A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

19/02/2012 11:07

Com Selton Melo e Rodrigo Santoro, “Reis e Ratos” tenta ser engraçado

Fabiano Arruda
Rodrigo Santoro é um dos poucos destaques do filme. (Foto: Divulgação)Rodrigo Santoro é um dos poucos destaques do filme. (Foto: Divulgação)

O elenco tem boas peças, como Selton Melo e Rodrigo Santoro, e o enredo brinca com o comunismo e o golpe militar de 64. A fórmula é atraente, mas a comédia “Reis e Ratos”, em cartaz nos cinemas, frustra e, em sua maioria, fica só na tentativa de ser engraçada.

Veja Mais
Atriz indicada ao Oscar vale ingresso em "Os homens que não amavam as mulheres"
Indicado ao Oscar “Os Descendentes” destaca Clooney e resgata polêmica

Um dos destaques é Santoro, que vive um viciado em anfetamina e aparece na trama com aparência suja e dentes estragados. Longe de ser galã, mostra porque é um dos atores brasileiros mais conceituados.

Selton, uma das estrelas do cinema nacional, interpreta um agente da CIA, Troy, que vive no Brasil e tem uma sapataria de fachada. Caricato, ele também deixa mostras de seu talento, embora amarrado pelo roteiro que peca pelos excessos.

O “tiro no pé” de “Reis e Ratos” está nas piadas, que dão muitas voltas e mostram diálogos confusos antes do “fazer rir”. A perda deste “time” na comédia é considerada um assassinato no gênero.

Em muitos momentos, o espectador fica na ânsia de sequências engraçadas, mas a risada de doer a barriga praticamente não aparece no longa dirigido por Mauro Lima ("Meu Nome Não É Johnny").

O elenco ainda conta com Cauã Reymond, que vive um locutor de rádio e simula a voz fanha dos radialistas da época. Em meio a sua profissão, seu personagem, Hervê, tem espasmo mediúnicos. Entre as loucuras, vive guerreiros medievais.

A trama gira em torno da personagem de Rafaela Mandelli, a cantora Amélia Castanho, que, entre decepções amorosas, percebe-se como presa numa trama política.

O major Esdras, vivido por Otavio Müller, e a esposa de Troy, interpretada por Paula Burlamarqui, também estão entre o grupo principal da comédia, gênero, que, pela escassez de risos, é colocado em cheque ao final dos 101 minutos de filme.




Criticos, criticos, criticos, quem serão senão aqueles que notoriamente não conseguem fazer sucesso nem com batitinha de limão, kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
 
sandra lima em 19/02/2012 05:13:00
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.