A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

19/12/2012 09:37

Primeiro festival de jazz e viola tem chamamé, polca paraguaia e também tango

Elverson Cardozo
Festival pretende unir música raiz à erudita. (Foto: Elverson Cardozo)Festival pretende unir música raiz à erudita. (Foto: Elverson Cardozo)

A noite foi completamente instrumental, mas os ritmos foram diversificados. No primeiro festival de jazz e viola de Mato Grosso do Sul teve tango, chamamé e até polca paraguaia. Uma junção equilibrada, que deixou o público à vontade e garantiu um evento mais intimista. Não tão longe da tranquilidade característica das obras eruditas, nem tão perto da música raiz

Veja Mais
"Toma aqui uns 50 reais", Naiara Azevedo abre fim de semana eclético
Ludmilla é uma fofa e mostra o que o funk pode ensinar ao nosso sertanejo

A abertura aconteceu na noite desta terça-feira (18), no Teatro Aracy Balabanian, em Campo Grande. A casa, para alegria dos músicos, dos parceiros e organizadores, ficou lotada. Quase não sobraram espaços.

O guitarrista, violonista e violeiro Marcos Assunção deu início à apresentação. Dividiu o palco com os violeiros Igor Canaziles e Júlio Borba, o baterista Guto Costa e o baixo Gabriel Basso.

Único músico a tocar um instrumento de sopro, um saxofonista, posicionado à direita do palco, na parte de trás, garantiu o som característico do jazz, em arranjos e solos que fizeram a plateia vibrar.

À frente, no centro, Marcos deixou evidente a paixão pela música e mostrou a que veio. De olhos fechados, sem qualquer partitura, dominava as cordas do violão com maestria. A agilidade com que executa as notas é de impressionar.

Marcos Assunção abriu o evento. (Foto: Elverson Cardozo)Marcos Assunção abriu o evento. (Foto: Elverson Cardozo)

Mas o violeiro escolheu uma música lenta para iniciar a noite. Só aumentou o rítmo na segunda composição. A euforia foi tanta que deixou cair o chapéu. "Não teve jeito, eu tive que mostrar porque estou usando chapéu. Meus cabelos estão caindo", brincou.

Ao anunciar o primeiro violeiro convidado, o músico agradeceu os parceiros e ressaltou que seria impossível promover o evento sem a presença de grande músicos. Disse ainda que a união de forças e ideais foi responsável pelo sucesso do evento. "É impossível fazer um festival sem apoio ou parceria", afirmou.

Depois, com o grupo, tocou o mesmo repertório executado no ano passado, quando representou Mato Grosso do Sul no 9º Festival Tensamba, em Madri, na Espanha. Ao final, foi aplaudido de pé.

Na sequência, o violonista Marcelo Loureiro subiu ao palco. Agradeceu os convidados e também comentou a dificuldade para a realização de eventos do gênero. "Tudo é muito difícil quando se fala em música de qualidade", pontuou.

As primeiras músicas, tocadas no violão, encantaram pela perfeição, autenticidade e a animação com que foram executadas. A sensualidade do tango também chegou pelas cordas, em uma sequência de tirar o fôlego.

Marcelo Loureiro encantou o público no violão, na viola e na harpa. (Foto: Elverson Cardozo)Marcelo Loureiro encantou o público no violão, na viola e na harpa. (Foto: Elverson Cardozo)

No mesmo estilo, sem perder a euforia, Marcelo apresentou uma sequencia de chamamé. Na viola, acompanhado de Magno Abreu, interpretou "Cidade Morena" e sucessos de Almir Sater, como "Corumbá" e "Luzeiro", que já foi tema de abertura do Globo Rural.

Por fim, na harpa, se rendeu à polca paraguaia, em um dos temas mais conhecidos: "Pajaro Campana". Atendendo ao pedido de bis, Loureiro voltou ao palco e, no violão, tocou Mercedita. Sem fugir à regra, marca registrada no Estado, o que mais se ouviu foram gritos no teatro.

Pela quantidade de gente que prestigiou o evento, a análise não poderia ser outra. Para Marcelo Loureiro, Campo Grande tem púbico para apresentações do gênero. O que falta, talvez, é incentivo.

"Isso é o começo de uma grande caminhada. Temos que fazer com que este festival de música acabe atraindo um público fiel que vai sempre consumir essa música", disse, em entrevista ao Lado B.

A proposta de unir a música raiz à erudita pode auxiliar na aproximação e na eliminação de conceitos pré-estabelecidos. "Isso, de alguma forma, traz curiosidade. As pessoas acabam vindo para ver", declarou.

Músico apresentou sequencias de tango, chamamé e sucessos de Almir Sater. (Foto: Elverson Cardozo)Músico apresentou sequencias de tango, chamamé e sucessos de Almir Sater. (Foto: Elverson Cardozo)

O idealizador do projeto, Marcos Assunção, pensa da mesma forma e afirma que a ideia é fortalecer o festival para que o evento se torne conhecido nacionalmente. A música produzida aqui, disse, deve ser valorizada. "Esse festival veio para unificar fronteiras", resumiu.

Sobre a junção musical, o músico diz que a ideia surgiu do próprio trabalho e da singularidade do Estado.
Quem assistiu, teceu elogios. Para a funcionária pública federal Anita Borba, de 55 anos, a qualidade musical garantiu o sucesso da apresentação que ela considerou "o maior presente do ano".

"Espero que aconteça mais eventos como esse", disse, ao comentar que a junção da música erudita com a raiz deixou o festival ainda mais envolvente. "Foi uma idéia fantástica", avaliou.

Marcos apresentou repertório que tocou na Espanha, no 9º Festival Tensamba. (Foto: Elverson Cardozo)Marcos apresentou repertório que tocou na Espanha, no 9º Festival Tensamba. (Foto: Elverson Cardozo)

Segundo dia - Ainda dá tempo de assistir as apresentações. O primeiro festival de jazz e viola termina nesta quarta-feira (19). Quem vai encerrar o evento é o instrumentista Roberto Corrêa, do Distrito Federal.

Antes, a Camerata Violeira, grupo vinculado ao projeto Violeiros de Mato Grosso do Sul, realiza a apresentação de estreia. A acordeonista e cantora Lenilde Ramos também vai se apresentar, na companhia do contrabaixista Leonardo Camy.

A entrada é um quilo de alimento não perecível. Outras informações podem ser obtidas pelo site www.festivaljazzeviola.com.br

Serviço - O Centro Cultural José Octávio Guizzo fica na rua 26 de Agosto, no centro de Campo Grande.




O evento foi maravilhoso, Marcelo Loureiro fez um SHOW.... CG precisa mesmo dessas oportunidades para levar e relembrar a nossa cultura para o nosso próprio povo. Parabéns à organização!
 
Juliana Cardoso em 19/12/2012 13:33:40
imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.