A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016

19/09/2011 12:18

Com parque ao lado, há quem insista na muvuca dos Altos da Afonso Pena

Ângela Kempfer
Grupo veio de longe para passar a tarde de domingo nos altos da Afonso Pena. (Fotos: João GarrigóGrupo veio de longe para passar a tarde de domingo nos altos da Afonso Pena. (Fotos: João Garrigó
Arlei mostra carro com som, mas com o volume moderado.Arlei mostra carro com som, mas com o volume moderado.

Os pais iam aos domingos e agora é a vez dos filhos nos Altos da Afonso Pena. Há 20 anos era assim e a muvuca continua na principal avenida de Campo Grande, apesar de ter ao lado o principal parque da cidade, o das Nações Indígenas.

A diversão é a mesma há gerações: estacionar o carro, aumentar o som, principalmente o eletrônico e o sertanejo universitário, e ficar ali, à mostra, para quem passa a 10 quilômetros por hora.

Priscila veio do bairro União, com os primos e amigos. Na Afonso Pena, o grupo bate-papo bebendo tereré e fumando o narguilé. “A gente vem para ver e ser visto”, diz Priscila.

No ponto onde os amigos param, uma moto amarela dá voltas e é vista 12 vezes em um período de meia hora, sempre em velocidade reduzida.

Na turma há também duas crianças. Até às 19 horas “a coisa é tranquila”, diz a jovem, depois é que o “bicho pega”. Com a bebedeira rolando solta, o som alto e a mulherada dançando sobre os carros, o jeito é voltar para casa antes de escurecer, conta Priscila.

“Já teve gente que colocou aquela carreira de maconha no capô do nosso carro para depois cheirar”, lembra, sem saber que a droga em questão era cocaína. “Sei lá, não entendo dessas coisas, graças a Deus”, justifica. Sobre o Parque, Priscila diz que só entra quando “tem show”.

Do outro lado da avenida, os amigos NIlmar e Danilo olham o movimento sentados na traseira de um veículo Montana. Nilmar veio recentemente de Itu Paulista, cidade de 13 mil habitantes e adorou a “moagem” da Afonso Pena.

No Parque das Nações, ele diz que só entrou uma vez. “Só para ver como era, mas prefiro aqui”.

O casal vai para a avenida com o carro turbinado pelo som profissional, mas não pode exagerar, diz Arlei, o dono do equipamento. Quando o volume aumenta muito, as rondas policiais servem para ameaçar com multa o exagero.

Para quem não gosta do programa, é preciso paciência para ouvir todo o tipo de música e esperar no trânsito. Por volta das 17h, percorrer 200 metros leva 6 minutos. Lá pelas 19h, o tempo dobra, com o agravante da dezena de jovens entregando uma infinidade de panfletos de shows.

No Parque, a foto do grupo de amigos.No Parque, a foto do grupo de amigos.
O casal Gazola e uma tarde tranquila de domingo.O casal Gazola e uma tarde tranquila de domingo.
Marcelo e o avião na lagoa.Marcelo e o avião na lagoa.

Dentro do Parque, sem música ou aglomerações, a tarde passa bem mais calma. Mesmo assim, é animada.

Um grupo de amigos chega depois de sair do trabalho, no Instituto Mirim, com a câmera fotográfica a tira colo para um sessão de fotos caseira em um dos cenários mais procurados da cidade. “É para colocar no facebook, no Orkut”, explica Vanessa.

O pai Gilsmar tenta impinar a pipa com a filha Júlia. Do bairro Guanandi, ele e a esposa resolveram pegar o carro para ir até o Parque das Nações, por conta da estrutura e limpeza. "É amplo, lá perto de casa só tem praça rodeada por bares e até cacos de vidro na areia do parquinho a gente encontra",

Marcelo mostra o avião anfíbio na lagoa do Parque das Nações, o casal Elza e Gazola para e vê o espetáculo. Há 33 anos juntos, os dois aproveitam para dar a lição de como a vida ganha graça com pouco.

“Há um ano passamos por um problemão. Ela operou um câncer e quando voltava da cirurgia em Barretos eu é que passei mal do pâncreas e fiquei 31 dias internado. Agora o bom é isso. A gente vem, passeia e vai embora”, conta.

Carlota e o filho Razi, de 9, conversam com o amigo Handel, na pista de skate.Carlota e o filho Razi, de 9, conversam com o amigo Handel, na pista de skate.

Por todo o parque, as pessoas ocupam os espaços de formas diferentes. Amigos fazem até piquenique. Na pista de skate, o visual muda, com jovem e crianças em estilo largado no vai e vem das rampas, mas também há famílias.

Carlota, de 32 anos e o filho Razi, de 9, conversam com o amigo Handel, de 29. O menino prefer passar o tempo com jogo eletrônico nas mãos, mas sentado em uma bela toalha de piquenique.

Sob uma grande mangueira, Arthur e Edilaine apenas namoram, em uma conversa que nem formiga atrapalha. “É muito tranqüilo, ainda mais com esse lago ai em frente”, comenta o namorado.

Arthur e Edilaine apenas namoram sob a mangueira.Arthur e Edilaine apenas namoram sob a mangueira.



Acho que os "politicamente corretos" estão por fora. A cidade é de todos. O modo de se divertir também. Assim como no Rio de Janeiro tem a Lapa, lugar publico, aberto para diversão e música, Campo Grande tem a Afonso Pena. O que deve haver é mais policiamento para evitar abusos. Só isso, "pessoas certinhas"...
 
rosa paim em 23/09/2011 08:16:36
Acho que no Parque, seria um bom lugar para os Dogueiros de Campo Grande
 
Iza Mello em 23/09/2011 05:26:46
Olá pessoal,adorei a reportagem Priscilla Verão arrazando heinn...Famílias,união e tranquilidade..se houvesse mais policiamento não teria baderna!!!
Campo Grande tem muito outros problemas bem piores,alguem ja andou no centro a noite????
Bjosssssssss
 
Flaviane Verão em 20/09/2011 11:37:11
Quem gosta de bagunça que tinha que sair pro sitio com diz o colega la em cima, se todos soubessem se divertir sem exagerar, seria bom e não irritaria ninguem, mas parece que e uma competição de som e bagunça, ate no soter estao fazendo essa zona dia de domingo mas graças a Deus que a policia e eficiente e começar logo eles aparece para acabar com a bagunça dia de domingo e descanso
 
silvia mota em 20/09/2011 10:47:00
Esse pessoal da mirim principalmente a vanessa pensa que está podendo, aparecedo em reportagens e ainda dizendo que estava trabalhando.Mas é verdade que elas estavam trabalhando na macarronada beneficiente lá no instituto do caranda.
 
wanduildo silvestre alves em 20/09/2011 08:12:10
É o seguinte, desculpe se vou ofender alguém.
Mas quem quer sossego sem nenhum barulho vai morar no sitio, ao redor de Campo Grande é o que não falta.
Quando mais uma cidade cresce mais ela fica barulhenta, não adianta querer mudar isso, esquece.
 
Thiago Almeida - Campo Grande em 20/09/2011 07:36:44
E uma pena que Afonço Pena esta tão destruida as gramas todas cheias de cacos de vidros lixos de todas as especies, os jovens de hoje não tem culpa porque os PAIS não ensinam uma boa educação, o espaço e de todos mas, parece que tem os donos do pedaço além do som de mal gosto e muito alto sem pensar que ali e lugar de tratamento de passaros e animais de toda as especie E UM PARQUE ECOLOGICO .
 
Celso Reberto em 20/09/2011 07:21:39
ai que saudades desta cidade. minha eterna campo grande. tenho orgulho de ser campograndense... fim do ano estarei ai com ajuda de DEUS.
 
Lessandra da S . A Marques em 20/09/2011 07:10:56
Realmente ficar na Afonso Pena vendo "movimento" é um senhor programa de índio.
 
Mara Nascimento em 20/09/2011 05:53:25
Mesmo quando você nao acha ninguem nos Domingos para sair, eu sempre vou para a Afonso Pena, sempre encontro alguem lah para conversar, tomar um tereré, gosto das moagens sim e claro (sou jovem), mas penso que, Campo Grande nao possui praia, nao tem grandes jogos de futebol no domingo, entao a opção e ir para Afonso Pena ou para frente do aeroporto.
 
José Luis em 19/09/2011 11:39:42
Angela Kempfer, parabéns pela belíssima matéria, ficou show!! Infelizmente essa maravilhosa avenida está virando uma referência negativa e não é por falta de policiamento não, mas a Polícia não vai conseguir resolver os problemas do mundo sozinha. Basta colocar câmeras de vigilância dos altos até o shopping, radares e proibir o estacionamento lá. Mas os nossos vereadores estão muito parados.
 
SIDNEI GARCIA DE FREITAS em 19/09/2011 09:05:38
É natural os jovens terem o seu lazer. Até aí tudo bem. Aí o bicho pega. O som que os jovens curtem talvez não seja o mesmo de milhares de outras pessoas. O local onde os jovens escolhem para curtirem o seu som (funck), diga se de passagem (som altíssimo), não é o som que essas milhares de pessoas gostariam de curtir. Trata-se de uma tremenda falta de educação e respeito às pessoas que não curtem
 
CARLOS ARAUJO em 19/09/2011 06:43:58
É ainda bem que tem um espaço para cada tipo de pessoa não é mesmo!
Acredito que tem quem goste da moagem e tem quem goste do sossego, por isso não se deve taxar quem gosta de moagem.
 
Daniela Fialho em 19/09/2011 03:26:42
Muito boa a reportagem, evidencia algo que é da cultura de Campo Grande.
Um outro ponto que está ficando bastante movimentado por jovens e famílias é próximo ao Aeroporto, na Via Morena (por assim dizer, o outro extremo da Afonso Pena).
Muitas pessoas ficam estacionadas vendo os - poucos - aviões que aterrisam e pousam. Quem sabe não rende outra reportagem?
 
Jorge Almoas em 19/09/2011 03:10:26
Há 20 anos esta "bagunça" nos altos da Afonso Pena se justificava, visto que naquela época não havia nada no local, inclusive não era considerado bairro residencial. Hoje as coisas mudaram. O local conta com vários condomínios. Esta avenida deveria ser um local de passeio civilizado, lugar para se praticar esportes, passear com a família etc, e não para barulheiras, cigarros, brigas, entre outros.
 
Fábio de Almeida em 19/09/2011 02:51:23
acho muito bom ter lugares pra sair em um domingo, e até outros dias, e Campo Grande esta cada vez melhor. e a av afonso pena é o ponto de encontro da galera, então vamos se divertir nos altos da afonso pena e aproveitar as belezas de Campo Grande.
 
Simone Alencar em 19/09/2011 02:42:12
gostei muito tanto lugar bunito para se mostrar parabens campo grande news.
 
vanderlei marques em 19/09/2011 02:31:48
parabens campo grande news ficou 10
 
CLAUDECI JOSE DA SILVA em 19/09/2011 02:03:29
Bacana a reportagem de news adorei mesmo, pena que aqui em Joinville//SC a coisa é diferente quanto a ligar som e talls somos obrigados a fazer festas fechadas e ainda sim corremos o risco de pagar multa pelo som de carro.. mas assim cada cidade tem sua burocracia e cada habitante vai manejando a pm da forma que dá....
 
Gju Nim Lima em 19/09/2011 01:38:49
Fazer o que no domingo a tarde tem mais é que ir para a av. mesmo, afinal aqui nunca da praia mesmo, futebol então ai que desastre nem pensar!!! ENTÃO GALERA VAMOS NOS VER LA, SÓ NÃO PODEMOS ESQUECER SABER SE DIVERTIR SEM IMPORTUNAR OS OUTROS.
 
jose carlos em 19/09/2011 01:36:27
acho muito saudável ter um ambiente p passiar e admirar a natureza,campo grande esta muito bonita,esperamos q o pessoal ajude a manter e conservar o nosso patrimônio publico,moro na europa e o que mais admiro aqui é a educação e o respeitos q tem os europeus para com a limpeza e conservação dos paruqes monumentos e via publica,parabéns campo grande e saudades da minha city morena.
 
regiane yasmim em 19/09/2011 01:30:29
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.