A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

26/08/2015 07:45

Distância fez Luan Santana ter saudade do sobá da Feira e do pastel do japonês

Paula Maciulevicius
Da comida ele sente falta do sobá da Feira, do pastel do japonês e da Casa do Peixe. (Foto: Vanessa Tamires)Da comida ele sente falta do sobá da Feira, do pastel do japonês e da Casa do Peixe. (Foto: Vanessa Tamires)

Às vésperas do aniversário da cidade, Luan Santana fez show aqui, mas já com hora marcada para voltar. A correria de agenda não o deixou provar dos sabores de Campo Grande que deixam saudade: o pastel, o peixe e o sobá. Mas foi pela mesma agitação que ele pediu pela primeira vez um prato da Cantina Romana.

Veja Mais
Begèt de Lucena e Mari Depieri são as vozes do Som da Concha de hoje
Festival de Artes começa com público fraco, mas tem vocação para ser resistência

Sobre os lugares que a distância fez Luan sentir falta o primeiro deles é o Parque das Nações Indígenas. Isso porque há exatos 6 anos o "Gurizinho de Jaraguari" gravava o primeiro DVD da carreira lá.

"Foi minha primeira experiência com grande público na minha vida. O Parque das Nações é especial, a Avenida Afonso Pena..." comenta. Luan completa dizendo que são vários os lugares onde ele se lembra da infância. "E dos momentos bons que eu passei aqui". 

O sobá da Feira Central foi a primeira memória que o paladar trouxe. "Comer sobá é bom demais. Toda vez que eu venho para cá, procuro comer e tambémt em o pastel ali da Afonso Pena, do japonês, que eu gosto", resume. Se for enumerar, Luan diz que é capaz da gente ficar conversando até amanhã.

As vindas do garoto a Campo Grande se restringem somente aos shows. (Foto: Vanessa Tamires)As vindas do garoto a Campo Grande se restringem somente aos shows. (Foto: Vanessa Tamires)

As vindas do garoto a Campo Grande se restringem somente aos shows. A última vez aqui foi para um show na Praça do Papa, no ano passado. "É difícil eu vim pra cá, só quando tem show aqui ou no interior e a gente precisa pousar aqui", explica.

Nesta terça-feira, a comida campo-grandense veio do restaurante italiano. "Eu pedi comida na Cantina, foi a primeira vez que comi na verdade, por mais que seja tradicional, nunca tinha experimentado". No fim, ele disse que aprovou.

Do lugar que mais gosta e faz propaganda assumidamente é a Casa do Peixe, que recentemente perdeu um dos "braços", o garçom Estevão. "Toda vez que a gente vem, almoça lá. Para mim é o melhor restaurante de peixe do Brasil. A morte do Estevão atingiu a gente e toda população de Campo Grande", considerou Luan.

No dia seguinte ao falecimento, ele chegou a postar uma homenagem no Facebook. "Ele vinha nos shows, trazia comida no camarim. Era sempre da Casa do Peixe", frisa o cantor.

Ao Lado B, a assessora de Luan confidenciou um outro gosto 'peculiar' do músico. Dia desses, segundo Arleidy Caldi, ele simplesmente abriu uma marmita com pequi dentro do avião. "Veio aquele cheiro de pequi. Era a comida dele, a mãe dele tinha feito, ele adora". O pequi está mais para cuiabano ou goiano do que campo-grandense, mas valeu a curiosidade em saber do gosto de Luan.

Sobre voltar para Campo Grande, o gurizinho diz que pensa e "pra caramba". "Por mim eu já estava morando aqui na verdade, mas pela logística, a gente ainda precisa estar lá. Nosso escritório é lá. Mas um dia eu vou voltar e quero que seja logo".




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.