A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

30/11/2014 19:23

Mesmo com público fraco, baladas sertaneja e eletrônica acertam em unir tribos

Paula Maciulevicius
Desde a tarde deste sábado, o parque teve música eletrônica e termina o domingo com duplas sertanejas. Foram dois eventos em um só, o Picnic in the park e o Balada VIP. (Foto: Alcides Neto)Desde a tarde deste sábado, o parque teve música eletrônica e termina o domingo com duplas sertanejas. Foram dois eventos em um só, o "Picnic in the park" e o "Balada VIP". (Foto: Alcides Neto)

O público não compareceu como o esperado na festa que juntou o eletrônico com o sertanejo no Parque das Nações Indígenas, neste final de semana, em Campo Grande, mas a experiência tanto para os organizadores quanto para quem compareceu é válida. 

Veja Mais
DJs esperam poucos em show no Parque, já os sertanejos estimam 30 mil
Música eletrônica faz dobradinha com o sertanejo para 24h de festa de graça

Desde a tarde deste sábado, o parque teve música eletrônica e termina o domingo com duplas sertanejas. Foram dois eventos em um só, o "Picnic in the park" e o "Balada VIP" que uniu tribos em apresentações de graça. Na tarde deste domingo, o palco principal foi para o sertanejo, mas ao lado a tenda rolou toda a programação com DJ's.

André Marcos Ribas, de 19 anos, que trabalha como publicitário foi um dos que compareceu à festa pelo eletrônico. "Achei legal, esse negócio é uma mistura que podia ficar melhor se, além do sertanejo, tivesse um banda de rock também", propôs. Fã de metal e seguidor do underground, ele só lamenta a falta de iniciativas e apoio para o setor. "Quando tem alguma coisa é porque a galera se junta e faz".

André Marcos Ribas, de 19 anos, que trabalha como publicitário foi um dos que compareceu à festa pelo eletrônico. (Foto: Alcides Neto)André Marcos Ribas, de 19 anos, que trabalha como publicitário foi um dos que compareceu à festa pelo eletrônico. (Foto: Alcides Neto)

O técnico em segurança, Marcos Juliano Magalhães, de 28 anos, também estava na tenda eletrônica. Em entrevista ao Lado B, Marcos exemplificou cidades do interior de São Paulo, até menores que Campo Grande e que, conseguem fazer três dias de festival.

"O evento aqui, em si, proporciona essa união de tribos, mas se tivesse outros, o público teria sido maior, a divulgação maior", compara.

Ao lado, enquanto o palco sertanejo só passava o som, a festa continuava rolando, mas já tinha quem queria ver as atrações do ritmo "arrocha". O grupo de seis amigos era o mais caracterizado da festa. De bota, fivela e chapéu, eles não viam a hora do show começar.

"É bem legal isso, porque no domingão, não tem nada para fazer", dizia a estudante Amanda Barbosa, de 15 anos. A amiga, concordava e ainda completou dizendo que seriam bons shows ao longo da programação. "Os caras têm destaque nacional e são daqui, de Campo Grande", completou Carolaine Silva Matos, de 16 anos.

Sobre a dobradinha eletrônico e sertanejo, o grupo diz que não sentiu diferença. "Eles ficam separados, então não tem nada. O povo de lá não se mistura e a gente também não se importa. Nossa única diferença é a roupa", brincam os amigos.

Organizador do "Picnic in the park", o DJ André Garde conta que o mau tempo e a chuva de ontem atrapalharam bastante e que o público, realmente não compareceu como o esperado. "Mas muita gente não sabia que tinha esse som e está procurando se informar onde a gente toca. Serviu para acordar a cena underground, dar um start", considerou.

Sobre a dobradinha eletrônico e sertanejo, o grupo diz que a única diferença é a roupa. (Foto: Alcides Neto)Sobre a dobradinha eletrônico e sertanejo, o grupo diz que a única diferença é a roupa. (Foto: Alcides Neto)

André também apresentou que já propôs à Prefeitura que em todos os eventos gratuitos de shows, seja instalada uma pequena tenda para que od DJ's daqui possam mostrar seus trabalhos. "Aqui não tem briga, a gente se diverte e a música é feita com muito amor".

Do lado sertanejo, o organizador do "Balada VIP", Marcos Silva, disse que houve o temor em relação à chuva e que o público esperado, de 20 mil pessoas poderia não comparecer. "Teve o fator climático, mas ainda tem muita gente chegando", ressaltou.

A festa hoje vai até 21h. Já tocaram a cantora Duda Marques e a dupla Léo Andrade e Rafael. Ainda devem se apresentar: Felipe e Menon, o cantor Evandro Campos e como convidados os sertanejos convidados, Max Moura e Cristiano.

A festa hoje vai até 21h no Parque das Nações Indígenas. (Foto: Alcides Neto)A festa hoje vai até 21h no Parque das Nações Indígenas. (Foto: Alcides Neto)



imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.