A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

20/05/2013 07:06

Afonso Pena ganha um novo ponto de "muvuca" nos fins de semana

Anny Malagolini
Estacionamento de loja de móveis virou ponto de disputa de som.Estacionamento de loja de móveis virou ponto de disputa de som.

Na batalha entre sons automotivos, o funk, o sertanejo e o pagode animam os 100 metros da calçada da avenida Afonso Pena, entre a rua Rio Grande do Sul e a travessa Ana Vani. É o novo ponto da muvuca nas noites de Campo Grande.

Veja Mais
Begèt de Lucena e Mari Depieri são as vozes do Som da Concha de hoje
Festival de Artes começa com público fraco, mas tem vocação para ser resistência

O número de frequentadores dobrou desde março, depois que um carro foi incendiado durante a aglomeração no mirante do Aeroporto e o policiamento teve que ser reforçado. A segurança chegou e espantou quem gosta de ligar o som do carro no volume máximo, ou gastar pneu da moto dando “zerinho”.

Sempre houve um número considerável de pessoas na conveniência "Cerv Já", na esquina da Rio Grande do Sul. Mas agora a “balada” cresceu do outro lado do canteiro, nos estacionamentos de lojas de móveis. A aglomeração na calçada começa cedo, a partir das 20 horas surgem os carros e as motos, que logo vão subindo pela calçada.

Com tantos carros com som alto, o que fica difícil é conseguir saber o que se está tocando. Mas isso é o de menos, até a famosa “Dança do Passinho” tem vez.

Fabiano, de 19 anos e a namorada Jéssica, de 16 anos, começaram a frequentar o lugar há três semanas. Ver o movimento da cidade, na principal avenida, é o que os atrai para a “muvuca”, explica Fabiano. “Aqui em Campo Grande falta lugar, então aqui se tornou a festa de todo fim de semana, que só termina quando o dia amanhece”.

A secretária Sônia Duarte, de 35 anos, levou a filha de 17 anos, Evelyn Duarte, para a balada popular. Moradora do Estrela do Sul, ela conta que frequenta o lugar por causa dos amigos do bairro, que todos os fins de semana aparecem por lá. “Aqui é um encontro de amigos, sem baixaria, sem briga e barato”.

O técnico de ar condicionado, Antônio Carlos, de 38 anos, e a esposa Meyre de Paula, de 30 anos, engrossaram a festa depois que o som no mirante do Aeroporto foi censurado.  “Não viemos pela bagunça, mas sim pela disputa de som”, conta ele.

“Campo Grande é tão grande que falta lugar”, brinca o instalador de som automotivo Carlos Ferreira, de 23 anos. Para ele, o tumulto em uma das principais avenidas da cidade é resposta à falta de entretenimento de graça na Capital, principalmente para quem gosta de disputa de som automotivo.

Segundo João, são os “titanzeiros” - motociclistas com motos de baixa cilindragem, os responsáveis pela má fama do local. “O tintanzeiros são o grande problema”, reforça ao ver algumas motos em manobras do tipo "cavalinho de pau".

Para o estudante Mário Márcio, de 23 anos, o sucesso do ponto é resultado do baixo custo.“Os frequentadores daqui são pessoas mais humildes, que não têm condição para bancar uma noite nesses bares vizinhos, podemos trazer a cerveja de casa”.

Na sexta-feira, por volta das 23h30 três policiais chegaram ao local e a dispersão dos veículos foi instantânea. Os frequentadores seguiram rumo aos altos da Afonso Pena.

Uma reclamação frequente dos comerciantes é que no dia seguinte têm de aguentar a sujeira e o odor de urina de quem passou a madrugada bebendo e fez da frente da loja o banheiro.




É falta de cultura sim. Não é que só ignorante vai gostar desse ou daquele estilo musical, mas a ignorância anda de mãos dadas com a maldade, promove o egoísmo e afasta a empatia. Ocorre que os ignorantes elegem um estilo e o usam como demonstrado na reportagem, tornando-o um representativo da ignorância.

Também não cabe dizer que os jovens de hoje tem o direito de fazer essa muvuca porque os de antigamente faziam. A sociedade e o homem evoluem, comportamentos errados devem ser combatidos e não ultrapassar gerações. Vale lembrar que muitas condutas criminosas já foram regras aceitáveis e até estimuladas.

Aproveitando, deve ter muita gente usando bolsa família para comprar som automotivo sim, porque todo mundo sabe que há abusos, além do que alguns preferem farrear a alimentar os filhos.
 
Guilherme Arakaki em 22/05/2013 09:15:17
Concordo na íntegra, com os colegas leitores Glauber, Igor e Guilherme.
Esse povo que gosta de fazer zueira, com certeza não acordam cedo, não possuem trabalho que exige muita responsabilidade, não praticam esporte efetivamente, não fizeram um BOM curso universitário, caso façam algum curso deve ser nessas faculdades que são aprovados só em passar na porta. Com certeza não curtem uma boa peça teatral, um bom musical, uma BOA música, uma boa viagem e bons amigos.
Guilherme, penso como você e estou longe de ser idosa, mas tive uma boa educação em CASA, estudei em boa escola e excelente universidade. Aprendi respeitar o próximo em todos os aspectos. Sou muito lúcida, não faço uso de nenhum tipo de droga lícita ou ilícita, ou seja não uso moleta, para descarregar problemas.
 
Neyde de Oliveira em 21/05/2013 08:59:23
Não vou proteger, muito menos acusar alguém, mais como assim falta de cultura? Eu só digo que a cultura seja ela qual for é válida e quem acha que a sua é a única correta já está no engano e vive em um mundo abitolado, por isso existem centenas de estilos musicais, de roupas e outros afins, cada ser deve se colocar no seu lugar. No entanto concordo que não é um lugar apropriado e oque custaria estudar uma forma de disponibilizar um local pra esse tipo de "balada" e digo aos outros amigos que se eles acham que apenas os favorecidos por programas familiares estão ali presentes, menos um ponto pois quem monta som pra competição meu camarada não vive de bolsa família então antes de dizer algo estude sobre o assunto e saiba observar o ponto de vista contrário.
 
Yan Corrêa de Oliveira em 21/05/2013 05:15:29
olha, a explicação pra esse tipo de gente é isso, se divertir com custo baixo, isso é uma vergonha, pra trabalha é um gatinho agora pra fazer arruaça é um leão. avenida que todos utiliza pra deslocamento a suas casas está sendo tomada por quem não tem compromisso com ninguém, quer escutar som coloca a ouvido no auto falante e liga no ultimo e escuta só vcs. ninguém é obrigado a ouvir o que vcs querem!!!!!para de dar trabalho pro moradores dessa regiao e vai trabalhar e ser no futuro um pai de familia decente e exemplar!!!!
 
joao da silva em 20/05/2013 22:54:04
A questão é que fazem o que querem e como querem, e " se "...veja bem..." se " a policia faz algo, dai vem os hipocritas e demagogos questionar o trabalho da policia. Mas como na minha opnião, nós cidadões de bem, que não dependemos de " mezadinha " do governo, vamos nos trancando em casa e virando reféns. Hoje todas as policias buscam seu aumento de salário, ótimo, é direito deles. Mas greve? E como ficamos nós? Trancados em casa? Vivendo com medo? Com essas arruaças? São muitos fatores a se discutir nesta matéria. E como fica a bebida consumida por menores? Os bebados ao volante? Como ficam as infrações a lei do silêncio? a baderna armada na porta dos edificios e comercios? Em Campo Grande a noite as pessoas se trancam em casa para os ZUMBIS sairem a rua...pena, uma cidade tão linda.....
 
Marco Antonio em 20/05/2013 22:38:36
Complementando meu comentario anterior: como esse local pode ser um encontro de amigos, sem baixaria, se estao desrespeitando todos os moradores que moram ao redor do local.
Vcs que se encontram nesse local, ou nos altos da Afonso Pena, gostariam que esse aglomerado de pessoas bebendo, dirigindo de forma a colocar em risco pessoas que passam pelo local e o som alto fosse na frente de suas residencias?
Querem reunir entre amigos, reunam sem incomodar os demais cidadaos, sem beber e dirigir, reunam de forma saudavel.
Como alguem pode encontrar para disputar som no meio da cidade, durante toda a madrugada. Vcs nao pensam no proximo? Amar o proximo, significa respeitar, trata-lo da forma que gostaria de ser tratado.
 
Joao Paulo em 20/05/2013 21:50:14
É por essas e outras que eu não gosto de pobre!
 
Paulo Botelho Pinto em 20/05/2013 21:48:39
Agora cometer: contravençao de perturbacao ao sossego alheio; sujar a cidade; grave crime de beber e dirigir passou a ser chamado de "balada popular"? Estamos sim frente a uma barbarie. Os cidadaos que trabalham duro a semana toda tem o direito de dormir e repousar, seja onde for sua residencia. Quem quer ouvir som, independente do horario, ouça para si e nao coloque para o quarteirao inteiro. Som alto é crime para quem ainda nao sabe. O som de veiculos nao tem que entrar na intimidade do lar de pessoa alguma, isso é retroagir. Precisamos avançar, respeitarmos uns aos outros. O que vc nao quer para vc nao faça ao seu próximo.
 
Joao Paulo em 20/05/2013 21:39:49
francamente, uma mãe de 35 levar a filha de 17, que futuro espera por esses jovens?
 
Helio Gonçalves em 20/05/2013 21:38:17
Total falta de senso! em meu bairro tem um djzinho que sempre coloca som super alto! e toda vez eu ligo para a polícia, demora um pouco, abaixam o volumo do som, se pelo menos colocassem musica de verdade, mas não colocam umas poluição sonora insuportável!

Como disse o Glauber...

No Brasil, a contra-cultura estimulada pelas novelas e os programas de massa continuam ditando as regras e estimulando as pessoas a se distanciarem cada vez mais de qualquer senso crítico. Vida de gado.
 
Etiene mendonça em 20/05/2013 21:32:26
Isso é falta de polícia e fiscalização. A lei coibindo existe, o que falta é vontade política para disciplinar quem está fora do que preconiza à legislação. Então a culpa é do Governo e seus Secretários responsáveis pela manutenção da ordem pública visando o bem comum.
 
valter oliveira em 20/05/2013 21:20:56
NÃO ADIANTA REPRIMIR, ESSE PESSOAL SEMPRE VÃO ACHAR UM LOCAL PARA OUVIR SUAS MÚSICAS DE QUINTA CATEGORIA, E INCOMODAR OS CIDADÃOS DE BEM. NA HORA DE SE DIVERTIREM NÃO TEM DINHEIRO NÃO TEM ESPAÇO ADEQUADO É A BALELA DE SEMPRE.
 
odilon matias em 20/05/2013 21:18:47
Acho qengraçado que fizeramo auê todo no mirante..em frente o mirante só tem o aeroporto!!! Não mora ninguém! Atrás só tem mato, do outro lado da avenida!! Bem diferente desse novo point onde moram pessoas, existem prédios..inclusive nessa mesma quadra existem apartamentos de mais de 2milhoes de reais! As pessoas pagam IPTU caro pra ter essa baderna? E ainda prejudica o comércio que fica too sujo no outro dia. Mas o mirante, assim como as praças DEVE|RIAM SER ESPAÇOS PÚBLICOS! onde justamente as pessoas pudessem ir se divertir. Seja de dia, ou de noite. Se dirigem bebados depois a policia que vá atrás ..mas na rua! Não se deveria proibir o povo de ficar nas praças
 
Alexande da Rosa em 20/05/2013 21:01:41
concordo com o guilherme arakaki, quero ver ir fazer de frente seu estabelecimento se ia gostar, e tem gente que não tem bom senso ainda mais em campo grande que e cheio de pessoas inconsequentes. acho que nunca chegaremos aos bons exemplos do exterior.
 
anderson leite dos santos em 20/05/2013 20:05:50
As pessoas confundem direito e lazer com abuso do direito e contravenção (ou até crime). O sujeito acha que tudo que ele gosta é permitido e, porque a cidade não tem estrutura para suportar o hobby dele, pode fazer de qualquer jeito, mesmo que seja uma contravenção penal ou crime ambiental.

Essas "pessoas" acham essa "muvuca" boa, divertida e azar dos "rabugentos que se incomodam à toa", mas experimente fazer isso regularmente na frente das casas delas...

Tem gente que vai ler isso e rir, me xingar, dizer que sou velho, careta ou infeliz. Para essas pessoas, eu digo que o problema está crescendo tanto que ainda vai atingir também a elas. Quando isso acontecer, lembre-se, é só som alto seu velho rabugento e mal-amado, quer dormir à noite? Mude-se para uma chácara.
 
Guilherme Arakaki em 20/05/2013 18:01:57
Falou tudo Glauber
e citando a própria reportagem: "Para o estudante Mário Márcio, de 23 anos, o sucesso do ponto é resultado do baixo custo.“Os frequentadores daqui são pessoas mais humildes, que não têm condição para bancar uma noite nesses bares vizinhos, podemos trazer a cerveja de casa”."

a mas pra encher o carro de som e e por gasolina pra ir tocar funk e outras coisas de madrugada tem dinheiro né

francamente
 
igor Guimarães em 20/05/2013 17:29:16
Fato1:

Quanto melhor o equipamento de som, pior a música.
Quanto menor a cultura do povo, pior a música e maior a violência e a baixaria.

Fato2:

Com certeza muitos estão ali gastando o MEU e o SEU dinheiro (impostos), repassados pelo Estado, através de programas de renda populistas e eleitoreiros.
Esse povo que gasta uma fortuna com cachaça e som de carro, é o mesmo que reclama da falta de dinheiro para comprar remédio ou para investir em estudo, cultura etc. Enquanto tudo continuar sendo "dado" pelo Governo, conquistar algo com esforço e trabalho nunca será valorizado.

Fato3:

No Brasil, a contra-cultura estimulada pelas novelas e os programas de massa continuam ditando as regras e estimulando as pessoas a se distanciarem cada vez mais de qualquer senso crítico. Vida de gado.
 
Glauber S Rodrigues Martelli em 20/05/2013 11:29:13
Realmente é uma muvuca, porque moro no 20º andar de um prédio nas imediações e a barulheira é insuportável. Final de semana é sem dormir, porque é infernal a altura do som dos carros, gritaria. Já passou da hora das autoridades tomarem uma providência, não é porque a rua é pública, educação é para todos. Cadê a "Lei do Silêncio" porque está insuportável essa baderna.Muvuca e seja lá o nome que derem, vão fazer isso bem longe, onde incomode ninguém.
 
Maria Izildinha Fernandes em 20/05/2013 10:14:33
Tem que ter um lugar onde esse pessoal possa ir se divertir. Não vejo problema em ficarem no aeroporto desde que não fechem a pista de rolagem. Quem condena isso hoje são os mesmos que ficavam no paço municipal nos anos 80 incomodando quem queria dormir na vizinhança. Largem de serem hipócritas. É só arrumar um lugar onde não hajam residências de preferência com infra-estrutura pra moçada se divertir. Deixem eles serem jovem como nós fomos um dia.
 
Carlos Roberto em 20/05/2013 10:11:53
O que mais impressiona não é a aglomeração do povão, e, sim, que fica na avenida mais movimentada de CG, e a polícia vai esperar morrer alguem pra tomar uma atitude!
 
Francisco Oliveira em 20/05/2013 09:23:33
Eu sou contra qualquer tipo de aglomeração de pessoas tomando esse tipo de atitude, moro próximo dos altos da Afonso Pena e para eu chegar em casa tenho que desviar o caminho, por uma caminho muito mais longo para poder chegar em casa, sem contar a bagunça que deixam no outro dia, ja cheguei de ligar para policia era 1:00 da manhã e nada de acabarem com a bagunça por lá, o som dos carros estava incomodando dentro do quarto.
Acho que falta fiscalização da policia, e o consumo de bebidas alcoólicas é visível nesses lugares, mas os policiais só vão com o bafômetro em lugares como bares e festas e esquecem que os que mais querem bagunça se encontram nesses lugares, "altos da afonso Pena e no citado pela reportagem"... portanto o que aconteceu no mirante pode acontecer nesses lugares também!
 
Marcos Vinicius em 20/05/2013 08:51:50
Conforme a última linha do segundo parágrafo... e a turma "DÁ O ZERINHO MESMO?" TUDO MUNDO DÁ O ZERINHO? VOU LÁ PRA GANHAR UM.... POIS GOSTO MUITO DE UM ZERINHO BEM NOVO MESMO RSRSRSRSR
 
Gilson Giordano em 20/05/2013 08:32:09
Ainda bem que no mirante no aeroporto, por enquanto, não tem mais esse tipo de coisa ( barulho , bagunça, musica lixo, drogas e adolescentes se prostituindo) . É incrível como o ser humano se identifica tanto com o que lhe faz mal.
 
carlos alberto em 20/05/2013 08:31:45
Ja passei por isso, sei como é ..... Na segunda, a gente tinha q chegar na loja e encarar faxina, pq a frente estava imunda e fedida. Ai a galera migrou pra outros lugares......eles acabam mudando, é só uma questão de tempo ......o duro é aguentar.....
 
Catia Aparecida em 20/05/2013 08:17:26
“Não viemos pela bagunça, mas sim pela disputa de som” ????????? Ô SR. ANTÔNIO CARLOS, o senhor é um fanfarrão! Vai disputar som na calçada da sua casa, não na frente da casa dos outros. Esse povo perdeu a noção completa do que é bagunça. E falta de lugar é o que não tem, o município de Campo Grande tem mais de 8.000km², vão lá pro meio do mato bagunçar, ou melhor, pro estacionamento do autódromo. Ou não vão por que lá não tem ninguém pra ver essa palhaçada? Não tem ninguém pra incomodar? Se não tivesse esse som alto desnecessário, pessoal tirando racha e fazendo manobras e marmanjo urinando na rua, estaria tudo em paz e esse pessoal teria razão de reclamar de falta de opções de lazer. Mas querem é botar som alto, queimar pneu, beber e dirigir, urinar na rua... aí não dá, tenham bom senso!
 
Paulo Medeiros em 20/05/2013 08:07:41
Isso que a Ciptran fica ali do lado. Isso é uma vergonha. Baderneiros. Passar ali dá até medo. O público é muito diferente do público dos altos da Afonso Pena. Disputa de Som? Isso é ridículo, não dá nem pra escutar nada ali. Quando tem jogo até a avenida eles fecham. Já fecharam essa conveniência uma vez, está na hora das autoridades fecharem novamente.
 
Rafael Santos em 20/05/2013 08:06:54
Bom dia!!!
A avenida Afonso Pena, desde de a sua prolongação, sempre foi palco de encontro "aglomeração" dos campograndensses, mas enquanto era frequentada por por jovens integrantes da "nata" campograndensse, que desfilavam com suas namoradas nuas em cima de suas motos e camionetes, tiravam rachas e coisas mais, as autoridades não viam como um problema, por que era filho de FULANO, de BERTANO. Temos que ver que o espaço pode ser pra todos, as pessoas não se divertem como hà tempos atrás por conta da desigualdade.
Temos que estravasar nosso estresse com diversão, se temos uma sociedade estressada, só teremos complicações. Nossos jovens estão se enclausurando em casas com amigos para usarem drogas, pois é elas, que eles acham que os relacham e aliviam do estresse.
 
giorley santos em 20/05/2013 07:48:13
Infelizmente os jovens campograndenses, salvo aqueles que tiveram uma boa base educacional em casa, com isso quero dizer que Pais (das mais variadas classes sociais) se dedicaram a realmente educar aos seus filhos, os demais, simplesmente desconhecem do que seja civilidade ou mesmo respeito ao próximo e ao seu patrimônio. Fazer barulho, sujar as ruas, urinar nas calçadas ou mesmo nos cantos dos estabelecimentos comerciais e outras coisas mais agressivas, é considerar diversão, lazer e que todos possam ter esse direito, é um absurdo, uma grande inversão de valores. Essa juventude e muitos adultos vão ter que correr atrás do tempo perdido se quiserem transmitir para os seus filhos, algo realmente de valor. Os vereadores dignos representantes do povo não podem ficar calados diante disso.
 
Flávio Márcio em 20/05/2013 07:44:38
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.