A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

22/06/2014 08:17

Do imaginário ao real, teatro Maracangalha reúne artistas e moradores em arraial

Paula Maciulevicius
Na segunda edição, a festa trazia como animação a banda do bairro “Pingo de Ouro”. (Fotos: Marcos Ermínio)Na segunda edição, a festa trazia como animação a banda do bairro “Pingo de Ouro”. (Fotos: Marcos Ermínio)

A festa chamava atenção até dos motoristas que paravam no sinal vermelho. Pela a animação dos ‘caipiras’ ou a música sertaneja de raiz, o bar “Vai ou Racha” no bairro São Francisco virou palco do Arraial de São João de Maracá, do teatro Imaginário Maracangalha neste sábado.

Veja Mais
Coletivo de DJs organiza festas com música para 'dançar mais e reparar menos'
Com poucas opções, veja onde curtir as festas de fim de ano em Campo Grande

Na segunda edição, a festa trazia como animação a banda do bairro “Pingo de Ouro”. Na programação ainda estava incluso cortejo e quadrilha. Na prática, os passos de quem se diverte são os mesmos de quem acompanha tudo como um estudo.

A ideia em si é integrar a comunidade, moradores do bairro e artistas na região do São Francisco, onde o teatro atua. “É uma conversa bem legal, de observar os valores que a comunidade tem, a dramaturgia que a festa de São João tem”, explica o diretor do teatro, Fernando Cruz.

Diretor do Maracangalha, Fernando Cruz, vê a festa como integração entre a comunidade.Diretor do Maracangalha, Fernando Cruz, vê a festa como integração entre a comunidade.

Personagem do folclore, São João é pontos centrais do espetáculo do Maracangalha que está circulando nas apresentações. A festa, além de tudo é democrática, avalia Cruz. “Integra todos, independente da condição social e mostra grande força da cultura popular”.

O público era o mais variado possível. Gente de fora e de longe, como a psicóloga Tatiana Deconto, de São Gabriel do Oeste. “Estava por aqui e resolvi dar uma passadinha, porque conheço a proposta do grupo”, conta.

Da região do bairro Tijuca, as irmãs Maria Ângela da Silva, de 55 anos e Maria Aparecida Lopes da Silva, de 50, sempre acompanham os eventos do Maracangalha e não podiam faltar neste. “Tem os comes e bebes, quentão e os bolos característicos de festa junina”, explica o motivo da ida, a professora Maria Ângela.

Movimentação atraía olhares até de quem passava pela rua de carro ou a pé.Movimentação atraía olhares até de quem passava pela rua de carro ou a pé.



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.