A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 19 de Janeiro de 2017

15/01/2013 08:25

Brasil, crença, natureza, lixo, luxo e número no Carnaval de Campo Grande

Elverson Cardozo
Escolas entram na avenida nos dias 8 e 9 de fevereiro. (Foto: Arquivo/João Garrigó)Escolas entram na avenida nos dias 8 e 9 de fevereiro. (Foto: Arquivo/João Garrigó)

As oito escolas de samba de Campo Grande que vão desfilar no carnaval de Campo Grande já definiram seus enredos, conforme informado à Lienca (Liga das Entidades Carnavalescas), incluindo a agremiação mirim que realiza abertura, mas não compete. O Lado B ouviu os presidentes e carnavalescos responsáveis pelos temas. 

Veja Mais
Tem de ter coragem para encarar um "The Voice" no Centro de Campo Grande
Quem conhece diz que só preocupação com filho pode manter BBB longe de “tretas”

Os Herdeiros do Samba, da Aresm (Associação Recreativa Escola de Samba Mirim), primeira a entrar na avenida, depois do bloco Afoxé Ilêomôaiye, vai falar sobre “Respeito”.

Presidente da escola, Fátima de Luz, de 59 anos, explicou que a inspiração surgiu de problemas notados no Carnaval do ano passado. Como a agremiação é convidada, afirmou, os integrantes geralmente não tem “voz”.

“Foi um desrespeito geral. Eu senti que as escolas grandes desrespeitaram. Quando chegamos na avenida o desfile havia sido cancelado e nem sabíamos”, disse, ao comentar que o respeito, tema central da agremiação, é um sentimento que todo humano deve ter. “É um princípio básico, desde que você nasce”, completou.

Grupo de acesso - A Cinderela Tradição do José Abrão, que integra o grupo de acesso, tem como tema “Sou Brasileiro e não desisto nunca”. O enredo foi pensado na trajetória da própria escola. A perseverança é o foco principal. “Fomos rebaixados e estamos lutando, perseverando”, explicou o primeiro tesoureiro e diretor de alegoria, Márcio Marques Soares, de 44 anos.

Unidos do Aero Rancho apostou na numerologia, com “Os segredos e a magia do número 7”. A idéia inicial foi falar sobre a abolição, mas o algarismo se mostrou mais fácil no quesito assimilação, explicou a presidente, Maria Benites Filartiga, de 51 anos.

“Tem várias coisas com o número 7, a branca de neve e os sete anões, os sete pecados capitais, por exemplo. Vamos falar de algumas coisas do número 7, mas coisas alegres, conhecidas pelo público, que poderá interpretar. Por enquanto, a única informação confirmada é que, de fato, haverá uma ala sobre o conto infantil e uma sobre as sete novas maravilhas do mundo.

Mestre sala e porta bandeira da Vila Carvalho. (Foto: Arquivo/João Garrigó)Mestre sala e porta bandeira da Vila Carvalho. (Foto: Arquivo/João Garrigó)

A Unidos do São Francisco fala sobre “As quatro estações”. Na hora de explicar, de defender o enredo, o presidente, Ale Mahmud Tlaes, de 59 anos, não teve dúvida. Foi sucinto: “Veio na cabeça. É uma coisa diferente. Vai chamar atenção”.

A Estação Primeira do Taquarussu se voltou à comunidade quilombola, com o tema “Tia Eva – um canto em louvor a São Benedito”. O presidente da escola, Gregório Ferreira T. Neto, foi procurado por duas vezes pela reportagem, mas não estava disponível para entrevistas.

Grupo especial - As quatro escolas do grupo especial também se inspiraram no Brasil, em crenças e no fascínio da natureza. A Vila Carvalho, campeã do ano passado, faz um pedido: “Brasil, mostra sua cara”. O apelo é pelas coisas boas que o país tem a oferecer.

“Mas também vai ter uma ala do Brasil ruim. Na parte boa vamos falar da miscigenação, a religiosidade, nosso futebol, do carnaval. Todo mundo quando fala do Brasil quer falar da parte ruim. Nós temos muitas coisas boas”, justificou.

A Deixa Falar aposta nas “Crenças e crendices – os mistérios da fé”. O foco são as heranças das religiões afro-brasileiras, do sincretismo, a fusão de doutrinas. “Vamos falar mais dos antepassados”, disse. A África e a Bahia vão receber destaque, mas a fé do Índio não vai ficar de fora, garantiu o carnavalesco responsável, Francis Fabian, de 52 anos.

A intenção, completou, era falar sobre o desafio de se levar uma escola de samba para a avenida, com o tema “Utopias – arquitetando folias”, mas a mudança no Legislativo Municipal e a indefinição com relação ao apoio e o alto custo inviabilizaram o projeto. O enredo ficou guardado para 2014.

“Do Lixo ao luxo – tenha fé, que até no lixão também nascem flores”, é o enredo da Unidos do Cruzeiro. O presidente da escola, Luiz Alex da Silva Guedes, disse que se inspirou na letra de um rap e “na onda do momento, onde tudo se recicla e pode virar material de primeira linha“.

A agremiação pretende falar sobre a reciclagem de papel, alumínio, plástico e lixo orgânico. As quatro primeiras alas serão repletas desses materiais. As quatro últimas trazem as transformações proporcionadas pelo reaproveitamento. “A gente vai falar que o que vem do lixo pode virar artigo de luxo”, salientou.

Maioria das agremiações apostaram em temas universais. (Foto: Arquivo/João Garrigó)Maioria das agremiações apostaram em temas universais. (Foto: Arquivo/João Garrigó)

Os Catedráticos do Samba sem voltaram à natureza, com o tema “De encanto e fascinação – o mundo mágico de uma floresta em festa”.

Na composição de alas, o imaginário infantil ganhará força. “Vamos falar de bruxas, gnomos, fadas e as espécies de animais que tem nas florestas”, informou o carnavalesco Paulo Mathias, de 42 anos. A agremiação, ressaltou, está apostando na renovação.

Desde 2005, Os Catedráticos vinham fazendo homenagens. Entre os nomes que foram parar na avenida estão Délio e Delinha, Almir Sater, Helena Meirelles e o Instituto do Cego.

Temas universais - Sobre a justificativa de enredo fornecida pela Herdeiros do Samba, o presidente da Lienca, Eduardo de Souza Neto, afirmou que o assunto foi discutido à época e que a decisão de cancelar os desfiles foi tomada em conjunto, com a maioria das agremiações.

Eduardo não considera apropriado levar a discussão para avenida em forma de tema, mas diz defender a liberdade de expressão e a democracia.

Com relação aos enredos oficializados pelas oito escolas que vão desfilar em Campo Grande, o presidente da Liga afirmou que a maioria das agremiações apostaram em temas de fácil entendimento, tanto para os jurados quanto para o público, o que ele considera ser ponto positivo.

“Esse ano as escolas optaram por fazer mais enredos universais, mas todos eles são desenvolvidos muito bem. São temas que dizem respeito a nossa realidade”, disse.




é isso ai nós queremos mais iluminaçao e que vcs pinte a avenida
 
monica gomes em 26/01/2013 13:44:13
esperamos que este ano melhore o local mais luzes avenida mais limpa mais organizaçoes mais policiamento pintar avenida acho que nos merecemos ver nossa escola com um local digno para quem gosta do carnaval e que os responsaveis do carnaval valorize mais o nosso carnaval pois so temos promessas ja estamos cansado de ouvir melhoras para ano quem e continua a mesma coisa vamos esperar.
 
regina lucia alves varanis em 16/01/2013 07:49:08
imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.