A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

04/03/2014 17:44

Cordão Valu faz homenagem com as "Viúvas do Arnaldo"

Elverson Cardozo
Bloco Viúvas do Arnaldo foi criado para homenagear o ex-presidente da Fundação de Cultura de Ponta Porã, Arnaldo Romero, que morreu no ano passado. Bloco Viúvas do Arnaldo foi criado para homenagear o ex-presidente da Fundação de Cultura de Ponta Porã, Arnaldo Romero, que morreu no ano passado.

Encerrando a folia, o Cordão Valu, tradicional em Campo Grande, faz uma homenagem, nesta terça-feira (4), ao ex-presidente da Fundação de Cultura de Ponta Porã, Arnaldo Romero, que morreu, em um acidente de carro, em junho do ano passado.

Veja Mais
"Toma aqui uns 50 reais", Naiara Azevedo abre fim de semana eclético
Ludmilla é uma fofa e mostra o que o funk pode ensinar ao nosso sertanejo

A saudade do homem que, segundo os amigos, foi atuante e sempre defendeu e difundiu a cultura em Mato Grosso do Sul pode ser vista, hoje, nas fantasias de alguns foliões, homens e mulheres, que foram de pretos, no bloco Viúvas do Arnaldo, criado apenas para a homenagem.

Um das organizadoras, a jornalista Ana Claudia Salomão, de 49 anos, disse que a homenagem foi combinada pela internet. Pelo menos 200 pessoas foram convidadas e cerca de 100 confirmaram presença.

“O Arnaldo, além de ser um grande amigo, era uma pessoa que divulgada a arte a cultura. Era um incentivador, participativo, intelectual e doutor”, comentou.

Da boca dos amigos, que ficaram “viúvos”, só se ouve elogios. Professora, Maria Rosana, 48 anos, foi visinha do ex-presidente. “Eu o conheci quando cheguei em Campo Grande, em 1982”.

Silvana Valu, fundadora do cordão, também foi de viúva. (Foto: Cleber Gellio)Silvana Valu, fundadora do cordão, também foi de viúva. (Foto: Cleber Gellio)

No primeiro carnaval sem Arnaldo, disse, a homenagem é merecida. “Era uma pessoa encantadora, extremamente culta. Era muito requintado”, comentou.

Advogado, Afonso Blen, de 51 anos, também foi homenageá-lo. Fez isso usando a camiseta do último evento promovido pelo ex-secretário, o Festival Sul-Americano de Folclore, realizado em Ponta Porã, em maio do ano passado. “Ele prestigiou todos os bairros”, lembrou. Arnaldo, para ele, “era um irmão, intelectual e grande divulgador da cultura”.

Além das Viúvas, vestidas de preto, o Cordão Valu reuniu, como sempre, foliões mais coloridos, que saíram para se divertir e abusaram da caracterização. O fotógrafo Roberto Higa é um dos exemplos. Foi de Gueixa, maquiado e tudo.

Fotógrafo, Roberto Higa foi de gueixa. (Foto: Cleber Gellio)Fotógrafo, Roberto Higa foi de gueixa. (Foto: Cleber Gellio)

É a segunda vez que ele vai para a Rua General Melo juntar-se aos foliões. “Eu saia no Depravadas, bloco de jornalistas, que começou com o Filhos da Pauta, mas acabou”, disse. Acabou, mas o gosto pela festa permaneceu. “É uma coisa que está no sangue. Eu fotografo carnaval em Campo Grande desde 1970”, afirmou.

Fundadora do bloco, Silvana Valu comentou que, a cada ano, o cordão aumenta. “É espontâneo, lúdico e as pessoas vem pelo clima de paz”.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.