A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

23/08/2014 07:41

Bon Ondori tem histórias de amizade de quem frequenta a festa há 30 anos

Aline Araújo
A dança é para reverenciar os espíritos (Foto: Marcelo Victor) A dança é para reverenciar os espíritos (Foto: Marcelo Victor)

O Bon Odori, considerado a maior festa da colônia japonesa, completa 30 anos em Campo Grande. Sempre com muita música e cor, entre luminárias e cerejeiras artificiais, ganhou mais frequentadores a cada ano e aproximou o ocidental da cultura do Oriente. Tem gente que acompanha o evento desde sempre, e cresceu junto com ele.

Veja Mais
"Toma aqui uns 50 reais", Naiara Azevedo abre fim de semana eclético
Ludmilla é uma fofa e mostra o que o funk pode ensinar ao nosso sertanejo

O empresário Kenzo Minata, de 27 anos, é um exemplo. Ele frequenta a Associação Nipo desde que era um bebê, passou a infância e a adolescência ali. “Eu fiz os meus primeiros amigos no clube. Lembro que quando eu era criança vinha a família inteira no Bon Ondori e sempre foi muito divertido”, relata. Hoje, ele volta como expositor de produtos. “Campo Grande tem a maior colônia japonesa e eu acho muito legal ter uma festa para disseminar as tradições, a culinária e tudo que evolve essa cultura” afirma.

 

Kenzo frequenta a feira desde que nasceu. (Foto: Marcelo Victor)Kenzo frequenta a feira desde que nasceu. (Foto: Marcelo Victor)
Kahori Jokura está desde o início. (Foto: Marcelo Victor)Kahori Jokura está desde o início. (Foto: Marcelo Victor)

Animado com as coreografias e danças do Bon Ondori, Hugo Dávila, também de 27 anos, não tem nenhuma descendência japonesa, mas participa do evento desde os 15 anos. Na adolescência os seus melhores amigos eram japoneses. Assim, ele foi alimentando a paixão pela cultura japonesa. Na hora da dança, dá um show em muitos filhos e netos de imigrantes.

“Quando era mais novo, era muito legal que nós vinhamos em muitos amigos. Na época da escola, todo mundo combinava de se encontrar aqui. Agora alguns já casaram, outros já mudaram daqui fica mais difícil”, comenta.

O campo-grandense que já visitou o Japão, morou um tempo em São Paulo, mas conta que sempre na época do Bon Ondori tentava vir para participar da festa. Depois de tanto tempo, ele realiza um sonho. “Eu sempre olhava e pensava, que 'massa' o pessoal dançando no palco. E hoje sou eu que estou lá no palco mostrando a coreografia”.

A senhora Kahori Jokura, de 68 anos, mora há 37 em Campo Grande e acompanhou o Bon Odori desde o início. É uma das que sabe tudo sobre as tradições e ajuda a difundir a festa. “A festa é dos antepassados é para o espírito voltar para casa e se sentir bem”, conta.

Ela explica que a festa cresceu muito, desde a decoração até o público. “Antes era pequenininha, hoje é grande, vem muita gente de fora participar, é muito mais animado e todo mundo é muito bem vindo” conclui.

O Bon Odori começou nesta sexta em Campo Grande e segue até domingo, sempre a partir das 19h. A festa ocorre na Associação Nipo, saída para Três Lagoas. Os ingressos custam R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia).

Em 2014, além de comemorar os 30 anos de existência, o evento também lembra os 100 anos da chegada dos japoneses em Campo Grande.

30 anos de Bon Ondori e 100 de imigração japonesa na Capital. (Foto: Marcelo Victor)30 anos de Bon Ondori e 100 de imigração japonesa na Capital. (Foto: Marcelo Victor)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.