A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

13/07/2012 15:01

Intensivão para quem quer ser palhaço começa mostrando como rir de si mesmo

Ângela Kempfer
Oficina começou hoje em Campo Grande. (Fotos: Simão Nogueira)Oficina começou hoje em Campo Grande. (Fotos: Simão Nogueira)

De cara limpa, ninguém parece engraçado. Mas em curso que começou hoje, os 17 alunos aprendem a ser palhaços. E a primeira lição é “aprender a rir de si mesmo”, o que serve até para os que não têm a menor pretensão de ser artista.

Veja Mais
Coletivo de DJs organiza festas com música para 'dançar mais e reparar menos'
Com poucas opções, veja onde curtir as festas de fim de ano em Campo Grande

Alexandre Casali é o professor, ator baiano que há mais de 10 anos vive a graça na pele do palhaço Biancorino. “Temos de aprender a sentir prazer em expor o que pode parecer defeito. Expondo, a gente consegue a cura”, recomenda.

Os dois, criador e personagem, estão em Campo Grande para ensinar e também fazer rir durante mais uma Pantalhaços, quarta edição da mostra do Pantanal com artistas da América do Sul.

É o início da programação, que terá espetáculos a partir a próxima quarta-feira. A primeira oficina do evento serve para a vida, confirma Alexandre, mas tem o objetivo treinamento intensivo dos candidatos a palhaços profissionais.

“É para qualquer um porque o princípio é descobrir como tirar graça da gente mesmo. Tem o que é mais desastrado, o frágil o estranho. Todo mundo pode aprender a rir de si mesmo para depois convidar os outros a sorrir”, ensina.

E até o mal-humorado tem solução, caso tenha disposição para o exercício. “É uma auto-provocação”, diz o artista. 

Alexandre, mais do que palhaço, é um pesquisador sobre o assunto. Quando a arte era restrita aos circos, o ofício de palhaço era passado de pai para filho. Hoje, com grandes espetáculos montados em teatros e nas ruas, a formação também mudou, assim como alguns conceitos.

“Antes, a graça era tirada do outro. Era um pontapé no companheiro, uma gozação do outro. Hoje a graça é do nosso próprio ridículo. O que muita gente quer esconder, o estranho, para o palhaço é motivo de exposição e de fazer rir”.

Para chegar a pintar o rosto e sair por aí ganhando gargalhadas, os aspirantes ao ofício de palhaço fazem exercícios corporais e de improvisação. Outra dica do professor é observar muito e imitar. “A imitação não é constrangimento algum, coisas que outros palhaços já fizeram e dá certo tem de ser copiadas”.

Fã dos nomes das antigas, Alexandre lembra o que os mais tradicionais palhaços têm a ensinas. “A tranquilidade”.

Na mostra de Campo Grande, Alexandre e Biancorino vão encontrar Biribinha, Dentinho e Tomate (Argentina), além de grupos que fazem da palhaçada de uma nova geração no Brasil. Veja o programa completo da IV Pantalhaços em




Oi, quero ser palhaço, sou engraçadao faço umas piadinha solto perolas enfim, fui convidado para participar em uma festa infantil, e como escolher um nome que "pegue" , pensei em palhaço Pingao, Palhaço Cachaça, Palhaço Cuzido.. Palhaço rego de tomate.. podem me ajudar ?
obrigado
valeu
 
Carlos Eduaro Aveller Lopes em 01/10/2013 13:20:11
"eles copiam e vendem mais barato!" que absurdo é esse? é extremamente contrario. Os comerciantes vendem muito mais barato! Totalmente sem nexo essa reportagem.
 
marcella arruda em 13/07/2012 07:50:54
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.