do bairro Moreninha II, um dos mais populosos da cidade, Diogo faz de tudo para chamar a atenção, conquistar espaço na rede e obter retorno financeiro com isso.

Nessa empreitada vale cumprir desafios sugeridos por internautas, como comer pimenta com sal, tentar engolir a maior quantidade de bolacha seca, falar com a boca cheia de farofa, ser queimado por vela e, inclusive, brincar com desconhecidos no meio da rua.

Inspirado em canais americanos e brasileiros, como o “Boom”, que faz sucesso no Youtube com mais de 2 mil inscritos, ele também resolveu apostar nas pegadinhas. Começou fazendo isso no próprio bairro, há seis meses.

Em dos primeiros vídeos gravados, que se tornou o mais acessado até hoje, com mais de 26 mil views, ele imita um gago e pede informações cantando. Em outro, cheira estranhos. Também tem um em que surge varrendo a rua, dançando, e interrompendo o trânsito, deixando os motoristas sem reação aparente.

Pegadinha com motorista na rua. (Foto: Reprodução/Youtube)Pegadinha com motorista na rua. (Foto: Reprodução/Youtube)

De tanto “aprontar”, o garoto conquistou certa popularidade entre algumas pessoas da região onde mora e, por isso, não consegue mais fazer vídeos sem ser reconhecido. Das últimas vezes, por exemplo, teve de gravar em um shopping, escondido, é claro.

A verdade é que nem todo mundo acha graça das pegadinhas, desafios ou piadas feitas por ele, até porque algumas são bem manjadas. Assim como há elogios, as críticas também estão presentes nos comentários. Mas o engajamento do estudante, que é apenas um adolescente, chama atenção.

Em apenas seis meses, ele conquistou fãs de várias cidades, produziu mais de 10 vídeos e conseguiu atingir aproximadamente 300 mil visualizações. E alcançou isso fazendo tudo “na raça”. A captação de áudio, por exemplo, exige uma gambiarra daquelas. O som é gravado com um celular, que fica no bolso. Só depois é sincronizado ao vídeo por meio de um programa de edição.

Parceiro - Diogo é quem aparece nos registros. Como bom “cara de pau”, chega sozinho e aborda qualquer pessoa. Mas nada seria possível sem o parceiro, praticamente um cúmplice, o primo Lucas Marques Fuzzr, de 13 anos, que mora próximo e o ajuda na produção.

Com o parceiro de todas as horas, o primo Lucas. (Foto: Marcos Ermínio)Com o parceiro de todas as horas, o primo Lucas. (Foto: Marcos Ermínio)

Nas “locações”, o menino fica de cameraman, controlando, com muita discrição, sempre de longe, a filmadora compacta que o adolescente ganhou da mãe. Juntos, os dois pintam e bordam. “O dia mais difícil foi no shopping. Mandaram a gente guardar a câmera porque não podia”, relembra.

Profissão - Dá trabalho bolar o “plano perfeito”, produzir e editar, mas compensa porque a diversão é garantida. O canal, no entanto, é sério, destacam. “Encaro como profissão. Não é à toa. [...] Quero ser comediante, trabalhar com essas coisas”, afirma Diogo, ao dizer que quer fazer algum curso na área de comunicação, Jornalismo ou Rádio e TV.

Celina Conceição confirma que o filho costuma dizer isso: “Ele fala: mãe, é meu serviço. Serviço. Ele se arruma, falta pôr gravata para sair. Diz que é serviço, trabalho. O outro [primo] vem todo arrumadinho para ir trabalhar”.

O irmão do meio, Dyoni Marques, de 19 anos, reforça: “Ele encara isso como emprego mesmo. Acha que vai ganhar o dinheiro dele com o canal, com as visualizações”. Acha não. O "Sem Noção", por mais sem noção que seja, já está dando retorno ao adolescente.

Dupla se diverte, mas garante que leva o canal a sério. (Foto: Marcos Ermínio)Dupla se diverte, mas garante que leva o canal a sério. (Foto: Marcos Ermínio)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.