A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

02/06/2014 15:35

Samba do malandro perde para lógica de cachês pagos pela Fundac

Ângela Kempfer e Kleber Klajus
Zé Pilintra, símbolo da malandragem, retratado por Eduardo Closs.Zé Pilintra, símbolo da malandragem, retratado por Eduardo Closs.

Folia é pouco no samba atravessado e mal explicado dos cachês pagos pela prefeitura de Campo Grande na administração passada. Não foi por falta de aviso. O Lado B já publicou algumas vezes valores, no mínimo, questionáveis, que por aqui são repassados a alguns astros esquecidos, contratados para a Noite da Seresta, por exemplo, com toda a generosidade da verba pública.

Veja Mais
Begèt de Lucena e Mari Depieri são as vozes do Som da Concha de hoje
Festival de Artes começa com público fraco, mas tem vocação para ser resistência

Hoje, durante audiência pública na Câmara Municipal, o foco foi o dinheiro gasto com o Carnaval e a possibilidade de criação da CPI da Folia, mas novamente a esculhambação generalizada veio à tona. Para começar, o 1% tão batalhado pela Cultura no orçamento já teve R$ 631 mil gastos sem qualquer consulta ou critério para aplicação. E por aí segue o poder público com o uso desregrado das verbas.

Uma lista apresentada com nomes dos artistas que levaram o calote da Fundação Municipal de Cultura mostra que, além da bagunça no caixa (sem documentação que comprove a necessidade de pagamento), também há discrepâncias no investimento.

O valor pago para grupo de mulatas fazer uma rápida participação em evento de Carnaval, por exemplo, é o mesmo de músicos e bandas que passam a noite tocando em Campo Grande.

O “Mulatas de Tawanda” tem R$ 13.2 mil a receber, por 8 apresentações com custo de R$ 1.2 mil cada. O cachê é igual ao devido por uma noite de trabalho a grupos como Chamamezeiros, Sampri, Samba de Prima e do cantor Carlos Colman.

Mais isso é de menos. O negócio é tão sem nexo, que o grupo Terra Samba, contratado para a abertura do Carnaval deste ano, recebeu R$ 231 mil, cachê de banda nacional no topo das paradas de sucesso (o que não é o caso dos baianos hoje em dia). Só para uma comparação rápida, Beth Carvalho cobra R$ 160 mil e Nando Reis R$ 180 mil.

Segundo levantamento apresentado à Câmara, os baianos receberam até os R$ 33 mil referentes aos impostos que deveriam ser responsabilidade do Terra Samba e não da prefeitura.

No ano passado, a “Banda Pholhas” custou R$ 51 mil à Fundac, enquanto que para um show fictício do Lado B, a equipe da banda enviou orçamento de R$ 18 mil. O cantor Peninha levou mais R$ 47 mil para cantar em agosto de 2013. Já para uma apresentação este ano, a pedido do Lado B, o cachê cobrado seria de R$ 15 mil, ou seja, uma diferença de R$ 32 mil.

Se para quem não vive da arte as contas já parecem sem lógica, imagine para o pessoal que tem a Cultura como ganha pão.

“É um descaso pagar mais de R$ 200 mil para uma banda que não está em evidência. Tem artista de mais nome que o valor é menor. É uma vergonha pra todo mundo”, comenta Vitor Gregório, da dupla Vitor e Vinícius.

Ele diz que deixou de se apresentar em Campo Grande durante um ano e meio, por conta do valor do cachê de no máximo R$ 1 mil. “É metade da despesa que tenho com a minha equipe, e ainda para ser pago após 30 dias”, reclama.

Para fechar com chave de ouro a manhã de descobertas na Câmara, o assessor financeiro da Fundac, Thiago Brandão explicou as estranhezas na Cultura como efeito de uma “força maior que interferia nas contratações”. Falou o que não é difícil imaginar, mas que na boca de um agente público soa mal, pra lá de desafinado, ainda mais quando os nomes não são dados aos bois.




imagem transparente

Compartilhe

Classificados


Copyright © 2016 - Campo Grande News - Todos os direitos reservados.