A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

14/04/2013 19:52

Para Marcelo Nova, sexo, drogas e rock'n roll é clichê para quem não amadureceu

Anny Malagollini
Marcelo Nova em Campo Grande neste domingoMarcelo Nova em Campo Grande neste domingo

Na rua, quem tem menos de 25 anos terá dificuldade de responder o que é “Camisa de Vênus”. Quase ninguém deve acertar que é o nome de batismo da nossa boa e velha “camisinha”. Quem arriscar uma resposta, provavelmente irá dizer: “uma banda de rock dos anos 80”.

Veja Mais
"Toma aqui uns 50 reais", Naiara Azevedo abre fim de semana eclético
Ludmilla é uma fofa e mostra o que o funk pode ensinar ao nosso sertanejo

A necessidade deu um apelido ao preservativo e quem herdou o nome foi a eterna banda que não existe desde 86, mas continua viva com a carreira do vocalista e compositor de todas as canções do grupo, Marcelo Nova.

“Quando comecei a ouvir a banda, eu era adolescente. Era tão bobo que nem sabia o significado da palavra”, comenta o biólogo Ricardo Bochese, de 30 anos, um dos fãs que passaram a tarde de domingo com Marcelo Nova em show de comemoração do aniversário do Lendas Pub. O bar fechou um trecho de avenida Mato Grosso para a festa com o roqueiro, o convidado principal.

Antes, bebendo uma coca-cola, de saída deixou claro que não aceita algumas piadinhas. “Se eu fizesse tudo que acham que eu faço, já estaria morto”. Por aqui, também colocou as mãos no gesso para registro da passagem por Campo Grande pelo projeto “Guardiões de Ídolos”.

O cara conhecido por letras do tipo “Então bota pra fudê, se você não ganhou nada não tem nada pra perder”, ele diz que sexo, drogas e rock'n roll é clichê para quem é “muito jovem ou não amadureceu”.

O cantor e compositor há muito está em outra, garante. Acalmou desde 'Eu Não Matei Joana D’Ark’ e ‘Só o Fim’. Envelheceu, mas não mudou a forma de fazer música. “Faço letra atemporal, não vou escrever sobre internet e namorinho. Falo sobre valores”, comenta.

Há 7 anos ele não canta “Ô Silvia, piranha!”, hit do Camisa, e diz que a música é uma piada e, como toda piada, perdeu a graça. “Tenho músicas muito melhores que estão no meu show”.

Em maio, Marcelo lança o novo CD “12 Fêmeas”, depois de dez álbuns, sem contar um disco ao vivo e um em estúdio. “Trato as canções como minhas fêmeas”, justifica.

É o primeiro álbum de músicas inéditas dos últimos 8 anos. A venda será exclusivamente pela iTunes Store. A critica é boa.

Capa do novo CD de Marcelo Nova, que será lançado em maio.Capa do novo CD de Marcelo Nova, que será lançado em maio.



Aew Valeria SIlva quando o show é de sertanejo ninguém se incomoda, agora quando vem alguém q tem historia na musica brasileira, considerado uma lenda viva vc acha ruim?
O movimento rock'n roll no estado já é fraco, eventos como esse tem q ser feito regularmente, pq não é só desse lixo sertanejo que campo grande gosta.
 
Allyson Mendes Guimarães de Araujo em 15/04/2013 15:51:58
OS shows foram ótimos, parabéns pela organização. Deveria ter pelo menos 1 vez por mês. NA RUA mesmo.
 
Rebeca Malheiros em 15/04/2013 15:20:39
Quem gosta ou toca Rock 'n Roll, de cara, já é rotulado como drogado.
Nem todo músico usa drogas. Não é preciso usar drogas pra fazer música. é preciso separar as cosias e as pessoas.
 
Sergio Spengler em 15/04/2013 10:52:32
Muito bom !?! valew ...
 
leandro sousa em 15/04/2013 08:29:05
Uma vergonha fecharem a Mato Grosso e impor a todos os moradores da região um som em altos brados, e, diga-se, horrível.
Porque não fizeram dentro do próprio clube?
Terra de ninguém!!!!
Agora ouço os gritos de "EU sou Padre Marcelo! ALeluia" Ninguém merece!
 
Valeria SIlva em 14/04/2013 21:31:07
Taí gostei muito da entrevista.. nota-se que Marcelo é hoje um cara cabeça boa..... legal valeu!
 
Gilson Giordano em 14/04/2013 20:23:01
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.