A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

22/01/2014 06:59

Na atual conjuntura, qual nome perfeito para bloco de carnaval em Campo Grande?

Elverson Cardozo
Desfile de blocos e cordões em 2013. (Foto: Arquivo/João Garrigó)Desfile de blocos e cordões em 2013. (Foto: Arquivo/João Garrigó)

É tanta demagogia, sujeira deixada embaixo do tapete, promessas não cumpridas, escândalos, corrupção, polêmicas, denúncias e investigações que acabam em pizza, que o Lado B lançou uma pergunta: Levando em consideração o atual contexto político em Campo Grande, qual seria o nome perfeito para um bloco de carnaval na cidade este ano?

Veja Mais
"Toma aqui uns 50 reais", Naiara Azevedo abre fim de semana eclético
Ludmilla é uma fofa e mostra o que o funk pode ensinar ao nosso sertanejo

Para responder ao “questionário”, convidamos seis pessoas envolvidas com a Cultura e com a folia por aqui para atender ao desafio. Gente que representa grupos, entidades e que, portanto, pode falar dos problemas com propriedade, afinal de contas, lida com eles de perto.

Mas, apesar da confirmação e de todos terem topado participar de imediato, apenas três enviaram suas respostas. Um deles se absteve justificando que já sofreu perseguição política e, por isso, teme represália.

Saco Cheio - Isso, pelo visto, não é problema para o Arquiteto e Urbanista Ângelo Marcos Vieira de Arruda, atual presidente do Conselho Municipal de Cultura. Na hora de sugerir um nome ele é sucinto: “Saco cheio”. O bloco refletiria, segundo ele, todo o momento político de hoje e ontem e tudo que anda acontecendo.

Saco cheio da política, da cidade desarrumada... “Saco cheio de um monte de coisas”, diz, ao explicar que seria “um bloco de protestos com muito humor”. A caracterização teria sacos de tecidos, cheios de objetos que lembram esses problemas, fantasias baratas e carros alegóricos. A concentração para o desfile seria na Rua 14 de Julho, no Centro.

Os foliões percorreriam a Avenida Afonso Pena, até a Prefeitura, passariam pela Câmara Municipal e encerrariam o trajeto nas proximidades do Shopping Campo Grande, segundo os planos lançados por Ângelo.

Rabo Preso - Ator e diretor de teatro, Fernando Cruz pensa em um percurso parecido para o bloco que criou, o “Rabo Preso”, mas a concentração e saída seria no Parque dos Poderes, com passagem pela Assembleia Legislativa, Tribunais e secretarias.

O grupo desceria a Afonso Pena, passaria pela Câmara, Prefeitura e encerraria as atividades no Bar do Zé, “para lembrar os bons tempos da política participativa, afinal, é lá que o povo está”.

O desfile do Rabo Preso “seria embalado por uma fanfarra fazendo muita farra, gravatas douradas, paletós de lantejoulas, terninhos pretos com estolas prateadas, colarinhos branco, roupas em vermelho, azul, amarelo, verde... Todas as cores representando a miscelâneas de partidos. Para justificar o nome, nos paletós seriam costurados rabos".

A criatividade de Fernando não para por aí. “Os adereços seriam sacos de dinheiro, cartolas, pizzas, cuecas recheadas, Bíblias para abrir a sessão, maletas 007, pistolas de água, para não esquecer a pistolagem, muito brilho e ouro”.

Blocos, na versão dos criadores, seria de humor para fazer crítica social. (Foto: Divulgação)Blocos, na versão dos criadores, seria de humor para fazer crítica social. (Foto: Divulgação)

Em boa verdade, afirma, “daria para fazer uma escola de samba com várias alas, mas, tratando-se de bloco poderia ser o do “Rabo Preso", em meio a tantas alianças espúrias, trocas de partidos, aumento de salários, vantagens e CPIs que não dão em nada”.

Deixa eu ficar - No meio de toda essa crítica, surge um bloco de apoio, o “Deixa eu Ficar”, que lembra o nome da primeira escola de samba do Rio de Janeiro, a “Deixa Falar”. A invenção é do presidente da Lienca (Liga das Entidades Carnavalescas de Campo Grande), Eduardo Souza Neto, que justifica a criação: “Seria um bloco que faria uma alusão ao prefeito, para permanecer no cargo”.

Um movimento “de apoio à permanência e para acabar com o imbróglio do legislativo”, prossegue. “A quantidade de voto que ele obteve é significativa e merece ser levada em conta”, defende, adotando o mesmo discurso do prefeito. O Deixa eu Ficar seria, assim, um bloco de crítica ao atual cenário da Capital, que vive uma verdadeira novela.

“A meu ver, não é só o prefeito que está deixando a desejar com o povo. Os vereadores também, porque ficam nessa briga e deixam de desempenhar o papel deles”, ponta. Os foliões, neste caso, saíram para a avenida vestidos com o figurino do Chefe do Executivo: de terno, gravata e maleta.

À frente do grupo seria estendido um estandarte com o símbolo do Paço Municipal, com a imagem do Obelisco ou algo que lembrasse a cidade. O desfile, se acontecesse, teria como palco a região da Esplanada Ferroviária. “É um local que já virou referência para o encontro de blocos, independente da temática, proposta ou mensagem”, lembra.

E você, criaria qual bloco?




Olha, não sendo ignorante mas tenho algumas sugestões referente a nome de blocos carnavalescos. ´´Bloco da Saúde não Pula Carnaval´´ ou ´´Bloco das Filas dos Hospitais´´ ou ´´Bloco CPI da Saúde´´ etc..
Sei que carnaval é cultura, mas é tão triste ver pessoas precisando de auxílios ´´Pessoas que realmente necessita´´, investimentos com algo que não traz retorno algum a população a não ser sujeiras, badernas, bebidas, drogas, brigas e até mesmo mortes.
 
vanessa.silva em 24/01/2014 15:32:29
Bloco do Aedes!
 
Marcelo Rezende em 22/01/2014 12:50:38
Colocaria o nome de "Tira a mão do meu Bolso" ou "Larga meu dinheiro" . Ficaria legal
muita fantasia colorida um carro alegórico com um cofre e vários seguranças.
 
cleber barbier em 22/01/2014 12:40:04
Eu tenho uma bem a cara desse povo que votou nesse canavalha que esta avacalhando com nossa capital..RIR E ROUBAR, E SÓ OS TROUXA VOTAR....
 
Ana C. Oliveira em 22/01/2014 12:34:49
Já que está na moda, que tal o bloco "do rolézinho".
 
Regiane Maria dos Santos em 22/01/2014 12:25:09
"PALHAÇOS DO CIRCO"!!
 
Paulenir de Barros em 22/01/2014 11:32:40
Bloco Chipa-Folia , Sopa-Brasiguaia , Unidos da Confusão , Agora é Tarde ...
 
Germano Souza em 22/01/2014 10:29:11
Eu colocaria "DE GRÃO EM GRÃO", pensando na corrupção feita com o dinheiro para o tratamento de pessoas com câncer, onde as pessoas fazem suas doações, muitas vezes feitas por pessoas muito humildes que têm boa vontade de ajudar e uns espertalhões passam a mão "SEM DÓ E SEM PIEDADE", outro nome que poderia ser dado. quando as pessoas doam elas não pensam na quantidade e sim no bem que estão fazendo mesmo que sua doação seja pequena, pois é de grão em grão que a galinha enche o papo e os espertalhões enchem os bolsos.
 
Rosimeire Figueiredo em 22/01/2014 10:27:42
Minha sugestão é PÃO E CIRCO, que é o retrato da realidade do cidadão. Falta educação, saúde, segurança pública, asfalto. Mas em compensação temos bastante propaganda na TV sobre as "conquistas" do Estado e da Prefeitura e os já conhecidos festivais, onde não falta verba pública.
 
Marcos Paulo Hypollito em 22/01/2014 09:54:38
Acho que na situação que está nossa querida Cidade Morena, o nome correto seria:
COM BERNAL A CIDADE ESTÁ INFERNAL.
 
VALDIR VILLA NOVA em 22/01/2014 09:29:30
Abra o olho campograndensse
 
ELIO SANTOS em 22/01/2014 09:13:06
Sujo falando do mal lavado
 
Carlos Rodrigues em 22/01/2014 08:54:37
Rolézão
 
Sebastião Alves Bandeira em 22/01/2014 08:06:02
Sugiro o SAÚDE 1%, montaria uma ala com os reais que foram surrupiados da saúde, a ala Dorsa, com um monte de plumas e paetês, um carro alegórico com alusão aos equipamentos que a máfia do câncer nunca permitiu que chegassem aos hospitais públicos e de comissão de frente um monte de computadores e cabos de conexão em alusão ao sistema informatica de saúde superfaturado....
 
José Marcos em 22/01/2014 07:30:30
O "Bloco dos Homens Salão". Homenageando os condenados no maior escândalo do país, com mascaras representando os condenados e o juiz q os condenou.
 
samuel gomes-campo grande em 22/01/2014 07:15:35
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.