A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

05/12/2011 15:52

Em show sertanejo, cowboy fica deslocado entre tantos saltos e paetês

Ângela Kempfer
Traje de gala em dia de show no Morenão. (Foto: João Garrigó)Traje de gala em dia de show no Morenão. (Foto: João Garrigó)

De chapéu e fivelão na cintura, o mecânico Vinícius, à caráter, era um estranho no estádio Morenão durante o show da dupla sertaneja Jorge e Matheus, no sábado. Ao redor, o clima de balada tinha jovens de camisetas, as meninas de paetês e roupas curtíssimas, nada parecido com o ambiente rural que esse tipo de música sempre exigiu.

Veja Mais
Procura-se um padrinho que ajude na guinada de um cantor sertanejo
Antiga casa noturna virou 2 na Afonso Pena e reabre com lounge e pub sertanejo

“É esquisito, não tem ninguém parecido com sertanejo. Mas não abro mão. Gosto de moda de viola e para mim o traje certo é esse”, diz o rapaz, ao lado da namorada Bruniele, também de camisa xadrez e calça jeans.

A bota, a moça já havia abandonado em um canto, depois de 3 horas em pé à espera da dupla, que marcou show para às 21h, mas só entrou no palco por volta da 1 da madrugada.

O tempo serviu para embriagar muita gente, inclusive, a adolescente de 16 anos que pela lei não deveria estar ali bebendo, mas com a lata de cerveja na mão e um vestido justo e muuuuuuuuito acima do joelho, defende as vestimentas. “Tem de vir de roupa curta mesmo, quanto mais melhor, é bom ser desejada”, gritava a menina cambaleando.

Ao lado, a manicure Suelen de Souza Castro, de 21 anos, também de modelito sensual, conta que conheceu a garota na balada. “A gente se identifica porque gosta de dançar e de curtir. Não é a roupa que torna uma pessoa vulgar, é o comportamento”, justifica, antes mesmo de ser criticada.

Salto altíssimo e neon. Salto altíssimo e neon.

Assediado noite a fora pela garotada que adora aparecer, o fotógrafo de baladas, que pede para não ter o nome divulgado, tem histórias para contar da mulherada, coisas de deixar as mães assustadas. “Elas chegam mostrando a tatuagem, baixam a calça, fazem coisas absurdas para a gente fotografar. É muita periguete”.

O principal argumento dos que tiraram o "melhor" look do guarda-roupa para o show no estádio é que os tempos mudaram, assim como a música.

“O som mudou, não rola mais isso de chapéu e botina. Deviam até chamar esse estilo de outra coisa. Não é mais sertanejo. Não vê o Michel Teló, que agora parece coisa eletrônica”, avalia a comerciante Vânia Taymã, com saia preta de paetês, blusa de seda e salto alto de verniz.

Minutos depois, a dupla Vitor e Vinícius, que abriu o show, coloca no repertório o rock dos Gun´s n Roses e do Capital Inicial. “Não te falei, ninguém mais entende nada. Sei lá o que esse povo toca”, cutuca Vânia.

No vai e vem na área vip do evento, entre o banheiro masculino e o feminino, quem mais aparece são os que exageraram na bebida. Mas por ser porta de entrada e acesso ao palco, no local é possível um raio X do estilo da noite.

Saias com muito brilho e saltos altíssimos são o hit das garotas. Já os meninos vão pelo caminho moicano de Neymar ou largado chic. De chapéu mesmo, só o mecânico Vinícius.

O bom estilo cowboy da advogada Paula.O bom estilo cowboy da advogada Paula.
Mas saia curta e com paetês é hit entre as meninas.Mas saia curta e com paetês é hit entre as meninas.

O mais perto que a maioria chega da música sertaneja é tentando fazer o tipo Paula Fernandes. De espartilho, short jeans e cabelos longos, vire e mexer alguma fã da cantora sensação do momento desfilava pelo Morenão.

As amigas Bianca, Isadora, Marcela, Amanda e Larissa tentaram não errar. Duas de vestido longo e o restante de saia curta, as estudantes de Medicina dizem que a dica é ligar uma para outra antes da festa. “A única que errou foi ela, que veio de salto alto”, aponta Larissa para uma das amigas.

No mar de gente pronta para noite de gala, a advogada Paula Oliveira é uma exceção. De short jeans, camisa e uma bota larguinha, a jovem diz que a receita é estar confortável. “Eu também gosto muito do sertanejo mesmo, de verdade, então sempre me visto assim”.

“Acho mais bonito assim, sem pretensão de ser gostosa. Tem muita gente vulgar nesta festa, mulherada estranha. O que homem gosta mesmo é de mulher com charme, não esse tipo periguete”, recomenda o engenheiro Felipe Dutra, de 25 anos.

O único cowboy da festa.O único cowboy da festa.



O nome sertanejo já não está mais ligado ao uso das botas, das modas de viola, do uso do chapéu, o que se vê hoje em dia são músicas utilizando o nome desse estilo musical porém usando batidas misturadas com funk, eletrônico, axé etc etc. Saudades do saudoso Tião Carreiro!
 
Antonio Carlos Azuaga em 07/12/2011 08:58:34
Não era festa a fantasia para ir caracterizado.
Cada um se veste da maneira que lhe convém independente da festa.
E outra coisa, hoje em dia o sertanejo já sofre várias alterações em suas letras e ritmos, temos que concordar que é um som mais pop do que sertanejo mesmo.
Então não há motivos para julgarmos as vestimentas alheias, principalmente num país tão rico e diversificado feito o nosso.
 
Arthur Gazula em 07/12/2011 04:22:40
É aterrorizante verificar o mau gosto tão difundido entre os jovens. Da música, modo de vestir e comportamento, a barbárie transfonformada em senso comum.
 
Romildo Fagundes em 06/12/2011 10:16:41
Eles tem que passar pelo esquadrão da moda.
 
João Paulo em 06/12/2011 10:04:10
A apresentação de Jorge e Matheus estava muito bonita mesmo,mas os modelitos ficaram a desejar.
 
Katyane Soares em 06/12/2011 04:09:32
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.