A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 18 de Janeiro de 2017

05/08/2013 07:34

Depois de 17 anos, assinaturas nas paredes revelam que bar é de todo mundo

Paula Maciulevicius
A ideia de assinaturas não era para tomar a proporção de hoje. Dona até pensou em apagar, mas foi impedida sob o argumento de que ali estava a história do bar. (Fotos: Marcos Ermínio)A ideia de assinaturas não era para tomar a proporção de hoje. Dona até pensou em apagar, mas foi impedida sob o argumento de que ali estava a história do bar. (Fotos: Marcos Ermínio)

De 1996 para cá, quem já passou por Bonito com certeza já deixou a marca no bar amarelo na rua Pilad Rebuá. De anônimo a celebridade, brasileiro a estrangeiro, quem não teve o nome assinado no Taboa é só porque a Bonito ainda não chegou.

Veja Mais
Grupo do RS apresenta espetáculo inspirado na literatura de Eduardo Galeano
Dono de hits de Carnaval, Léo Santana faz show amanhã em Campo Grande

“Vixe, aí pegou pesado... O que teve de gente, não dá pra explicar, tem muita gente que escreveu nessas paredes, de Zélia Duncan a João Bosco, todo mundo das antigas até hoje”, conta a dona do bar e da cachaça Taboa, Andréa Fontoura, de 47 anos.

Nas contas dela e os nomes estão para reforçar, 80% das pessoas que já foram a Bonito estiveram ali. O primeiro barzinho do município começou sendo quase que uma barraca, com tamanho de 3m por 2m e servia o drinque baiano ‘capeta’ com batata de Ponta Porã.

Quem hoje vê os sete garçons da casa com canetões pra cima e pra baixo nem imagina como a ideia começou. O espaço reservado para assinaturas não era o bar todo, se limitava a uma parede de 1,5m por 1,20m. “Era para os amigos assinarem, gente que estudava fora e se reunia aqui, aí começou e nunca mais parou”, conta.

Um tempo depois a dona quis passar uma mão de tinta e tirar. Foi impedida sabe por quem? Por um jornalista da revista Quatro Rodas. “Tentei pintar, aí chegou um cara e disse não faz isso, tem que deixar, é a história do bar”, relembra.

Quem nunca assinou nas paredes do Taboa é porque por Bonito ainda não passou. Quem nunca assinou nas paredes do Taboa é porque por Bonito ainda não passou.

Ela foi deixando, deixando e hoje o azul das canetas tomou conta do amarelo da pintura original. Mas volta e meia, a cada dois anos Andrea não resiste e passa uma nata de tinta. No entanto tem cliente que não aguenta esperar. “Essa parede, por exemplo, não tem nem um mês que pintei e não deixaram eu terminar”, diz.

Entre nomes, frases, países, tem até desenho e sacanagem pelas paredes do Taboa. O problema, segundo Andrea, é quando o relógio marca mais de 2h da manhã os clientes chegam a fazer pirâmide pra assinar nos locais mais improváveis.

“Fica perigoso e eu sou bem brava com isso, mas é impressionante, passou das 2h o cara já sobe na mesa ou faz escadinha de três e a gente mesmo se pergunta, como é que conseguiu escrever ali?”

Pelas paredes também está o nome de Andrea Fontoura. A cada vez que uma nova mão de tinta surge, ela vai lá e escreve. Mas sabe, pelo tempo que ensinou e a proporção que assinaturas tomaram, que o bar não é mais dela.

“O Taboa não é mais meu, agora não dá pra tirar, a história não é mais minha, são eles os donos. Tem gente que chega dizendo meu filho mandou eu vir aqui porque ele escreveu na parede. É uma maneira de se expressar e é bacana essa comunicação que o próprio turista faz com ele mesmo”, avalia.

A gente perguntou se ela pensa em sair de Bonito, e quem sabe, abrir sei lá, um bar pelas bandas de Campo Grande. O público seria muito diferente do que hoje frequenta o Taboa de Bonito e a resposta foi negativa.

“Eu quero é bar pequeno, prefiro a cultura, meu público é do mundo. Quando me perguntam de levar o bar para o mundo, falo que eu trouxe o mundo para cá. Recebo gente de tudo quanto é lugar”, explica.

Segundo a dona são em média 150 mi turistas que visitam Bonito por ano. “Eu não tenho essa pretensão, amo minha fábrica, amo o Taboa. Não quero ser milionária, eu quero é encher a minha boca pra contar essas histórias e cada pouquinho de vocês é que faz a história”.




Preciso conhecer logo, com tantas assinaturas, se eu demorar não irá sobrar nenhum cantinho p/ mim rsrsrsrs. Muito curioso, gostei!
 
Ly Souza em 09/08/2013 10:34:46
Caramba, quanto tempo não vou a Bonito mas tive a felicidade de escrever meu nome em 94, 98 e 2002, ja faz algum tempo não tenha dúvida vale a pena conhecer e experimentar a cachaça.

Parabéns.
 
Joel Marcos em 05/08/2013 11:45:54
assinei o meu 1º nome lá em 2002
 
jorge pereira mendes em 05/08/2013 10:05:14
Andreia, a 15 anos atras eu assinei o meu nome, e sempre que vou a Bonito tento achar ele, como não acho vou e assino de novo. parabéns, ai com vc esta um pedacinho de nossa historia.
 
Dom Molina em 05/08/2013 09:39:10
PARABÉNS ANDREIA. TAMBÉM TENHO UM SONHO DE ABRIR EM BONITO OU CAMPO GRANDE, UM MUSEU DA CACHAÇA COM CACHAÇARIA. SOU COLECIONADOR DE CACHAÇA HÁ MAIS DE 35 ANOS E TENHO UMAS 2.500 MARCAS DE CACHAÇAS DIFERENTES DE TODO MUNDO. DIZEM QUE QUEM SONHA REALIZA, UMA HORA ACHO UM INVESTIDOR PARA REALIZAR ESTE SONHO. PARABÉNS.
 
nelson dias neto. em 05/08/2013 08:51:54
Não apaga mesmo, pois seria apagar a história do bar em boa parte e uma fragmento de história das pessoas que passaram por lá, com certeza estaria apagando lembranças de bons momentos.
 
Wanderson Lopes em 05/08/2013 08:40:38
imagem transparente
Busca

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2017 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.